Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Blogue de receitas flexitarianas (carne, peixe e assim-assim)

Belita, a Rainha dos Couratos

Blogue de receitas flexitarianas (carne, peixe e assim-assim)

Sex | 02.02.24

Bolo d'Amor

 

Andava para fazer este bolo há mais de um ano mas acabava por achar que era muito trabalhoso (não é!) e com ingredientes que nem sempre tenho à mão.

Juntos os ingredientes, mãos à obra! O bolo ficou uma maravilha embora com uma textura diferente já que a sêmola e a amêndoa lhe dão um toque meio granulado. O cheiro e o sabor são exóticos, talvez tenha a ver com a utilização do cardamomo e da água de rosas, bastante utilizados na cozinha do Medio Oriente, que é onde fica a Pérsia (actualmente Irão).

Achei o nome do bolo tão bonito que decidi pesquisar porque é que se chamava assim. E qual não foi o meu espanto quando todas as pesquisas apontaram para uma receita de um bolo português que existia no século XV e se chamava Bolo d'Amor. Segundo reza a história, era um bolo que aguentava bastante tempo sem se estragar e por isso era levado pelos navegadores que andavam por esse mundo fora à descoberta de outros mundos.

Embora este bolo se chame 'Persian Love Cake', a verdade é que chegou à Pérsia através do Ceilão, actualmente Sri Lanka e anteriormente conhecido por Taprobana, de que todos os que leram os Lusíadas já ouviram falar.

Os portugueses estiveram em Ceilão cerca de cento e cinquenta anos [de 1505 a 1556] e durante esse tempo houve muitos casamentos entre homens portugueses e mulheres cingalesas cujas mães, para adoçar a boca dos prováveis genros, começaram a fazer o Bolo d'Amor português, juntando-lhes ingredientes da zona e que originalmente não faziam parte da receita, como a água de rosas, o cardamomo e o açafrão.

Não sei se a história é verdadeira ou se é apenas folclore mas a verdade é que no mês do Amor, um bolo destes vai direitinho ao coração.

 

'Persian Love Cake'

 

20240127_181300.jpg

 

Bolo:

90 grs de manteiga amolecida (usei Becel Cozinha)

6 colheres de sopa de azeite extra virgem

1 copo de açúcar

5 ovos

1 copo de iogurte grego

2 colheres de sopa de água de rosas

2 colheres de chá de cardamomo em pó

1 copo de farinha de amêndoa

3/4 de copo de farinha sem fermento

1/2 copo de sêmola de milho

2 colheres de chá de fermento em pó

1 pitada de sal

3 colheres de sopa de amêndoas em lascas

Xarope:

1/2 copo de mel

1/2 copo de sumo de laranja

2 colheres de sopa de água de rosas

1/2 colher de chá de estames de açafrão

2 colheres de sopa de pistachos laminados

Pétalas de rosa secas (opcional)

 

Numa taça grande bater a manteiga juntamente com o azeite e o açúcar. Adicionar os ovos um a um, o iogurte, a água de rosas e o cardamomo. Juntar a farinha de amêndoa, a farinha e a sêmola envolvendo bem. Finalmente adicionar o fermento e o sal.

Verter a massa para uma forma redonda untada (usei uma com 20 cms de diâmetro) e por cima espalhar as lascas de amêndoa. Levar ao forno por cerca de 40 minutos (testar com um palito no meio para verificar a cozedura).

Enquanto o bolo coze, fazer o xarope misturando o mel e o sumo de laranja numa caçarola. Levar ao lume e deixar levantar fervura. Baixar o lume e deixar fervilhar por cinco minutos. Apagar o fogo e adicionar a água de rosas, os estames de açafrão previamente esmigalhados e os pistachos.

Retirar o bolo do forno, fazer alguns furos com um palito e por cima espalhar o xarope. Decorar com pétalas de rosa secas.

 

20240127_170112-COLLAGE.jpg


Notas:

Receita daqui

Pesquisas daqui e daqui