Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Blogue de receitas flexitarianas (carne, peixe e assim-assim)

Belita, a Rainha dos Couratos

Blogue de receitas flexitarianas (carne, peixe e assim-assim)

Qui | 30.06.22

se não sou eu...

 

Já não bastava que os fritos não são lá muito bons para a nossa saúde (principalmente porque em alguns restaurantes o óleo é tão usado que era capaz de sair da fritadeira pelo próprio pé...); agora também temos o óleo a preços de ourives.

Só que, de vez em quando queremos mesmo, porque tem mesmo que ser, comer umas batatas fritas. Ou precisamos delas para preparar um prato que as leve, como por exemplo o bacalhau com natas ou a carne de porco à alentejana.

Não procurem mais, tenho aqui a solução para o vosso dilema. Estas batatas 'fritas' devem demorar ao todo cerca de meia hora até estarem prontas, dependendo também da grossura com que forem cortadas. Podem ser em palitos, rodelas, quadrados, etc.

As melhores para este preparo são as de casca vermelha porque as brancas desfazem-se bastante. Sim, eu já testei com várias para que possam ir logo para as que interessam (fujam das novas para este prato!). E se no fim disto tudo quiserem erigir uma estátua em minha homenagem, o lado esquerdo é o que mais me favorece.

 

Batatas 'fritas'

 

20220529_130219.jpg

 

4 batatas

2 colheres de sopa de azeite

Tempero a gosto (pode ser sal, pimenta, orégãos, tomilho, ervas de Provença, etc.)

 

Descascar e cortar as batatas no tamanho desejado. Temperar a gosto e envolver no azeite, misturando bem.

Aquecer uma frigideira antiaderente e colocar as batatas bem espalhadas no fundo. Tapar com um testo e deixar em lume brando, virando as batatas com a ajuda de uma espátula de quando em quando para que não fiquem apenas tostadas de um lado.

Consumir conforme desejado.

 

Qua | 29.06.22

Já aquecia...

 

Quando o tempo começa a aquecer (embora convenhamos que pelo menos por aqui não está assim tão quente) gosto de fazer saladas em vez de estufados ou assados no forno. Também os faço mas menos vezes e começo a dar asas à imaginação para variar. E os couscous são sempre apreciados, seja para acompanhamento seja como base de saladas. Já experimentaram? São facílimos de fazer.

 

Salada de Couscous com Salmão

 

20220622_122451.jpg

 

Couscous q.b.

2 lombos de salmão

1 colher de sopa de azeite

Sal q.b.

1 tomate

1 abacate

1 molhinho de rúcula

2 hastes de cebolinha

2 colheres de sopa de pinhões

Salicórnia

Pimenta preta

Azeite

Vinagre Balsâmico

 

Preparar os couscous conforme indicado na embalagem e reservar.

Aquecer o azeite numa frigideira e fritar os lombos de salmão temperado com sal em lume forte, por poucos minutos de cada lado, de modo a que não fiquem secos por dentro mas fiquem tostadinhos por fora. Separar em lascas e reservar.

Cortar os restantes ingredientes da salada do tamanho pretendido e misturar com os couscous e os pinhões numa taça grande, envolvendo também as lascas de salmão.

Temperar a gosto com pimenta moída na altura e com uma mistura de azeite e vinagre balsâmico.

 

Nota: Pode ser usado salmão em conserva

 

Seg | 27.06.22

toranja com twist

 

A toranja (Citrus × paradisi) é um híbrido que saiu da junção de um pomelo com uma laranja no distante século  XVIII, nos Barbados. A palavra toranja vem do persa turanj. Em inglês chama-se Grapefruit (talvez porque em algumas variedades a fruta nasce como se fosse em cachos, como os da uva). O seu sabor é uma mistura de ácido, amargo e adocicado e consoante a variedade, o seu interior pode ser clarinho como o de um limão ou rosado. Quanto mais rosado o interior, mais doce é.

Segundo os entendidos, a toranja pode interagir com a tomada de alguma medicação, quer potenciando o seu efeito negativamente, quer anulando a eficácia dos medicamentos. Convém ter este alerta em atenção, principalmente quem tenha o hábito de consumir toranjas amiúde. Esta carapuça não me serve, como se costuma dizer, já que a toranja não é de todo o meu citrino favorito e normalmente só consigo ingeri-la em sumo, misturado com bastante laranja.

Mas, sempre na senda de descobrir melhores maneiras de consumir alimentos que numa primeira impressão me deixam 'blheeeck', (e porque me deram muitas toranjas) encontrei esta alternativa e, não sei se é do açúcar ou porque até fica bem bonitinho na fotografia, gostei.

A repetir, com moderação.

 

Toranja Caramelizada

 

20220622_161249.jpg

 

1 Toranja

1 colher de sopa de açúcar amarelo

 

Cortar a toranja ao meio e salpicar o açúcar sobre cada metade. Aquecer uma frigideira e tostar a toranja do lado cortado, durante cinco a oito minutos, até que o açúcar fique caramelizado.

Servir de imediato.

 

Sex | 24.06.22

tudo a postos

 

Para quem tiver mais olhos que barriga e regressar da Feira Nacional do Mirtilo, que decorre este fim de semana em Sever do Vouga, com mais mirtilos do que aqueles que pretendia, esta é uma excelente e deliciosa maneira de gastar alguns. Mas, se forem como eu, só depois de 'derreter' aí um quilo deles a comer à mão-cheia. E então? Nem toda a gente é perfeita...

 

Delícia de Mirtilos

 

20220611_180225.jpg

 

150 grs de bolacha Maria

50 grs de noz-pecã

50 grs de manteiga

250 grs de queijo Quark

200 grs de queijo-creme

100 grs de açúcar amarelo

400 grs de mirtilos (usei congelados)

2 colheres de sopa de açúcar

1 colher de sopa de sumo de limão

2 colheres de sopa de água

1 colher de chá de farinha Maizena

 

Num tachinho misturar os mirtilos com o açúcar e o sumo de limão. Levar ao lume e deixar fervilhar por uns cinco minutos. Misturar a água com a farinha Maizena, adicionar aos mirtilos e deixar engrossar mexendo sempre. Reservar até estar frio.

Triturar as bolachas com as nozes e adicionar a manteiga. Deitar esta mistura na base de um pyrex quadrado (com cerca de 20 cms de lado).

Bater os queijos com o açúcar e deitar metade desta mistura sobre a bolacha triturada. Por cima colocar a calda dos mirtilos já fria e por cima a restante mistura de queijos.

Levar ao frigorífico e servir bem fresco.

 

Qua | 22.06.22

ralações

 

Há coisas que me consomem há anos, como por exemplo como é que se consegue que os ovos dentro dos "Scotch Eggs" mantenham a gema líquida mesmo depois de serem submersos em óleo a ferver para fritar a carne picada em que são envolvidos ou, em alternativa, irem ao forno assar essa mesma carne. Problemas de primeiro mundo, é certo, mas para mim, que tenho a mania que gosto de perceber a comida e todas as coisas que lhe dizem respeito, é quase uma afronta não saber.

Mas já estou descansada.

 

"Scotch Eggs" (Ovos Escoceses)

 

20220603_201440.jpg

 

4 ovos médios

300 grs de carne picada

1 colher de sopa de orégãos

1 colher de chá de molho Inglês

Sal q.b.

Pão ralado

Azeite

 

Cozer os ovos em água a ferver por seis minutos e meio. Retirar do lume e colocar numa taça de água bem fria até arrefecer. Descascar e reservar.

Numa taça misturar a carne, os orégãos, o molho inglês e o sal e dividir em quatro porções. Envolver cada ovo com uma porção de carne, passar por pão ralado e pincelar a toda a volta com azeite. Levar a forno médio por cerca de vinte minutos. Servir com uma salada.

 

Seg | 20.06.22

É hoje

 

Há uma campanha internacional que se chama 'Meatless Monday' (Segundas sem carne, numa tradução livre), que existe desde a Primeira Grande Guerra, e que encoraja as pessoas a evitarem comer carne pelo menos à segunda-feira. A iniciativa pretendia originalmente poupar no consumo de carne pela população americana num esforço para conseguir alimentos para as tropas que lutavam na guerra. Actualmente a ideia é evitar a utilzação de produtos de origem animal , numa tentativa de ajudar quer a saúde pessoal quer a saúde do planeta visto esses produtos são dos que consomem mais recursos no planeta.

Cá em casa fazem-se imensas refeições vegetarianas, apenas porque agrada e não apenas à segunda-feira. Outras vezes fazem-se mesmo refeições vegan, não porque seja uma dieta que pretenda seguir mas porque há receitas vegan que me parecem muito bem e já sabem, receita que me pareça bem, experimento!

E vocês, há algum dia em que substituem a proteina animal por outra mais 'verde'?

 

Cogumelos Recheados (sem ir ao forno)

 

20220611_200509.jpg

 

3 Cogumelos Grandes (brancos ou Portobello)

Azeite q.b.

Pimenta q.b.

100 grs de queijo-creme de Ervas e Alho

Miolo de pão seco (duas fatias, trituradas)

50 grs de queijo mozarela ralado

Cebola frita (opcional)

 

Retirar o pé dos cogumelos e reservar para outra utilização.

Verter um fio de azeite dentro das capas dos cogumelos e salpcar com pimenta preta.

Misturar o queijo-creme com o miolo de pão e dividir pelos cogumelos. Por cima espalhar o queijo ralado e colocar numa frigideira com um fio de aeite no fndo. Levar ao lume com a tampa e deixar coinhar em lume brando por uns minutos até o queijo ralado derreter.

Servir salpicado com cebola frita, se usar.

 

Sex | 17.06.22

Camadas de Prazer

 

Sobras de bolos secos? Nem pensar em deitar fora, é já uma Trifle ou um Parfait ou seja lá o que lhe quiserem chamar e pronto, não se fala mais nisso. E se estivermos na dúvida sobre se queremos antes morangos ou cerejas ('tá-se mesmo a ver!) fazemos com 'ambos os dois'.

 

Trifle de Lemon Curd

 

20220604_115856.jpg

 

Sobras de bolo tipo Pão de Ló

50 ml de Moscatel

250 grs de queijo Quark

200 grs de queijo-creme

Açúcar amarelo q.b.

250 grs de Lemon Curd

Cerejas ou Morangos

 

Cortar o bolo em quadradinhos (ou esfarelar) e salpicar com o vinho Moscatel.

Bater o queijo Quark com o queijo-creme e o açúcar amarelo.

Cortar as cerejas ao meio retirando o caroço e cortar os morangos em bocadinhos.

No fundo de quatro taças colocar bolo, por cima a fruta escolhida, depois o queijo batido e finalmente o Lemon Curd. Repetir as camadas mais uma vez.Guardar no frio até servir.

 

Qua | 15.06.22

mamma mia!

 

Não sou muito organizada no que se refere a preparar com antecedência aquilo que quero fazer ou mesmo ver antecipadamente se tenho todos os ingredientes necessários, digamos que é a minha maneira de viver no abismo. Ora no outro dia apeteceu-me pizza e não estava para ir buscar uma a lado nenhum e muito menos queria ir a um restaurante comer.

Entra em acção a massa de pizza mais rápida que conheço e para o resto, já que também não tinha molho de tomate do caseiro, foi mesmo daquele dos pacotinhos de cartão. Só posso dizer que para desenrasque ficou muito bem!

 

Pizza 3 F's (Fiambre de Frango Fumado)

 

photocollage_20226149445107.jpg

 

Massa:

2 e 1/2 copos de farinha

2 colheres de chá de fermento em pó

1 pitada de sal

1 colher de sopa de azeite

1 copo de água (pode não ser necessária toda)

 

Recheio:

100 ml de polpa de tomate

1 colher de sopa de azeite

1 ou 2 colheres de sopa de orégãos

150 grs de peito de frango fumado em fatias finas

150 grs de queijo mozarela ralado

 

Massa:

Misturar os ingredientes secos numa taça e adicionar o azeite misturado com a água. Mexer bem até a massa não se colar às mãos e passar para a bancada amassando por uns três a cinco minutos.

Estender a massa com o rolo até ao tamanho desejado e por cima espalhar os ingredientes usados.

Recheio:

Espalhar o molho de tomate sobre a massa estendida e por cima deitar azeite num fio. Salpicar com metade dos orégãos. Por cima espalhar as fatias de fiambre e cobrir tudo com o queijo ralado. Verter mais um fiozinho de azeite e orégãos sobre o queijo e levar a forno médio por uns vinte minutos.

 

Ter | 14.06.22

¡Ándale!

 

Esta é uma especialidade da Arentina e do Uruguai e como não podia deixar de ser tratando-se desses dois paísses, é para usar com churrasco. E é tão versátil que pode ser usado como marinada, para pincelar a carne enquanto assa ou para usar no prato, como acompanhamento.

Faz-se num piscar de olhos e como é óbvio, também pode ser usado com outras comidas sem ser churrasco:  para temperar uma salada verde, por exemplo; para pôr sobre feijões ou grão cozidos e assim ficar com uma salada fria para acompanhamento, para pôr sobre charcutaria ou queijo numa sandes; ou para usar conforme vos apetecer, afinal também podem puxar pela cabeça e descobrir outras maneira de gastar o Chimichurri, quanto mais não seja para poder dizer esta palavra tão engraçada.

 

Chimichurri

 

20220605_115917.jpg

 

125 ml de azeite

2 colheres de sopa de vinagre de vinho tinto

1 molho de salsa picada

1 colher de sopa de orégãos frescos

1 dente de alho ralado

1 malagueta fresca picada

Pimenta preta q.b.

Sal q.b.

 

Misturar todos os ingredientes numa tacinha e deixar por uns minutos ou mesmo uma hora para que os sabores se misturem.

Gastar como desejado.

 

Qui | 09.06.22

sweet little sixteen

 

Hoje faz estes anos o meu blogue.

 

  1. Dezasseis. Sixteeen. Seize. Δεκαέξι. Sechzehn. Шестнадесет. Šestnáct. 十六. Seksten. Dieciséis. ستة عشر. Un ar bymtheg. सोलह. Sedici. Sextán. Šešiolika.Sittax. Sexton. Шістнадцять. On altı. สิบหก. Setze. Kuusitoista. सोह्र. tekau ma ono. Zestien. 16.

 

Bolo Recheado

 

20220531_195645.jpg

 

Bolo:

1 copo de óleo
2 copos de açúcar
2 ovos
2 colheres de sopa de cacau em pó
1 pitada de sal
1 colher de chá de extracto de baunilha
2 e 1/2 copos de farinha
1 e 1/2 colher de chá de bicarbonato de soda
1 copo de leite + 1 colher de sopa de vinagre (misturar)

Cobertura:

200 grs de queijo-creme
50 grs de açúcar amarelo


Bater bem o óleo com o açúcar, os ovos, o cacau, o sal e o extracto de baunilha.
Adicionar a mistura de farinha e bicarbonato alternadamente com a mistura de leite e vinagre.
Deitar em duas formas com 20 cm de diâmetro, untadas ou forradas com papel de ir ao forno. Levar ao forno por cerca de trinta minutos ou até um palito espetado no meio do bolo sair seco.

Retirar do forno, desenformar e deixar arrefecer.
Bater o queijo-creme com o açúcar amarelo e rechear o bolo. Barrar o restante creme no topo e enfeitar com flores.
Servir fresco.

 

Ter | 07.06.22

armada em polícia

 

Começaram!

As minhas curgetes já estão a dar e se bem que fique toda entusiasmada quando isso acontece, tenho que andar sempre 'em cima delas' já que de manhã podem estar pequeninas e de tarde já estarem grandes demais. É verdade, elas crescem imenso em pouco tempo. As primeiras deste ano são redondas, são excelentes para rechear mas desta vez foi assim.

 

Pudim salgado de Curgete e Queijo Feta

 

IMG_20190611_210515_007-COLLAGE.jpg

 

2 curgetes pequenas

3 ovos

150 grs de queijo Feta esfarelado

3 colheres de sopa bem cheias de farinha

3 talos de cebolinha

1 raminho de aneto

1 raminho de salsa

Sal e pimenta q.b.

 

Ralar as curgetes e escorrer apertando para remover o excesso de líquido. Colocar numa taça e adicionar os restantes ingredientes.

Untar uma forma que possa ir ao forno e à mesa (usei de barro, pode ser pyrex ou cerâmica) e deitar a mistura na forma. Levar ao forno até que fique cozido, cerca de 25 minutos.

Servir quente ou frio, como acompanhamento ou petisco.

 

IMG_20190606_195059_810.jpg

 

Seg | 06.06.22

O outro sal da Ria de Aveiro

 

A salicórnia (Salicornia  ramosissima) , "é uma espécie nativa da costa portuguesa, planta suculenta com sabor salgado que nasce e cresce naturalmente em zonas de sapal, em solos salinos como as marinhas de sal da nossa ria de Aveiro". É um excelente substituto do sal, é diurética, antioxidante e combate problemas de hipertensão arterial. É rica em Ómega 3 e tem minerais benéficos para a saúde como o cálcio, o potássio e o magnésio.

Para quem quer experimentar um gosto diferente ao temperar as suas saladas ou outras receitas, é o condimento ideal e substitui o sal na sua totalidade. Pode ser usada fresca, seca ou desidratada. Encontra-se à venda em hipermercados e lojas Gourmet.

 

Salada de peixe e salicórnia

 

20220528_200557.jpg

 

Cozer peixe (usei pescada) com batatas, cenouras, ervilhas, vagens e ovos. Depois de cozido escorrer a água e deixar arrefecer.

Depois de frio retirar peles e espinhas ao peixe e descascar os ovos.

Colocar o peixe e restantes ingredientes numa taça e adicionar alface, salicórnia e azeitonas e servir com um molho vinagrete.

 

Nota: esta publicação não é patrocinada

 

Sex | 03.06.22

comemorações

 

Ainda na senda do Jubileu da rainha de Inglaterra, deixo aqui mais uma receita tipicamente inglesa. A trifle é uma sobremesa que é feita em camadas usualmente com bolo, frutas, gelatina, creme de custarda e natas. A primeira referência a esta sobremesa data de mil quinhentos e troca o passo e originalmente a gelatina era providenciada pela cozedura de ossos dos pés de animais. Na Escócia existe uma versão desta sobremesa que leva whiskey em vez de sherry ou porto.

Esta que aqui vos deixo, além de não levar gelatina, foi feita para usar metade de um bolo de chocolate que se desmanchou todo a sair da forma pelo que pude 'saltar' o passo de esfarelar grosseiramente o bolo. Há males que vêm por bem e este deu uma sobremesa muito catita.

 

Trifle de Frutos Vermelhos

 

20220520_141549.jpg

 

350 grs de bolo à escolha

50 ml de vinho do Porto

350 grs de frutos vermelhos (usei congelados)

500 ml de creme de custarda

200 ml de natas

1 colher de sopa de açúcar em pó

 

Preparar o creme de custarda conforme instruções da embalagem (pode ser usado leite-creme instantâneo em substituição, deve ficar pouco líquido). Deixar arrefecer.

Descongelar os frutos vermelhos (a mistura que usei tinha morangos, cerejas, groselhas, framboesas e amoras; adicionei também mirtilos congelados).

Bater as natas com o açúcar de modo a que fiquem bem consistentes.

Esfarelar o bolo grosseiramente e colocar metade na base de uma taça, de preferência de vidro transparente para que se possam ver as camadas. Salpicar com metade do vinho do Porto e por cima pôr metade dos frutos e metade do creme de custarda. Repetir as camadas e finalizar com as natas batidas. Levar ao frigorífico para refrescar até servir.

 

Qui | 02.06.22

Tesourinhos...

 

Iniciam-se hoje as comemorações do aniversário da coroação da Rainha Isabel II. Quer se goste quer não, faz parte do nosso imaginário e acompanhamos a sua evolução ao longo da sua já longa vida.

Em tempo publiquei aqui a receita de uma das comidas servidas na recepção aos convidados. Deixo-a aqui novamente, já nem eu me lembrava.

 

Frango da Coroação

 

15631713_ASoPf.jpeg

 

300 grs de frango cozinhado

1 cebola pequena picada muito finamente

1 colher de sopa de óleo de girassol

1 colher de sopa de tomate concentrado (pasta de tomate)

1 colher de sobremesa de caril em pó

¼ de copo de vinho (usei tinto)

Sumo de meio limão

1 a 2 colheres de sopa de compota de nectarinas

4 colheres de sopa de maionese

2 colheres de sopa de amêndoas laminadas tostadas

 

Fatias de pão de forma de cereais e sementes

Rúcula

 

Alourar a cebola no óleo. Juntar o tomate concentrado e mexer. Adicionar também o caril e o vinho e deixar fervilhar até reduzir para metade. Deixar arrefecer.

Numa taça mistura-se a maionese com a compota e o sumo de limão. Adiciona-se a mistura da cebola e caril que entretanto arrefeceu e mexe-se para misturar bem. Junta-se o frango desfiado e cortado em bocadinhos e também as amêndoas.

Fazem-se as sanduiches com esta mistura e também com umas folhas de rúcula ou outra verdura.

 

Notas:

Receita adaptada. A receita original leva compota de damascos mas usei de nectarinas que era o que tinha.

Pode ser servido com arroz e uma salada, em vez de recheio de sanduiches.