Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Blogue de receitas flexitarianas (carne, peixe e assim-assim)

Belita, a Rainha dos Couratos

Blogue de receitas flexitarianas (carne, peixe e assim-assim)

Sex | 29.10.21

crocante

 

Estes aperitivos são facílimos de fazer e são excelentes para acompanhar uma bebida, uma sopa ou para comer com uma pasta de queijo como esta. Ou só para petiscar porque são bons como tudo.

 

Crackers de Sementes

 

20211029_120641.jpg

 

1 copo de água

1/2 copo de sementes de linhaça

1/2 copo de sementes de chia

1/2 copo de sementes de girassol

1/2 copo de sementes de abóbora

2 colheres de sopa de sementes de sésamo

1 colher de sopa de farinha integral

1 pitada de sal

1 pitada de sementes de cominhos

Pimenta preta q.b.

Ervas aromáticas secas a gosto (orégãos, tomilho, manjericão, alecrim, etc)

 

Misturar todos os ingredientes numa taça. Mexer e deixar repousar por dez minutos.

Forrar um tabuleiro com papel vegetal e pincelar com azeite. Estender a mistura de sementes e com a ajuda de uma espátula espalhar e calcar bem de modo a ficar com menos de meio centímetro de altura. Com uma faca marcar o tamanho das bolachas para depois ser mais fácil cortar.

Levar a forno quente por cerca de meia hora. Retirar do forno e cortar em quadrados. Levar estes quadrados novamente ao forno por mais uns dez minutos para que sequem bem. Depois de frio guardar num frasco com tampa hermética.

 

Nota: a receita foi ligeiramente adaptada desta

 

Qui | 28.10.21

psicogastronomia...

 

Quando ouvimos a expressão "o todo é maior do que a soma das partes"  associamos normalmente a teorias da psicologia. Ou pelo menos quem pensa nessas coisas associa. Eu, que de "Gestalt" percebo muito pouco, prefiro relacionar essa expressão com a comida. Esta receita é a prova disso.

 

Salteado de Carne

 

20211012_114455-COLLAGE.jpg

 

1 cebola

1 pé de erva príncipe

1/2 pimento vermelho

1 haste de cebolinha

1 raminho de manjericão

1 malagueta

2 febras de porco em tirinhas

2 colheres de sopa de azeite

 

Aquecer o azeite numa frigideira e saltear a cebola com a erva príncipe em rodelas, o pimento vermelho em tirinhas, a cebolinha e a malagueta. Quando estiver tudo amolecido adicionam-se as tiras de carne e também o manjericão e deixa-se cozinhar  por cerca de quinze minutos.

Servir com couscous.

 

Couscous

Preparar como indicado na embalagem e depois de soltar os grãos com um garfo adicionar arandos secos [cranberries], pistachos e coentros picados.

 

Seg | 25.10.21

três

 

Apenas três ingredientes e tanto sabor! Não podia ser mais fácil de fazer. Podemos trocar o aneto por outra erva a gosto. Cebolinho também fica muito bem.

 

Pasta de Salmão e Aneto

 

20211021_115008.jpg

 

100 grs de salmão defumado

150 grs de queijo-creme

1 colher de sopa de aneto

 

Triturar todos os ingredientes na picadora e servir como aperitivo com tostas ou para barrar sanduiches.

 

Qui | 21.10.21

"Mais vale pão duro que nenhum"

 

As migas são um acompanhamento que não dá trabalho nenhum a fazer e que existe porque em alguma altura o pão foi o que ajudou a matar a fome a muita gente, nomeadamente no Alentejo onde souberam elevá-lo a estatuto de ingrediente principal.

Quando vejo uma receita de migas, o mais provável é que sejam feitas com feijão frade, couve e broa. Nada contra, mas há mais migas para além da broa. Aqui fica a prova.

 

Migas com Tomate

 

20210929_123239.jpg

 

Pão seco (cerca de 400 grs)

1 cebola

1 dente de alho

2 tomates maduros, sem pele

Sal q.b.

Coentros picados

 

Pôr o pão em pedaços numa taça e cobrir com água fria.

Picar a cebola e o alho e levar ao lume com azeite, deixando amolecer sem queimar. Juntar o tomate picadinho e refogar. Adicionar o pão escorrido e com a colher de pau mexer desfazendo os bocados maiores de pão até que fique uma pasta que se solte do fundo do tacho.

Temperar com sal e juntar uma mão-cheia de coentros picados. Mexer e servir como acompanhamento de peixe frito, por exemplo.

 

Nota: uso pão seco de varios tipos que vou juntando no congelador até ter quantidade suficiente para fazer açorda ou migas

 

Qua | 20.10.21

dois em um

 

Gosto imenso de panados e já não me lembro da última vez que os fiz porque há anos que deixei de fazer fritos desse tipo em casa. Como passei a fazer os croquetes no forno, pensei que se calhar também não ficava mal fazer panados. É que não fica mesmo nada mal. Não é que no forno seja comida light mas sempre é menos gordice.

 

Panados de Frango no Forno

 

20210921_124454.jpg

 

1 peito de frango cortado em bifes finos

2 dentes de alho ralados

1 pedaço de gengibre ralado

1 malagueta

Sumo de meio limão

Sal q.b.

Farinha, ovo batido e pão ralado para panar

Azeite para pincelar

 

Temperar os bifinhos com o alho e gengibre ralados, a malagueta picada, sal e o sumo de limão.  Deixar marinar pelo menos uma hora.

Passar cada bifinho por farinha, de seguida no ovo batido e depois no pão ralado. Pôr sobre papel de ir ao forno, num tabuleiro, sem sobrepôr. Pincelar com azeite no lado que fica para cima e levar a forno médio por cerca de trinta minutos. A meio virar os bifes e pincelar do outro lado para tostar de modo uniforme.

Servir com couve salteada.

 

Couve Coração Salteada

 

20210914_123232.jpg

 

Couve coração cozida

2 colheres de sopa de azeite

1/2 linguiça

Sal e Pimenta q.b.

 

Aquecer o azeite numa frigideira e alourar a linguiça cortada em cubinhos pequeninos. Adicionar a couve cozida e temperar com sal e pimenta. Envolver bem e deixar apurar por três ou quatro minutos.

 

Seg | 18.10.21

Não tem nada a ver

 

Conhecem aquele molho picante cujo nome parece 'tabaco'? Esqueçam, este é muito melhor!

 

Molho Picante

 

20211017_125922.jpg

 

1 mão-cheia de malaguetas

150 ml de azeite

25 ml de aguardente

 

Retirar os pés às malaguetas, juntar com o azeite e a aguardente e triturar com a varinha mágica.

Verter para um frasco e usar a gosto, quer para terperar no tacho quer para temperar no prato.

Não é necessário gusrdar no frigorífico, basta um lugar fresco e seco.

 

Nota: a aguardente pode ser substituída por whiskey

 

Sex | 15.10.21

tesourinhos...

 

Não é que me falte a inspiração, apenas me faltou o tempo para a receita que tinha pensado.

'Faltar-te o tempo, a sério???'

Pois, tem dias.

Por isso aqui fica uma receita de uma sobremesa que aprecio imenso e que não faço tantas vezes como gostaria. Espero que gostem, já é antiguinha mas vale mesmo a pena. A história da receita e a publicação original podem ser encontrados no arquivo de Novembro de 2012.

 

Merengada de Maçã 

 

 

8 Maçãs Reineta
Açúcar e Canela para polvilhar
6 Ovos
1/2 Litro de Leite
2 Colheres de sopa de Maizena
Açúcar 250g

Descascam-se as maçãs, tira-se o caroço e cortam-se em quatro .
Dispõem-se num Pirex polvilhando com açúcar e canela a gosto , e leva-se ao forno a assar.
Enquanto assa, batem-se as claras em castelo bem firmes, às quais se adicionam 200g de açúcar e volta-se a bater para fazer o merengue.
Tiram-se as maçãs do forno, cobre-se com o merengue e voltam  ao forno a 160º até alourar.
Por fim faz-se um leite creme com as gemas, o restante açúcar, o leite e a Maizena que se leva ao lume até engrossar e cobre-se o merengue depois de cozido no forno .
Para terminar polvilha-se com canela.

 

Qui | 14.10.21

vai dar raia!

 

Raia não é o meu peixe favorito e às vezes passam-se anos sem a cozinhar. Desta vez tentei uma espécie de molho pitau, que normalmente acompanha a raia, mas feito de outra maneira. Ficou muito bem.

 

Raia com molho de alhos e colorau

 

20211002_123651.jpg

 

4 postas de raia

100 ml de água de cozer a raia

3 dentes de alho

Azeite q.b.

1 malagueta

1 colher de chá de colorau em pó

Sumo de meio limão

1 molhinho de coentros

 

Cozer a raia por cinco minutos em água a ferver, temperada com sal. Escorrer e guardar a água da cozedura.

Numa frigideira alourar os alhos esmagados e a malagueta em rodelas. Polvilhar com o colorau juntar a água de cozer a raia. Verificar o sal e dispôr as postas da raia cozida no molho fervente. Espremer o limão sobre o peixe e deixar apurar mais uns minutos virando a raia para que tome o gosto de ambos os lados. Polvilhar com os coentros picados por cima e servir com batata cozida e uma salada.

 

Qua | 13.10.21

Cool Gadgets

 

O caril que nós compramos no supermercado não tem muito a ver com os vários tipo de caril que há por esse mundo fora. Só na minha despensa tenho caril das Índias Ocidentais, da Tailândia e de alguns pontos da Índia já que mesmo neste país o caril varia consoante a zona em que se vive.

E depois tenho esta base de caril, que me foi oferecida pela Jeera, uma indiana que não conheço, via um familiar meu que vive em Inglaterra. Esta é a base do caril que usa na sua cozinha e também um pouco do caril que é feito pela sua famíla. A oferta deveu-se a saber que eu adorava caril e achou que me ia encantar com esta oferta.

Encantada! E esta lata com pózinhos, quase de alquimista, está sempre ao serviço porque em quase todas as comidas que faço uso uma ou outra especiaria, mesmo quando a ideia não é fazer um caril.

 

Especiarias para Caril

 

20211009_123456.jpg

 

Açafrão das Índias

Pau de Canela, Malagueta, Estrela de Anis e Cravinho

Cominhos

Caril da família da Jeera

Garam Masala

Chilli

Pimenta em grão

 

 

 

 

Seg | 11.10.21

com ajuda

 

No outro dia vi num supermercado uma embalagem de massa-tenra fresca pronta a usar, e trouxe para ver o que podia fazer com aquilo. Embora já me tenham dado várias receitas 'infalíveis' para pasteis de massa-tenra, nunca experimentei fazer. 

Esta massa já pronta foi facílima de usar e para primeira experiência saiu muito bem.

 

Pasteis de massa-tenra recheados

 

20211001_200715.jpg

 

2 colheres de sopa de azeite

1 cebola pequena, picada

1 raminho de cebolinho

2 hastes de aipo

1 lata de atum, escorrido

2 ovos cozidos

Pimenta preta q.b.

1 gema de ovo para pincelar

1 embalagem de rodelas de massa-tenra

 

Aquecer o azeite numa frigideira (pode-se usar o que vem com o atum). Alourar a cebola e juntar o cebolinho e as hastes de aipo (sem as folhas) picados. Mexer e retirar do lume. Adicionar o atum e os ovos picados, temperar com a pimenta e mexer bem. Não achei necessário adicionar sal.

Humedecer a toda a volta de uma rodela de massa com água e pôr uma colherada da mistura de atum no meio. Dobrar e unir a toda a volta com os dentes de um garfo. Repetir até gastar a mistura (deu uma dúzia). Pincelar com a gema de ovo batido e levar ao forno por uns vinte minutos ou até estarem dourados.

Servir com uma salada.

 

Sex | 08.10.21

Perfeito

 

Há anos que andava para experimentar esta receita. Não sei porque demorei tanto tempo, sendo que é de maçã e maçã é a fruta que mais aprecio, seja ao natural seja em bolos. E, porque devo ter um gene defeituoso, maçã em bolos só se for acompanhada por canela. Porque sejamos honestos, sem canela é destruir à partida a possibilidade de perfeição.

 

Sharlotka de Maçã

 

20211003_091211.jpg

 

6 maçãs grandes

3 ovos grandes

1 copo de açúcar

1 colher de chá de baunilha

1 copo de farinha

Canela em pó

Açúcar em pó

 

Untar uma forma redonda de 20 cms, de preferência de fundo amovível. Aquecer o forno a 175ºC (o meu forno não tem essa possibilidade pelo que o ligo no máximo).

Descascar e descaroçar as maçãs. Cortar em fatias finas e pôr em camadas na forma polvilhando a gosto com canela. Deve encher a forma até 1/3.

Numa taça bater os ovos com o açúcar até ficar com bolhinhas e adicionar a baunilha e a farinha, sem mexer demais. Esta massa fica bastante espessa, é mesmo assim. Deitar a massa sobre as maçãs com uma colher ou uma espátula de modo a que a massa desça por entre as fatias de maçã.

Levar ao forno por cerca de uma hora. Convém verificar a partir dos 45 minutos se já está cozido.

Retirar do forno e desenformar. Deixar arrefecer e polvilhar com açúcar em pó e mais canela.

 

Qui | 07.10.21

É isto

 

Não compro hambúrgueres ou almondegas já preparados. Se lerem os ingredientes, até farinha têm na mistura e as carnes imagino que sejam daquelas que não interessam nem ao menino Jesus. Por isso quando vou ao talho peço para picarem carne e moldarem os hambúrgueres que já vêm prontinhos para cozinhar. Em casa congelo-os e depois é só gastar à medida das necessidades.

- Ah, e não  vêm temperados? - perguntam vocês.

- Não. E não faz falta nenhuma.

 

Hamburguer com Cebola Caramelizada

 

20210828_195533.jpg

 

1 cebola

3 colheres de sopa de azeite

4 rabanetes

1 colher de sopa de vinagre de cidra

2 hambúrgueres

2 colheres de sopa de azeite

2 fatias de queijo (opcional)

1 colher de sopa de mostarda de Dijon

1 colher de sopa de molho Worcestershire (molho Inglês)

Sal q.b.

2 bolos do caco

Mostarda para servir

 

Começamos por cortar a cebola em meias-luas e levamos ao lume com o azeite mexendo frequentemente até ficar acastanhada. Retiramos da frigideira e reservamos.

Entretanto cortamos os rabanetes em rodelas finas e misturamos numa tacinha com o vinagre de cidra (podemos usar do outro se não houver de cidra).

A seguir, na mesma frigideira da cebola caramelizada, deitamos mais duas colheres de sopa de azeite e cozinhamos os hambúrgueres que temperamos com sal e pincelamos com o molho inglês e a mostarda dos dois lados. Deixamos cozinhar por uns cinco a oito minutos, dependendo da grossura. Quando espetamos uma faca no meio e já não sair líquido avermelhado, estão prontos.

Se quisermos também usar o queijo, é nesta altura que o pomos sobre os hambúrgueres e tapamos a frigideira para que o queijo derreta.

Tostamos ligeiramente as metades do bolo do caco e numa metade pomos mostarda a gosto, o hambúrguer, a cebolada, as rodelas de rabanetes e tapamos com a outra metade do pão. Servimos com batatas fritas, de preferência destas.

 

Qua | 06.10.21

Perishable thoughts...

 

No Outono, além das frutas habituais da estação como uvas, maçãs, dióspiros e castanhas, começam também a aparecer frutas de origem tropical que se adequaram ao nosso clima e que produzem quantidades enormes, num bom ano.

Pode-se dizer que este é um bom ano para as feijoas e os araçás que caem às mão-cheias e apenas temos que as apanhar do chão, por vezes mais do que uma vez por dia.

 

Feijoa (Acca sellowiana)

 

20211004_135040.jpg

 

A feijoa possui propriedades antibactericidas, antioxidantes e antialérgicas e são ricas em:

Iodo

Vitamina C

Vitamina E

Magnésio

Fósforo

Cálcio

Potássio

Vitaminas do Complexo B

Cada 100 g de feijoa contêm cerca de 55 calorias

 

Nota: o país que mais produz feijoas é a Nova Zelândia.

 

Araçá (Psidium cattleianum)

 

20211006_113411.jpg

 

Embora até agora apenas tenha comido os araçás assim ao natural, sei que se pode fazer geleia e até iogurte (tem a particularidade de coalhar o leite).

É muito rico em vitamina C e fibra e pode ajudar no combate as infecções, gripes e constipações. Tem propriedades anti-microbianas, anti-inflamatórias e anti-oxidantes e é rico em:

Potássio
Fibras
Vitamina C
Magnésio

 

Nota: caem alguns verdes mas no dia seguinte já estão avermelhados

Seg | 04.10.21

outono festivo

 

Quando precisamos de uma refeição rápida mas saborosa, nada como ter à mão alguns ingredientes que fazem o prato mais brando parecer uma festa. É o caso deste 'caril' de pescada.

 

Pescada com Caril e Leite de Coco

 

20210904_121324.jpg

 

2 colheres de sopa de óleo de girassol

1 cebola

2 dentes de alho

1 pedaço de gengibre

1 colher de chá de piripiri

1 colher de chá de curcuma (açafrão das Índias)

1 pitada de sementes de cominhos

1 colher de chá de caril

100 ml de água

100 ml de leite de coco

4 lombos de pescada

Sal q.b.

Coentros picados q.b.

 

Descongelar a pescada e cortar cada lombo em três.

Numa frigideira aquecer o óleo e alourar a cebola picada, o alho picado e o gengibre em tirinhas finas. Adicionar o piripiri, a curcuma, as sementes de cominhos (ou cominhos em pó) e o caril. Mexer bem e juntar a água e o leite de coco. Pôr os cubos de pescada no molho e temperar com sal. Deixar cozer por uns vinte minutos em lume brando. Verificar os temperos e salpicar com os coentros picados.

Servir com arroz basmati.

 

Sex | 01.10.21

right on time

 

Demorei anos a entrar no comboio dos Red Velvet Cakes  (Bolos de Veludo Vermelho) mas finalmente lá me decidi. Afinal, tanta gente a fazer é porque deve ser bom, certo? Certo!

A receita encontrei-a no meu querido Pinterest. E não podia ser mais fácil.

 

Bolo Red Velvet

 

20210925_200212.jpg

 

1 copo de óleo
2 copos de açúcar
2 ovos
2 colheres de sopa de corante vermelho + 1 colher de sopa de cacau em pó (misturar)
1 pitada de sal
1 colher de chá de extracto de baunilha
2 e 1/2 copos de farinha
1 e 1/2 colher de chá de bicarbonato de soda
1 copo de leite + 1 colher de sopa de vinagre (misturar)

450 grs de queijo-creme
100 grs de açúcar em pó
1 colher de chá de extracto de baunilha

Bater bem o óleo com o açúcar, os ovos, a mistura de corante, o sal e o extracto de baunilha.
Adicionar a mistura de farinha e bicarbonato alternadamente com a mistura de leite e vinagre.
Deitar em duas ou três formas com 20 cm de diâmetro, untadas ou forradas com papel de alumínio. Levar ao forno por cerca de quarenta minutos ou até um palito espetado no meio do bolo sair seco.

Retirar do forno, desenformar e deixar arrefecer. Cortar o topo dos bolos para uniformizar e reservar para fazer migalhas para enfeite.
Bater o queijo-creme com o açúcar em pó e a baunilha e rechear as camadas do bolo. Por fora barrar o restante creme e salpicar com algumas migalhas.
Servir fresco.

 

20210925_113221.jpg