Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Ter | 27.02.18

polpota...

 

Aqui há uns tempos cozi um polvo pra fazer uma salada. Fiquei com tanta pena de deitar fora aquela água colorida que fica de cozer o polvo que acabei por a congelar à espera de qualquer ideia.

Passado um tempo comprei umas tiras de pota e lembrei-me da água de cozer o polvo. Usei tudo para fazer um belíssimo arroz de pota.

 

Arroz de Pota

 

20180113_135850.jpg

 

1 cebola

2 dentes de alho

Azeite q.b.

1 tomate

½ copo de vinho branco

½ colher de chá de pimentão doce

½ colher de chá de paprika picante

300 grs de tiras de pota

1 copo de arroz

4 copos de água de cozer polvo (ou água simples)

Sal q.b

Salsa picada q.b.

 

Picar a cebola e os dentes de alho. Alourar no azeite e juntar o tomate picado e o vinho branco. Deixar ferver e adicionar a pota cortada em cubos e salpicar com o pimentão e a paprika picante.

Deixar estufar por dez minutos e juntar o arroz e a água de cozer o polvo bem quente. Verificar se é necessário acrescentar algum sal e deixar cozer o arroz até estar no ponto desejado e cremoso.

Salpicar com salsa picada e servir.

 

Seg | 26.02.18

Yeiiiiii!

 

Nada melhor do que começar o dia com CHOCOLATE!!!

 

Granola de Sementes e Chocolate Negro

 

20180224_140201.jpg

 

3 copos de flocos de aveia

1 copo de sementes de girassol

½ copo de sementes de abóbora

½ copo de sementes de sésamo

½ copo de sementes de chia

4 colheres de sopa de óleo de coco

4 colheres de sopa de mel

2 colheres de chá de extracto de baunilha

100 grs de chocolate negro (usei com 78% de cacau)

 

Ligar o forno. Forrar um tabuleiro com papel de ir ao forno.

Numa taça misturar os flocos de aveia com as sementes de girassol, de abóbora, de sésamo e de chia.

Levar o óleo de coco ao lume ou micro-ondas para derreter com o mel e o extracto de baunilha.

Deitar sobre a mistura dos flocos e sementes e envolver bem.

Espalhar no tabuleiro e levar ao forno por cerca de 30 minutos, mexendo de quando em quando.

Entretanto corta-se o chocolate em quadradinhos pequenos. Depois de retirar a granola do forno, deixa-se arrefecer um pouco e junta-se o chocolate.

Deixar arrefecer completamente e guardar numa frasco hermético.

 

Notas:

Receita adaptada desta

Usei flocos grandes do Lidl

 

Sex | 23.02.18

O Pinterest só me dá boas ideias!

 

Vi esta receita no Pinterest e percebi logo que era de valor 

 

Biscoitos de Gengibre

 

20180213_181137.jpg

 

110 grs  margarina

110 grs açúcar

110 grs golden syrup

300 grs farinha com fermento

2 colheres de chá de gengibre

 

Numa caçarola derreter a margarina (usei Vaqueiro sabor a manteiga) com o açúcar, o golden syrup (pode ser substituído por mel).

Adicionar a farinha e o gengibre em pó e mexer bem. Fica uma massa que não se agarra às mãos.

Retirar bocados da massa e formar bolas do tamanho de nozes. Achatar e pôr num tabuleiro com papel de ir ao forno e marcar com um garfo.

Levar ao forno por 12 a 15 minutos. Retirar e deixar arrefecer uns cinco minutos no tabuleiro e depois passar os biscoitos para uma rede para arrefecerem completamente.

Conservam-se bem numa lata ou frasco bem fechado.

 

Nota: a receita original leva apenas 225 grs de farinha mas achei que a massa ficava muito mole pelo que usei 300 grs

 

Qui | 22.02.18

ervas aromáticas

 

Tenho erva-príncipe no quintal e além de dar para fazer chá que é uma maravilha, também serve para cozinhar.

Dá um gosto suave a limão e combinado com a salva é excelente para temperar carne de porco.

 

Costeletas com Salva e Erva-Príncipe

 

20180120_202323.jpg

 

2 costeletas de porco

Sal q.b.

Pimenta preta q.b.

10 folhas de salva

1 talo de erva-príncipe

Azeite q.b.

 

Temperar as costeletas com sal e pimenta. Adicionar as folhas de salva e o talo de erva-príncipe cortado em pedaços e esmagado com a faca (como se faz com os alhos). Deixar por 30 minutos.

Aquecer azeite numa frigideira e fritar as costeletas tapando a sertã com um testo. Fritar por cerca de cinco minutos e virar as costeletas. Voltar a tapar e retirar logo que estejam prontas.

Servir com arroz de limão e verduras cozidas.

 

Ter | 20.02.18

vai das sortes

 

Isto é um acompanhamento.

Mas é tão bom que se come sozinho!

 

Migas de Grelos

 

20180204_141333.jpg

 

1 molho de grelos

400 grs de miolo de broa

2 dentes de alho

Azeite q.b.

 

Cozer os grelos em água com sal. Escorrer bem e picar grosseiramente. Esfarelar o miolo de broa para ficar em migalhas.

Saltear os dentes de alho picados em azeite. Adicionar o miolo de broa e os grelos  e mexer. Com duas colheres de pau a ajudar, fazer um rolo com a mistura de broa e grelos, deixar alourar por uns minutos e virar de modo a manter-se o rolo inteiro (se não se conseguir, volta-se a formar com a ajuda das colheres de pau). Depois de dourado por todo, servir como acompanhamento de carne assada no forno.

 

Nota: usei broa caseira, feita por um irmão meu (sou uma sortuda!)

 

Seg | 19.02.18

mesmo a calhar

 

No outro dia uma colega falou-me nesta receita. Ora nem de propósito, os meus brócolos roxos estavam mesmo a precisar de ser apanhados e seguiram da horta para o tacho em menos de uma piscadela de olho!

 

Brócolos Tostados

 

20180209_203559.jpg

 

Brócolos (cerca de 400 grs)

3 colheres de sopa de amêndoa laminada

1 colher de sopa de azeite

1 colher de chá de orégãos

1 pitada de sal

1 pitada de pimenta preta

30 grs de queijo Feta

2 colheres de sopa de uvas passas

2 ovos escalfados

 

Para o molho:

2 colheres de sopa de vinagre de vinho tinto

2 colheres de sopa de azeite

1 pitada de noz-moscada

 

Aquecer o forno.

Separar os raminhos dos brócolos e guardar a parte mais grossa para usar noutra coisa, em sopa por exemplo.

Dar uma fervura de 3 minutos aos brócolos em água com sal, retirar e cortar em bocados pequenos.

Pôr juntamente com a amêndoa laminada num tabuleiro forrado com papel de ir ao forno. Temperar com uma pitada de sal, pimenta e os orégãos. Deitar um fio de azeite sobre os brócolos e levar ao forno por cerca de 15 minutos, até estarem tostadinhos.

Entretanto misturar os ingredientes do molho numa tacinha  bater. Reservar.

Para preparar os ovos escalfados, põe-se uma caçarola ao lume com água a ferver, deita-se um esguicho  de vinagre e deita-se um ovo previamente aberto para uma tacinha. Deixar escalfar por cerca de quatro a cinco minutos e retirar com uma escumadeira. Repetir com o outro ovo.

Servir os brócolos com o molho e os ovos escalfados.

 

Nota: A rceita original leva pinhões, fiz com amêndoa

Sex | 16.02.18

@ my table

 

Gosto bastante das receitas da Nigella Lawson. São normalmente despreocupadas, fáceis e sempre muito boas.

Deve ser a autora de quem tenho mais livros, os quais não me canso de ler e apesar de terem poucas fotos comparados com os de outros autores, são ainda assim os meus preferidos.

Esta receita é de um livro que não tenho (At My Table) mas encontrei-a aqui.

Não o servi da mesma maneira mas estava bom, mas bom!

 

Bolo de Limão com calda de Mirtilos

 

20180204_123301.jpg

 

225 grs de farinha

1 e ½ colheres de chá de fermento em pó

½ colher de chá de bicarbonato de sódio

1 pitada de sal

150 ml de óleo de girassol

150 grs de açúcar

275 ml de leite de coco

2 limões, raspa e sumo

1 colher de chá de extracto de baunilha

 

Para a compota de Mirtilos:

150 grs de mirtilos

Sumo de 1 limão

50 ml de água

1 colher de sopa de açúcar

1 colher de chá de farinha Maizena

 

Aquecer o forno a 180ºC.

Untar uma forma de fundo amovível com 20 cms de diâmetro.

Numa taça misturar farinha, fermento, bicarbonato e sal.

Noutra taça misturar óleo, açúcar, leite de coco, raspa de um limão, 3 colheres de sopa de sumo de limão e extracto de baunilha.

Juntar o conteúdo das duas taças e envolver sem mexer demais. Deitar a massa na forma e levar ao forno por cerca de 40 minutos, verificar com um palito no meio a ver se está cozido. Retirar do forno e deixar arrefecer dentro da forma, sobre uma rede.

Entretanto prepara-se a compota: põem-se os mirtilos com o sumo do limão, a água e o açúcar num tachinho e leva-se ao lume. Deixa-se levantar fervura e fervilhar por dois ou três minutos. De seguida mistura-se 1 colher de chá de farinha Maizena com 1 colher de sopa de água e deita-se esta pasta na compota de mirtilos. Mexe-se e deixa-se engrossar por um minuto. Retira-se do lume e deixa-se esfriar.

Quando o bolo estiver frio põe-se num prato e serve-se com a compota de mirtilos e iogurte grego.

 

Qui | 15.02.18

“Levar comida a alguém é o mesmo que servir a Deus”

 

Quem viu o filme Indiano de 2013 “The Lunchbox” lembra-se com certeza do Mumbai Dabbawallahs, um serviço de entrega de comida bastante eficaz em Bombaim.

“Em Bombaim, a maior metrópole da Índia, um grupo de 5000 homens com uniforme e chapéu branco executa todos os dias um serviço de entrega sem igual no mundo. No início da manhã, os dabbawalas (“carregadores de marmitas”, em hindi) retiram cerca de 200 000 refeições prontas da casa de seus clientes. O destino são milhares de escritórios localizados na área comercial, no lado oposto da cidade. Há um preciso limite de tempo para que o trabalho dos dabbawalas seja finalizado – o horário do almoço desses 200 000 trabalhadores indianos”

Na maioria dessas marmitas vai este prato, chamado “Workers Curry”.

Aproveitei grão-de-bico seco cultivado por uns amigos e experimentei esta receita da Meera Sodha, do livro “Made in India”.

Vale a pena!

 

Caril de Grão

 

20180107_125905.jpg

 

200 grs de grão-de-bico seco (ou 800 grs já cozido)

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

3 cm de gengibre descascado e picado grosseiramente

2 dentes de alho picados

1 malagueta verde, picada (usei vermelha)

Sal q.b.

3 colheres de chá de óleo de girassol

2 cebolas picadas

400 grs de tomate pelado (usei congelado)

1 colher de sopa de pasta de tomate

1 colher de sopa de garam masala (ou pó de caril)

1 pitada de cominho

½ colher de chá de chilli em pó

¼ de colher de chá de açafrão das Índias

Iogurte grego (opcional)

Coentros (opcional)

 

Na véspera põe-se o grão-de bico seco numa panela, adiciona-se o bicarbonato de sódio e cobre-se com água. Deixa-se ficar pelo menos por seis horas. Após este tempo (ou mais) deita-se a água fora, volta-se a cobrir com água fresca e leva-se ao lume por 40 a 60 minutos, dependendo do tamanho dos grãos.

Num almofariz esmaga-se o gengibre, o alho, a malagueta e uma pitada de sal até formar uma pasta.

Num tacho aquece-se o óleo e adiciona-se a cebola picada, vai-se mexendo até alourar, cerca de dez minutos. Adicionar a pasta de gengibre e mexer.

Deitar os tomates picados ou esmagados e a pasta de tomate. Mexer bem e deixar cozer por cerca de dez minutos até ficar um molho grosso e apurado.

De seguida adiciona-se a mistura de especiarias garam masala (ou caril), o cominho, o chilli e o açafrão das Índias. Deixar apurar mais uns minutos e de seguida acrescentar o grão-de-bico cozido. Se o molho estiver muito grosso nesta altura adiciona-se um pouco da água de cozer o grão.

Se necessário rectificar os temperos e deixar apurar até estar a gosto.

Servir com iogurte grego e coentros com pão naan.

 

 

Seg | 12.02.18

Tem dias

 

De vez em quando apetece um pequeno almoço mais trabalhoso. Ia dizer substancial mas eu até costumo comer iogurte com granola ou papas de aveia e mais substancial não deve haver. 

Este soube mesmo bem!

 

Panquecas de Banana e Aveia

 

20180211_101702.jpg

 

1 banana

1 ovo

2 colheres de sopa de flocos de aveia

2 colheres de sopa de leite ou sumo de limão

1 colher de chá de óleo de girassol

 

Triturar todos os ingredientes com a varinha mágica.

Aquecer uma frigideira pequena apenas untada com o óleo e deitar ¼ de copo (foi a olho  ) na frigideira. Deixar cozer até se verem uns furinhos na massa (cerca de dois minutos) e virar do outro lado por mais um minuto.

Retirar para um prato e repetir até findar a massa. Dá cinco panquecas médias.

Servir com mel e mirtilos ou outra fruta a gosto ou apenas polvilhadas com canela.

 

Sex | 09.02.18

Bom Carnaval

 

O arroz doce é uma sobremesa típica de dias festivos. De norte a sul do país é servido polvilhado de canela e na maior parte dos lugares amarelinho que até apetece.

Este é amarelinho que até apetece mas não levou uma gema de ovo!

É um arroz doce disfarçado, em modo carnaval 

 

Arroz Doce com Especiarias

 

20180128_094213.jpg

 

100 grs de arroz carolino

Água q.b.

1 pitadinha de sal

750 ml de leite de amêndoa

1 pau de canela

5 vagens de cardamomo

1 estrela de anis

1 colher de sopa de pó de custarda

1 colher de chá de açafrão das Índias

100 grs de açúcar

Canela em pó q.b.

 

Num tacho cozer o arroz coberto com água e uma pitada de sal até evaporar a água.

Reservar 100 ml de leite.

Aquecer o restante leite com a canela, cardamomo e estrela de anis até levantar fervura (cuidado para não verter!).

Adiciona-se o arroz meio cozido ao leite e deixa-se fervilhar em lume brando por cerca de 30 minutos, mexendo de quando em quando.

Juntar o açúcar e retirar o pau de canela, as vagens de cardamomo e a estrela de anis.

Dissolver a custarda em pó e o açafrão das Índias no leite frio reservado e juntar ao arroz mexendo sempre até engrossar.

Deitar em taças e polvilhar com canela em pó.

Qui | 08.02.18

flor ou não

 

Vi esta receita de couve-flor e, apesar de não ser a pessoa mais entusiasta por este vegetal (ou lá o que é!) achei que era capaz de não ficar mal de todo. A receita parece trabalhosa mas acaba por fluir tudo bastante bem e não ser complicado de fazer.

Embora seja uma versão vegan, pode ser feita com leite ‘normal’ que não altera o resultado final. A receita original leva queijo mas não achei necessário usar.

 

Gratinado de Macarrão e Couve-flor

 

20180119_202308.jpg

 

Bechamel:

2 colheres de sopa de azeite

1 colher de sopa de farinha

300 ml de leite de amêndoa

Noz-moscada, pimenta e sal q.b.

 

Crosta:

1 colher de sopa de azeite

¼ de copo de miolo de pão, ralado

¼ de copo de amêndoa ralada

1 pitada de sal

 

Couve-flor:

1 couve-flor cortada em raminhos

1 cebola cortada em fatias finas

Azeite q.b.

Sal e pimenta q.b.

Macarrão q.b.

 

Fazer o Bechamel:

Aquecer o azeite num tachinho e adicionar a farinha. Mexer e juntar o leite devagar mexendo sempre com um batedor para não formar grumos. Temperar com noz-moscada, pimenta e sal e baixar o lume. Continuar a mexer até engrossar e reservar.

 

Fazer a crosta:

Misturar os ingredientes e tostar ligeiramente numa sertã. Reservar.

 

Preparar a couve-flor:

Numa panela com água abundante temperada de sal coze-se os raminhos de couve-flor até estarem tenros. Retirar a couve-flor e pôr o macarrão a cozer na mesma água até estar quase cozido. Escorrer e reservar.

Entretanto põe-se o azeite e a cebola numa sertã e deixa-se alourar por dois minutos. De seguida junta-se um pouco de água de cozer a couve-flor (2 ou 3 colheres de sopa) e tapa-se deixando amolecer a cebola por cinco a dez minutos, mexendo de quando em quando. Adicionar os raminhos da couve-flor, temperar com sal e pimenta e envolver bem na mistura de cebola, partindo os pedaços maiores da couve-flor.

Transferir um terço desta mistura para o copo da varinha mágica e triturar juntamente com uma golada de leite de amêndoa. Deve ficar um creme consistente mas não muito grosso.

Numa taça misturar o macarrão com a couve-flor da sertã e com o creme de couve-flor

Aquecer o forno.

Untar com azeite uma forma refractária. No fundo  põe-se metade do bechamel, por cima a mistura do macarrão com o restante bechamel por cima. Cobrir com a crosta e levar ao forno até alourar, cerca de 20 minutos.

 

Ter | 06.02.18

happy days

 

Às vezes vejo uma receita que me agrada e fica à espera de oportunidade. Podem-se passar anos até que a experimente, são tantas!

Esta é uma delas, do livro Happy days with the Naked Chef (tão novinho que ele era ).

Supostamente é a receita base de caril favorita do Jamie Oliver e depois tanto dá para usar com peixe, marisco, frango ou mesmo vegetais.

Fiz com Alabote, um peixe que é raro encontrar mas de que gosto bastante.

 

Caril de Alabote

 

20171208_125903.jpg

 

3 colheres de sopa de óleo de amendoim

1 colher de chá de sementes de mostarda

1 colher de chá de sementes de coentros

1 pedaço de gengibre ralado

2 cebolas picadas

1 colher de chá de chilli ou piripiri

1 colher de chá de açafrão das Índias (curcuma)

3 tomates picados

200 ml de leite de coco

Sal q.b.

350 grs de alabote cortado em quadrados

Coentros frescos picados q.b.

 

Num tacho aquecer o óleo e adicionar a semente de mostarda e coentros. Tapar para não saltarem mas quando se ouvir o barulho de estarem a estalar adicionar o gengibre ralado. Mexer e adicionar as cebolas picadas e deixar fritar cerca de cinco minutos.

Juntar o chilli e o açafrão das Índias, mexer e misturar o tomate picado (usei congelado, pode ser de lata). Depois de ferver mais uns dois ou três minutos, junta-se o leite de coco e a mesma quantidade de água e o sal.

Deixa-se ferver, junta-se o peixe, acertam-se os temperos a gosto (mais picante, mais sal se necessário) e deixa-se cozinhar até o peixe estar cozido, à volta de dez minutos.

Servir salpicado com coentros frescos e arroz basmati.     

 

 

Sex | 02.02.18

bom mas bom!

 

Quando vi esta receita pensei logo: é para já.

E foi!

 

Struddel de Maçã e Amêndoa

 

20180121_142958.jpg

 

4 maçãs descascadas

4 colheres de sopa de açúcar amarelo

1 colher de sopa de farinha

2 colheres de chá de canela em pó

1 pitada de noz-moscada

3 colheres de sopa de farinha de amêndoa

1 embalagem de massa folhada rectangular

1 ovo batido

 

Cortar as maças descascadas em oito fatias e cortar cada fatia em pedacinhos. Misturar com duas colheres de açúcar amarelo, a canela e uma pitada de noz-moscada.

Misturar a farinha de amêndoa com o restante açúcar.

Estender a massa folhada e com o rolo esticá-la mais um pouco. Num dos lados pôr a mistura de farinha de amêndoa e açúcar amarelo. Por cima espalhar as maçãs e enrolar começando pelo lado mais perto das maçãs. Fechar as pontas do rolo e pôr num tabuleiro, sobre o papel que costuma vir a enrolar a massas folhada. Fazer cortes com uma faca afiada e pincelar tudo com um ovo batido.

Levar ao forno por cerca de 35/40 minutos ou até estar dourado.

Servir polvilhado com açúcar em pó e canela ou com uma bola de gelado.