Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Qui | 28.05.15

colorida

 

Uma salada para os dias que já pedem frescura e pouco tempo na cozinha.

Fica bonita se for feita numa taça de vidro, conseguem ver-se as camadas. Só me lembrei disso depois de comer, é a história da minha vida… 

 

Salada em Camadas

 

IMG_4332.JPG

 

Mistura de alfaces

3 batatas cozidas com a pele, frias

Feijão verde cozido, frio

1 tomate maduro

Azeitonas

Ovo cozido

Atum em conserva desfiado

Azeite e vinagre q.b.

 

 

Numa taça põe-se a alface em pedacinhos, bem escorrida. Pode ser usada uma embalagem das pré-lavadas. Usei a da horta.

Retira-se a pele às batatas e cortam-se em cubos. Põem-se sobre a alface. Espalha-se também as vagens cozidas e o tomate cortado em cubos. Por cima o ovo cozido bem picado e as azeitonas. A última camada é de atum desfiado mas sem estar esfarelado.

Tempera-se com uma mistura de azeite e vinagre e serve-se frio.

 

Ter | 26.05.15

ingredientes menos comuns

 

Hoje em dia é fácil ter acesso a alguns ingredientes que ainda há bem poucos anos não fazíamos ideia do que eram e para que serviam (e algumas pessoas nem hoje sabem!).

Com a facilidade da internet, dos programas de culinária nas televisões por cabo e até das viagens, alguns ingredientes passaram rapidamente a fazer parte do nosso dia-a-dia.

O molho de soja é um deles. E outros de cariz asiático como o óleo de sésamo, o molho de ostras, e o molho de peixe. Todos entram nesta receita e são eles, apesar de entrarem em pequenas quantidades, que transformam um ‘monte de hortaliças’ num prato de sabor invulgar.

Para quem tem dificuldade em encontrá-los, a maioria existe à venda esporadicamente no Lidl e também em hipermercadoscomo o Jumbo. Podem parecer carotes mas se pensarmos que a sua utilização se resume a uma ou duas colheres de sopa por receita, valem o custo pois rendem bastante.

  

Mistura de Vegetais com Molho Asiático

 

vegetais.png

 

1 cebola

8 cogumelos

1 couve bok choy (ou meia couve chinesa)

1 cenoura

¼ de pimento vermelho

½ alho francês

1 pedaço de gengibre

1 colher de sopa de óleo de sésamo

1 colher de sopa de óleo de girassol

2 colheres de sopa de molho de soja

 

Molho:

1 colher de sopa de óleo de sésamo

2 colher de sopa de molho de soja

1 colher de sopa de molho de ostras

1 colher de sopa de molho de peixe

 

Cortar a cebola em meias luas e os restantes ingredientes (os cogumelos, o alho francês, o pimento, a cenoura e o gengibre) em fatias finas e a couve em quartos.

Aquecer no wok ou frigideira larga os óleos de sésamo e de girassol. Alourar a cebola e juntar o gengibre, restantes vegetais e molho de soja. Deixar cozinhar por uns cinco minutos (não é para ficar cozido demais)

Numa taça misturar os ingredientes para o molho. Deitar sobre os vegetais e mexer, deixar apurar mais uns dois minutos.

Servir com arroz basmati.

 

Nota: em tempos falei de alguns destes ingredientes menos conhecidos, aqui.

 

Seg | 25.05.15

a tostar

 

Para ser a verdadeira ‘tosta mística’ só falta os cogumelos serem ‘alucinaeugénios’ 

 

Tostas Grelhadas com Cogumelos

 

IMG_4315.JPG

  

10 cogumelos

1 colher de sopa de azeite

1 pitada de orégãos

4 fatias de pão rústico

4 fatias de queijo

Manteiga q.b.

 

Fatiar os cogumelos e saltear no azeite por uns cinco minutos. Temperar com sal e orégãos.

Dividir os cogumelos sobre duas fatias de pão, por cima põem-se as fatias de queijo (ou queijo ralado) e cobre-se com as restantes fatias de pão. Barra-se o topo do pão com manteiga e leva-se à máquina de fazer tostas mistas até estar com o queijo derretido.

Sex | 22.05.15

perfeito para o fim-de-semana

 

Quase a acabar a ‘sézon’ dos morangos, ainda deu para mais uma sobremesa daquelas que se faz enquanto o diabo esfrega um olho.

Os palitos de Champanhe, também conhecidos por palitos La Reine, são excelentes para preparar sobremesas em camadas.

Aqui está uma versão muito fácil (mas mesmo muito).

Experimentem, não se vão arrepender.

 

Parfait de Morangos e Palitos Champanhe

 

18426205_EocfF.PNG

 

20 morangos grandes bem maduros

½ cálice de vinho do Porto

1 colher de sopa de mel

1 embalagem de queijo Quark (250 grs)

Mel q.b.

10 palitos de champanhe

1 chávena de café sem açúcar

 

Cortar metade dos morangos em pedacinhos, temperar com uma colher de mel e o vinho do Porto e reservar.

Triturar os restantes com o queijo Quark e o mel a gosto até ficar um puré sedoso.

Passar os palitos, cortados em metades ou terços, pelo café e colocar em camadas nas taças:

Uma camada de palitos, uma de creme de queijo e outra de morangos em pedacinhos. Repetir.

Esta quantidade deu para 4 taças.

 

 

 

Qui | 21.05.15

mais um empadao

 

Este é um prato que se faz de seguida ou por partes. Este foi feito de seguida. O coelho na panela de pressão não dá trabalho nenhum, faz-se quase sozinho 

Depois é esperar que arrefeça um pouco para desfiar e preparar um puré, que até pode ser instantâneo (não neste caso) e levar ao forno só para alourar.

Excelente para uma manhã de domingo, entre isto e sobremesa, é um bom programa.

 

Empadão de Coelho

 

coelho.png

 

1 coelho inteiro, pequeno

1 cebola picada

2 dentes de alho picados

4 tomates picados, sem pele

1 ramo de carqueja

1 ramo de tomilho

1 colher de chá de piripiri

½ copo de água

½ copo de vinho branco

Sal q.b.

Azeite q.b.

 

Puré de batata q.b.

1 gema de ovo

 

Colocar os ingredientes para o coelho na panela de pressão, fechar e levar ao lume. Quando começar a ferver, baixa-se o lume e deixa-se cozer por 45 minutos.

Deixar arrefecer e quando estiver morno, desfiar o coelho, retirando todos os ossos. Como cozeu bastante tempo, desfia-se quase ao toque. Com uma escumadeira retirar a parte grossa do molho (pedaços de tomate e cebola picada) e reservar.

Num tabuleiro espalha-se metade do puré de batata. Por cima põe-se o coelho desfiado e a parte que se reservou do molho. Cobre-se com o restante puré e pincela-se com uma gema de ovo batida.

Vai ao forno até alourar, cerca de 20 minutos.

Serve-se com salada, espargos grelhados, legumes cozidos, o que apetecer.

 

Nota: O coelho pode fazer-se na véspera, enquanto se prepara o jantar

 

 

 

 

Qua | 20.05.15

perishable thoughts...

 

Até há relativamente pouco tempo não existiam palavras que agora fazem parte do nosso dia-a-dia. Por exemplo clicar, Bimby, Iphone, etc.

Outras, já existiam mas se calhar nunca as tínhamos ouvido, como Umami.

Todos conhecemos os cinco sentidos: audição, visão, tacto, olfacto e paladar. E no que nos interessa agora, o paladar, há quatro gostos, que são comummente conhecidos: o doce, o amargo, o ácido e o salgado.

E o umami! O quinto gosto.

Confesso que até há pouco tempo não conhecia nem esta palavra nem o seu significado. O umami é um dos sabores que as nossas papilas gustativas reconhecem. Foi identificado em 1908 por um cientista japonês (Kikunae Ikeda).

“O Umami possui um gosto residual suave mas duradouro, difícil de descrever. Ele induz a salivação e uma sensação aveludada na língua; pode estimular a garganta, o palato e a parte de trás da boca (Yamaguchi, 1998).”

Embora muitos ingredientes sejam ricos em umami, a conjugação deles é que torna os pratos mais saborosos, um dos exemplos é o esparguete à bolonhesa, por ter tomate, carne e queijo parmesão, todos riquíssimos em umami por si só mas quando combinados resultam num gosto ainda mais acentuado.

Como se costuma dizer, gostos não se discutem e na minha humilde opinião, são muito difíceis de explicar. Além de que, para um gosto básico, é estranho que o umami tenha que ser explicado recorrendo à neurociência e pesquisa em laboratório ao passo que os restantes (doce, amargo, ácido e salgado) são claros como água para qualquer um de nós.

Mas vou estar mais atenta a ver se encontro o umami nas coisas que como.

E vocês, já tinham ouvido falar?

 

Umami - O 5º gosto

 

IMG_13092-2yeiv15zne0fas5eh0q51c.jpg

foto retirada daqui

 

Ter | 19.05.15

Ui!

 

A primeira vez que comi salmão sem ser à posta, grelhado, foi há cerca de um mês… pois, nem eu sei debaixo de que pedra é que andava mas é assim, só há um mês comi pela primeira vez salmão feito de outra maneira.

E gostei tanto que tive que experimentar em casa uma coisa parecida. Ficou mesmo bom e parece-me que brevemente haverá mais variações.

‘Me aguardem!’

 

Salmão assado com aneto

 

IMG_4273.JPG

 

2 tranches de salmão

1 colher de sopa de azeite

Raspa e sumo de meio limão

Sal e pimenta preta moída de fresco

Aneto (endro) picado

 

Numa tacinha misturar o azeite com o sumo e raspa de limão, o sal e pimenta e o aneto picado. Deitar esta mistura sobre as tranches de salmão e deixar marinar por uma hora.

Levar ao forno quente por cerca de 15 minutos.

Servir com medalhões de vegetais e com couve salteada, ou espargos ou uma salada.

 

Seg | 18.05.15

experiências

 

Aqui há uns tempos comi uns medalhões de vegetais que estavam mesmo bons. Mas que sabiam muito a natas e manteiga… o que em termos de sabor é excelente mas em termos de, digamos, calorias, já não é lá assim tão bom…

Decidi experimentar em casa e reduzir as gorduras para ver se mesmo assim ficavam bem. E não é que ficaram???

  

Medalhões de Vegetais

 

IMG_4293.JPG

 

3 batatas

1 alho francês (apenas a parte branca)

100 grs de brócolos

100 grs de couve-flor

1 dente de alho

Sal q.b.

1 ovo

3 colheres de sopa de natas

 

Cozer as batatas descascadas e cortadas em cubos com o alho francês em rodelas, os brócolos, a couve-flor e o dente de alho em água temperada com sal.

Quando estiverem cozidos escorrer e esmagar deixando alguns bocados ainda inteiros (não é para ficar puré).

Misturar o ovo e as natas e mexer.

Deitar esta mistura em formas de queque bem untadas. Encher até 1/3 das formas.

Levar ao forno por 20 a 25 minutos até estar ligeiramente dourado.

 

Sex | 15.05.15

para acabar em beleza...

 

Para acabar a época das laranjas que já estão a ficar secas e também para dar lugar aos frutos que por agora aparecem e de tantas variedades que nem sabemos quais escolher (sei sim, são cerejas!!!), aqui fica um singelo mas delicioso bolo de laranja.

Para o ano há mais.

 

Bolo de Laranja

 

IMG_20150503_141130.jpg

 

 

Bolo:

5 ovos (separar gemas das claras)

100 grs de margarina (usei Becel Cozinha)

1 copo de açúcar

2 copos de farinha

2 colheres de chá de fermento em pó

Sumo e raspa de uma laranja

 

Calda:

Sumo de uma laranja

2 colheres de sopa de açúcar

 

No micro-ondas derrete-se a margarina juntamente com a raspa da laranja.

Batem-se as gemas com o açúcar até ficar um creme esbranquiçado e com o triplo do volume.

Junta-se a farinha com o fermento alternadamente com a margarina e a raspa.

Finalmente adicionam-se as claras batidas em  castelo.

Deita-se a massa numa forma com buraco untada e leva-se a cozer em forno médio por cerca de 45 minutos (depende do forno, verificar com um palito).

Retirar do forno e desenformar sobre uma rede para arrefecer.

Numa taça dissolve-se o açúcar com o sumo de laranja e leva-se ao micro-ondas por um minuto.

Deita-se esta calda sobre o bolo.

 

Nota: a receita veio daqui.

 

Qui | 14.05.15

almoços portáteis #12

 

Como é que, tendo sempre tantos limões, ainda me dá para fazer limão em conserva? Pois, nem sei explicar. O que é certo é que uns não têm nada a ver com os outros, em termos de sabor.

Se por acaso tiverem alguns limões à mão, nem que seja só três ou quatro, experimentem fazer esta conserva que nem sequer implica usar o fogão. É só lavar e cortar os limões (pode ser em rodelas, quartos, metades, etc.) e pôr num frasco com sal, muito sal e sumo de mais limão. Deixa-se estar sossegadito (ou vai-se abanando de vez em quando) e ao fim de três semanas já se pode ir usando.

Vale a pena! Eu uso quer o limão (apenas a casca, normalmente deito fora a polpa) quer o líquido da salmoura para temperar carne ou peixe. Fica mesmo saboroso, diferente.

Não tendo, podem temperar estes bifes com raspa e sumo de limão, como de costume.

 

Bife de peru grelhado

 

IMG_4216.JPG

 

2 bifes de peru

1 malagueta

¼ de limão em conserva (ou sumo e raspa de um limão)

1 colher de chá do líquido da conserva (ou 1 colher de chá de sal)

 

Temperar os bifes de peru com o limão em conserva e a salmoura (ou com raspa e sumo de um limão e sal).

Deixar apurar por uma ou duas horas.

Grelhar no grelhador ou numa frigideira sem gordura.

Servir com molho de iogurte e hortelã, acompanhado de arroz de açafrão, beterraba e couve frita. Ou com outra coisa qualquer…

 

Qua | 13.05.15

a tempo...

 

Estes quase não tinham registo fotográfico, ficaram tão bons que quando se deu por ela já estavam no fim…

 

Filetes de Pescada no forno

 

20141212_205120.jpg

 

3 dentes de alho picados

Azeite q.b.

Batatas cortadas em rodelas finas

Filetes de pescada (ou outro peixe)

Mistura de ervas aromáticas secas (por ex: ervas de Provença)

Orégãos

Sal

 

Num tacho com água temperada com sal cozem-se as batatas cortadas em rodelas finas, mas com a casca. Ao fim de oito minutos de fervura escorrer.

Num tabuleiro refractário espalhar os dentes de alho picados. Por cima as rodelas de batata, os filetes e polvilha-se com sal, com a mistura de ervas aromáticas e com os orégãos. Regar com um fio de azeite e levar ao  forno até os filetes estarem cozidos, 20 a 25 minutos.

 

Seg | 11.05.15

an apple e coiso...

 

Ó pá, isto é tão bom que nem sei!!!

Para começar, maçãs. Os ingleses bem têm razão: ‘an apple a day keeps the doctor away’ ou seja: uma maçã por dia mantém o médico afastado. (quer-se dizer, por cá quem mantém o médico afastado é mesmo o SNS mas enfim…)

Mas pronto, maçãs, como pelo menos uma por dia apenas por uma razão muito simples: são a minha fruta favorita.

E se vier assim bem acompanhada, então nem se fala!

 

Maçãs com Creme de Iogurte

 

untitled.PNG

 

100 ml de iogurte natural (usei grego)

1 colher de sopa de manteiga de amêndoa (ou de amendoim)

1 colher de sopa de mel

1 maçã

 

Misturar o iogurte com a manteiga de amêndoa e o mel até ficar um creme macio.

Cortar uma maçã em fatias finas e servir com este creme.

 

Nota: a inspiração veio daqui

  

Sex | 08.05.15

choc...

 

Gosto de chocolate, muito! Mas o bolo de chocolate não é o meu favorito de todos, não.

Qualquer bolo de maçã passa à frente do mais vistoso bolo de chocolate… mas, como dizia o Rei quando ía dar umas voltinhas ao convento de Odivelas: ‘nem sempre galinha, nem sempre rainha’…

 

Bolo de Chocolate

 

IMG_4282.JPG

 

2 copos de açúcar

1 ¾ copos de farinha

¾ copo de cacau em pó

1 pitada de sal

1 ½ colheres de sobremesa de fermento em pó

1 ½ colheres de sobremesa de bicarbonato de sódio

2 ovos

1 copo de leite

¼ de copo de óleo de girassol

1 colher de chá de baunilha

½ copo de café forte e bem quente (fiz instantâneo)

 

250 grs de queijo-creme (tipo Philadelphia)

Mel ou açúcar a gosto

Açúcar em pó

Framboesas

 

Aquecer o forno a 175ºC. Untar duas formas redondas com 20 cm de diâmetro, sem buraco. 

Numa taça grande misturar o açúcar, a farinha, o cacau, o sal, o fermento e o bicarbonato de sódio. Adicionar os ovos, o leite, o óleo e a baunilha e mexer bem. Juntar o café bem quente e envolver. A massa fica líquida mas é mesmo assim.

Deitar nas formas untadas e levar ao forno por cerca de 25 a 35 minutos (verificar com um palito pois depende de cada forno).

Retirar do forno e deixar arrefecer por dez minutos na forma. Desenformar sobre uma rede e deixar arrefecer completamente.

Bater o queijo-creme com o mel até estar cremoso e liso e pôr sobre um dos bolos. Cobrir com o outro bolo e polvilhar com açúcar em pó. Enfeitar com framboesas.

 

Qui | 07.05.15

outros sabores

 

Mais uma receita que não tem muito de original mas que acaba por ter um sabor diferente do sempiterno sabor a alho&limão!

 

Febras com Mostarda

 

febras.png

 

4 febras de porco

Sumo de uma laranja

1 colher de sopa de mostarda à antiga

Sal q.b.

2 colheres de sopa de azeite

 

 

Temperar as febras com sumo de laranja, mostarda e sal. Deixar repousar por uma hora.

Aquecer o azeite numa sertã e fritar as febras até estarem bem cozidas e douradas, uns cinco minutos de cada lado.

Servir com uma salada.

 

Nota: mostarda à antiga é a que tem os grãos de mostarda misturados

 

Ter | 05.05.15

bolsas...

 

Uma boa opção para aqueles filetes de pescada que não queremos fritar. Fica muito bom e, confessem, as batatas assim em forminhas de queque fazem um vistaço! (e ficam muito melhor do que batatas fritas).

 

Filetes em Bolsa com Batatas em Rodelas

 

IMG_4147.JPG

 

Para as batatas:

4 batatas

1 dente de alho ralado

Sal e pimenta q.b.

Azeite

 

Para os filetes:

2 filetes de pescada

1 dente de alho

2 colheres de chá de mostarda em grão

Sal e pimenta q.b.

Azeite

 

Aquecer o forno.

Lavar bem as batatas e cortar em rodelas bem finas com a pele. Ralar um dente de alho grande ou dois pequenos e com as mãos envolver nas batatas juntamente com o sal e pimenta ou outro tempero a gosto (ervas aromáticas) e um fio de azeite. Misturar bem e dividir por seis formas de queque previamente untadas com azeite.

Levar as batatas ao forno enquanto se preparam os filetes.

Estender um pedaço de papel de alumínio na bancada. No sítio onde se vai pôr o filete esfregar o dente de alho no alumínio e por cima espalhar uma colher de mostarda. Pôr o filete sobre a mostarda, esfregar com o dente de alho, temperar com sal e pimenta e um fio de azeite. Fechar bem o alumínio de forma a fazer uma bolsa estanque, para não sair o vapor. Fazer o mesmo para o outro filete.

Cerca de meia hora depois de as batatas estarem no forno, pôr as bolsas com os filetes também no forno.

Deixar por cerca de 20 minutos e depois retirar e servir com uma salada de agriões e rúcula ou alface.

 

Nota: parece mais trabalhoso do que na realidade é e combina muito bem

 

Seg | 04.05.15

espiralizar... por aí...

 

Com a novidade dos espiralizadores, de que já falei aqui, aproveitei para experimentar fazer ‘esparguete de curgete’ (se calhar podemos chamar-lhe espargete?!!?!).

Como não tenho aquela máquina toda xpto, usei a minha modesta alfaia e lá fiz os fios de curgete. Depois foi só saltear uns minutos e ficou pronto.

Mesmo bom e apesar de já ter feito inúmeras vezes curgete salteada às rodelas, o corte faz a diferença, o sabor não é mesmo o mesmo! 

 

‘Esparguete’ de Curgete

 

New Image1.BMP

 

1 curgete

1 dente de alho

2 colheres de sopa de azeite

Sal e pimenta q.b.

 

Cortar a curgete em tiras muito finas como o esparguete.

Alourar o alho picado no azeite, juntar a curgete e saltear por dois ou três minutos. Tempera com sal e pimenta preta moída na altura.