Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Qui | 31.10.13

empadão

Para gastar as sobras de carne, aqui está mais uma ideia.

Com uma salada faz uma excelente refeição ou então cortado em quadradinhos pequenos, um lanche que vai agradar a todos.

 

Empadão de Frango

  

 

Massa:

2 copos de farinha de trigo com fermento

1 copo de óleo

1 copo de leite

3 ovos

1 colher de chá de fermento em pó

Sal a gosto

 

Recheio:

frango cozido e desfiado

1 cebola picada

2 tomates maduros sem pele

Sal, pimenta e orégãos a gosto

 

Leve todos os ingredientes da massa ao liquidificador  e bata até ficar uma massa sem grumos. Deite num pyrex untado e reserve.

Numa frigideira, aloure a cebola picada, adicione o tomate bem picadinho e o frango desfiado, tempere com sal, pimenta e orégãos e deixe apurar.

Despeje na forma, sobre a massa, com cuidado

Leve a forno pré aquecido por cerca de 35 minutos. Verifique com um palito.

 

Nota: usei sobras de frango de churrasco

 

Qua | 30.10.13

perishable thoughts...

Quando o verão se começa a despedir, normalmente já pelo Outono dentro como aconteceu este ano, ainda se vão colhendo alguns dos seus frutos que, demorando mais tempo a amadurecer, nem por isso deixam de saber tão bem como os que se apanham na época.

Esta foi a última apanha ‘em grande’ dos frutos do verão, neste caso os frutos da horta. Agora ainda aparecem alguns tomatinhos cereja, se eu me conseguir antecipar à chuva que quando cai provoca rachas nos tomatinhos e rapidamente apodrecem.

Por outro lado, a chuva é bem vinda para os espinafres e nabiças que crescem como se o mundo fosse acabar mal a chuva lhes toca…

 

Última apanha dos frutos do verão

 

 

Ter | 29.10.13

oh dear...

De todos os livros que li dos Cinco, da Enid Blyton, o que mais me fascinava nas estórias eram os lanches, os piqueniques, tudo o que se relacionasse com a comida. E nessa altura eu nem sequer ligava à culinária, gostava era de comer! (e ainda…)

Scones, tartes, sandes, tudo me parecia delicioso e achava que aqueles miúdos tinham uma ‘sorte do caraças’ por poderem comer tamanhas iguarias enquanto eu me contentava com um pão com marmelada e uma cevada ao lanche {#emotions_dlg.sarcastic}

Agora vingo-me!

 

Scones com Passas

 

 

350 grs de farinha com fermento

50 grs de açúcar

75 grs de manteiga fria cortada em cubos

175 ml de leite

1 colher de chá de vinagre

50 grs de sultanas

 

Adicionar o vinagre ao leite e reservar.

Misturar a farinha com o açúcar. Adicionar a manteiga e com as mãos esfarelar de modo a ficar parecido com migalhas. Adicionar o leite com vinagre e mexer bem de modo a formar uma bola de massa que não se pegue às mãos. Não amassar demais, apenas o suficiente para que fique uma massa que não pegue (se necessário adicionar mais um pouco de farinha ou leite).

Adicionar as sultanas e espalhar a massa com as mãos ou com um rolo de modo a ficar com cerca de um a dois cms. Com um molde de biscoitos redondo ou um copo cortam-se os scones.

Põem-se num tabuleiro e pincelam-se com um pouco de leite. Levam-se a forno quente cerca de 15 minutos ou até estarem dourados.

Servir quentes, acompanhados com manteiga e geleia de marmelo ou outra compota a gosto.

 

 

(foto da net)

Seg | 28.10.13

vamos por cores...

Gosto de fazer batidos mas quando vi este artigo no blogue Green Kitchen Stories fiquei maravilhada com as possibilidades.

Normalmente misturo o que tenho à mão no liquidificador e aí vai disto. Mas depois de ver que podemos fazer batidos por cores, fui a correr para a cozinha (uma maneira de dizer…) e decidi experimentar com o que tinha em casa. E fiquei admirada por afinal até ter bastantes ingredientes que normalmente uso mas que nunca tinha associado desta maneira.

As fotografias do artigo do Green Kitchen Stories são deslumbrantes (ao contrário das minhas, que não me envergonho de ter copiado à descarada, e que sendo mais pobrezinhas dão para tirar uma ideia).

Claro que a ideia de juntar as frutas e vegetais (e mesmo frutos secos) por cores vai muito além do que é apetecível à vista já que as cores de alguns alimentos determinam a sua riqueza em vitaminas, fibras, anti-oxidantes, proteínas e minerais.

Por isso toca a misturar, ao sabor daquilo que nos faz mais falta. Experimentem, há milhentas possibilidades!

 

Batidos

 

O que usei: sumo de laranja, banana, diospiro, fisálias, maracujá, maçã, cenoura, alperces secos, sementes de linhaça, açafrão das Índias e água.

 

 

          

 

Nos amarelos/laranja podemos também usar:  uvas brancas, limão, papaia, tangerina, manga, abóbora, meloa, gengibre, ananás, pêssegos, amêndoas, e outras de que agora não me lembro.

 

 

O que usei: sumo de toranja, beterraba, mirtilos, amoras, maçã, uvas vermelhas, bagas goji e água.

 

   

        

 

Para os vermelhos/violeta podemos também usar: morangos, uvas vermelhas, couve-rábano, pimento vermelho, framboesas, couve roxa, romãs, ameixas, groselhas, melancias, rabanetes, etc.

 

Nota: Os verdes ficam para outra oportunidade mas tenho umas couves galegas que de certeza não vão ficar mal!!!

 

Sex | 25.10.13

em modo outonal

Porque o tempo já apetece o forno ligado, e o quentinho das especiarias, e uma caneca de chá a acompanhar, e um livro na mão, e uma manta nos joelhos…

 

Biscoitos de Especiarias

 

 

250 grs de farinha

1 colher de chá de fermento em pó

100 grs de açúcar amarelo

100 grs de manteiga amolecida

1 pitada de sal

¼ de colher de chá de noz-moscada em pó

¼ de colher de chá de cravinho em pó

½ colher de chá de gengibre em pó

1 colher de chá de canela em pó

Leite q.b.

 

Juntar a farinha com o açúcar, o sal e as especiarias. Adicionar a manteiga amolecida e esfarelar com as mãos. Adicionar uns salpicos de leite até formar uma massa que não se pegue às mãos.

Formar bolinhas e pôr num tabuleiro com papel de ir ao forno.

Levar a forno médio por cerca de 15 minutos. Retirar do forno e deixar arrefecer.

 

Qui | 24.10.13

a ver-se grego

Há milhentas maneiras de cozinhar qualquer coisa. Ao estilo mediterrânico normalmente significa que leva azeite, tomate e orégãos e está associado a uma alimentação saudável.

Melhor não podia ser!

 

Frango ao estilo mediterrânico

  

 

3 peitos de frango

2 dentes de alho

2 tomates maduros

100 grs de cogumelos brancos

1 colher de chá de colorau

1 colher de chá de coentros em pó

1 malagueta picada

1 colher de sopa de orégãos

Sal q.b.

Azeite q.b.

 

Alourar os alhos em azeite sem deixar queimar e juntar o frango cortado em cubos. Temperar com os coentros em pó, o colorau, o sal e uma malagueta picada.

Juntar o tomate cortado, mexer e polvilhar com orégãos.

Adicionar os cogumelos cortados em quartos e deixar apurar por vinte minutos.

Servir com arroz de alho.

 

Ter | 22.10.13

outras inspirações

Inspirado numa receita encontrada no blogue Pratos e Travessas, fiz esta massa com os ingredientes que tinha à mão. Ficou muito bom e sempre foi mais uma maneira de gastar tomatinhos pequeninos que apesar de já não estrem bem na época deles, não param de dar, e eu agradeço!

 

Esparguete com bacon e tomatinhos

 

 

4 tiras de bacon

1 cebola

2 dentes de alho

Tomates cherry

Azeitonas pretas

Caldo de carne

Salsa picada

Azeite

 

Numa frigideira larga fritam-se as tiras de bacon, sem adicionar qualquer gordura, até ficarem bem estaladiças.

Retiram-se da frigideira e reservam-se.

Na mesma frigideira adiciona-se uma ou duas colheres de sopa de azeite e salteia-se a cebola picada e os dentes de alho, até estarem lourinhos.

Juntam-se os tomatinhos e as azeitonas e um bocadinho de caldo de carne (ou mesmo de água de cozer o esperguete) e deixa-se amolecer. Escorre-se o esparguete e adiciona-se à frigideira, juntamente com a salsa picada. Por cima põe-se o bacon cortado em pedacinhos e serve-se.

 

Seg | 21.10.13

mais potinhos

Mais duas sugestões para fazer a tal aveia adormecida (overnight oats).

Cada qual a melhor, na realidade isto são sugestões porque o gosto de cada um é que vai ditar a receita.

Nestes dois casos, usei o que tinha à mão. A primeira ficou muito boa, com as tâmaras a dar a doçura suficiente. A segunda parecia tarte de maçã.

E o melhor? É que são para comer em qualquer altura mas ao pequeno almoço, é só tirar do frigorífico e comer, sem perda de tempo!

 

Potes de Aveia 

 

 

Copo da frente

½ copo de leite

2 colheres de sopa bem cheias de flocos de aveia

1 colher de chá de linhaça moída

2 tâmaras picadas

1 pitada de cardamomo

1 colher de chá de pinhões

Juntar os ingredientes num frasco e deixar no frigorífico até ao dia seguinte.

 

Copo de trás

½ copo de leite

2 colheres de sopa bem cheias de flocos de aveia

1 colher de sopa de sementes de chia

2 colheres de sopa de maçã assada ou cozida

1 pitada de canela

1 colher de sopa de mel

Juntar os ingredientes num frasco e deixar no frigorífico até ao dia seguinte.

 

Nota: se preferirem quente, aquece-se no micro-ondas por 30 segundos

 

Sex | 18.10.13

do tempo

Esta é para mim a sobremesa de eleição para um dia de chuva, em que não apetece sair à rua e nem as gatas se chegam para lhes abrir portas ou janelas para irem lá para fora. Elas é que sabem!

 

Crumble de Maçã

(adaptada desta receita) 

 

 

Base

8 maçãs

½ copo de açúcar amarelo

Sumo de meio limão

50 grs de manteiga cortada em cubos

2 colheres de chá de canela em pó

 

Cobertura

1 copo de farinha

½ copo de açúcar amarelo

1 copo de flocos de aveia

100 grs de manteiga

1 pitada de sal

1 colher de chá de canela em pó

2 colheres de sopa de óleo de girassol

 

Num tabuleiro de pyrex põem-se as maçãs limpas e cortadas em fatias fininhas. Salpicam-se com o sumo de limão, polvilham-se com o açúcar e a canela e por cima põem-se os cubinhos da manteiga.

Para a cobertura misturam-se todos os ingredientes e com as mãos esfarelam-se, misturando a manteiga de modo a ficar a parecer migalhas. Põe-se esta mistura sobre as maçãs e leva-se ao forno quente por cerca de 45 minutos ou até a cobertura estar bem dourada.

É excelente assim ou acompanhado com uma bola de gelado de nozes.

 

Nota: Em vez dos flocos de aveia usei Granola

 

Qui | 17.10.13

receitas d'amigos

Uma amiga deu-me esta receita: que fazia muito sucesso lá em casa, que era excelente para quem não gostava muito de peixe e por aí.

Eu, para quem pescada cozida é um manjar, não liguei lá muito e passaram-se meses sem experimentar. Até que um destes dias, com todos os ingredientes à mão e o papelinho onde tinha escrito a receita sempre a aparecer como quem diz: faz-me!, lá me decidi.

RE.CO.MEN.DO!!!

 

Filetes no Forno

 

 

4 filetes

Sumo de um limão

200 ml de leite

1 cebola

2 dentes de alho

Tomilho (opcional)

1 embalagem de cogumelos

Sal

Pimenta

Noz moscada

150 ml de natas

Azeite

 

Uma ou duas horas antes de começar a cozinhar temperar os filetes com sal, sumo de limão e cobrir com o leite. Reservar.

No fundo de um tabuleiro dispõem-se a cebola e os dentes de alhos cortados em rodelas finas. Cobre-se o fundo do tabuleiro de azeite e por cima da cebola põem-se os filetes escorridos da marinada e o tomilho.

Salteiam-se os cogumelos cortados em fatias num pouquinho de azeite, apenas 3 ou 4 minutos. Temperam-se com sal, pimenta e noz moscada. Adicionam-se as natas e duas ou 3 colheradas do líquido da marinada e mexe-se. Deita-se este preparado sobre os filetes e leva-se a forno médio por cerca de 30 minutos.

Serve-se com arroz e brócolos cozidos ou esparregado.

 

Nota: usei filetes de maruca mas qualquer tipo de filetes serve

 

Qua | 16.10.13

Perishable thoughts...

Hoje é o dia mundial da alimentação.

Infelizmente há quem não tenha alimentação em nenhum dia ou pelo menos, alimentação suficiente para se manter saudável. E infelizmente há muito desperdício, muito mesmo, por esse mundo fora. Tanto que se esse desperdício fosse utilizado, daria para alimentar os 870 milhões de pessoas que não têm que comer…

Contra o desperdício até já há quem advogue que deveriam ser vendidos alimentos fora de prazo, mas mais baratos, para que algumas pessoas os pudessem comprar. E as opiniões dividem-se pois é um assunto muito complicado.

Por um lado, se estão a ficar fora de prazo, o melhor mesmo era que as organizações doassem esses alimentos às instituições de apoio a quem necessita; por outro lado pode haver quem tenha vergonha de recorrer a essas instituições preferindo ir comprar, se o preço for acessível; e por outro ainda a tendência é aumentar o fosso entre ricos e pobres.

Hoje, ao menos hoje, pense um pouco naquilo que desperdiça, seja em casa seja no restaurante, e lembre-se de que aquilo que está a deitar fora podia ajudar a salvar a vida de alguém…

Não tenha mais olhos que barriga.

 

 

Nota: este filme, embora passado no Brasil, pode adequar-se a qualquer realidade, a mensagem é universal

 

 

Ter | 15.10.13

hmmm...

Lá porque o verão acabou, não quer dizer que as saladas tenham sido banidas da nossa alimentação, nada disso!

Só que agora sabem melhor se forem quentinhas e com ingredientes mais outonais.

 

Salada Quente de Arroz

  

 

Arroz basmati cozido

4 cogumelos

½ cebola

1 colher de sopa de pinhões

1 colher de sopa de passas

1 omelete feita com um ovo

2 colheres de sopa de molho de soja

1 colher de sopa de vinagre de arroz (ou de cidra)

2 colheres de sopa de molho de peixe (opcional)

2 colheres de sopa de óleo de sésamo ou de girassol

 

Fazer a omelete com um ovo e cortar em tirinhas. Reservar.

Saltear a cebola e os cogumelos no óleo até amolecerem, adicionar os pinhões e as passas e mexer. Juntar o arroz e envolver mexendo até o arroz estar quente. Temperar com o molho de soja, com o vinagre de arroz e com o molho de peixe, juntar as tirinhas de omelete e servir.

 

Seg | 14.10.13

preservar com perseverança

O chutney é um tipo de compota agridoce que serve para acompanhar as refeições, um queijo mais forte (tipo queijo da Ilha, por exemplo), charcutaria (fiambres, etc.) ou mesmo carnes brancas, que tendem a ser meio desenxabidas.

Esta receita é facílima de fazer e foi o mote para usar uns figos roxos que uma colega me deu.

 

Chutney de Figo

 

 

1 copo de açúcar amarelo

1 copo de vinagre de cidra

5 copos de figos cortados em pedaços

1 maçã descascada e cortada em quadradinhos

1 cebola picada

1 mão cheia de uvas passas

1 pitada de sal

1 pitada de gengibre em pó

1 pitada de cravinho em pó

1 pitada de noz moscada

 

Amolecer as uvas passas em água quente por dez minutos. Escorrer.

Num tacho pôr o açúcar e o vinagre e levar ao lume até dissolver o açúcar. Adicionar todos os restantes ingredientes e deixar ferver, mexendo de vez em quando, por cerca de uma hora.

Deitar em frascos esterilizados e tapar de imediato.

 

 

Adenda: só agora reparei que no ano passado fiz esta mesma receita e não me lembrava... ou a receita é mesmo boa ou sou eu que já não estou...{#emotions_dlg.sarcastic}

 

Sex | 11.10.13

mousse!

Não há mais fácil de fazer.

Pode haver melhor mas, sinceramente, esta é mesmo boa!!!

A fazer muitas vezes, até porque é uma sobremesa mas é das que fazem bem.

 

Mousse

  

 

½ copo de cacau em pó

2 colheres de sopa de sementes de chia moídas

1 banana

1 lata de leite de côco

2 colheres de sopa de açúcar amarelo

 

Misturar todos os ingredientes no liquidificador.

Deitar em taças ou copos.

Levar ao frigorífico por duas horas.

 

Nota: ao servir pode-se polvilhar ligeiramente com umas pedrinhas de flor de sal

As sementes de chia podem ser encontradas em qualquer supermercado, na secção de alimentos saudáveis

Receita retirada daqui.

 

 

Qui | 10.10.13

para o fresco...

Com o tempo a arrefecer já sabem melhor os assados, quer pelo aroma que deixam na casa quer pelo quentinho que deixam na cozinha.

Isto é, se fosse Outono! Que parece que anda a brincar… bem, bem…

 

Pá de Porco Assada

  

 

1 cebola roxa

1 cebola branca

12 dentes de alhos sem descascar

Cenouras

Batatas

750 grs de pá de porco sem osso

Aipo

Orégãos

Sal

Vinho

Água

Azeite

Ameixas secas

Vinagre de sidra

 

No fundo de um tabuleiro põem-se as cebolas, cortadas grosseiramente em meias luas, os alhos sem descascar, as cenouras em tiras finas e as batatas em quartos.

Por cima põe-se a carne e o aipo em pedacinhos e as folhas dos orégãos. Tempera-se tudo com sal grosso.

Numa taça faz-se uma mistura com o vinho e a água e deita-se no tabuleiro. Por cima verte-se o azeite. Tapa-se com folha de alumínio e leva-se ao forno, por cerca de uma hora.

Passado esse tempo, retira-se do forno e remove-se o papel de alumínio. Verifica-se se tem molho que chegue, senão põe-se mais um pouco de água e vinho. Rectificar o sal e adicionar as ameixas secas. Deita-se um esguicho de vinagre de sidra sobre o assado e leva-se novamente ao forno, por mais meia hora, até estar bem tostadinho.

 

Nota:

Usei orégãos frescos mas podem ser secos

Usei ameixas secas que tinha em infusão em vinho do Porto

 

Qua | 09.10.13

gastar a fruta

As peras da minha pereira estão prontas lá para o fim de agosto, início de setembro.

São uma delícia mas têm um pequeno problema: são tão boas que até os bichinhos gostam e por isso, quando está na altura delas, temos que comer peras de empreitada senão apodrecem num instantinho…

 

Muffins de Pera

 

 

2 copos de farinha

1 colher de chá de fermento em pó

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

1 colher de chá de canela

½ colher de chá de cardamomo em pó (opcional)

¾ de copo de açúcar amarelo

1 pitada de sal

2 ovos

1 copo de leite

½ copo de óleo de girassol

2 peras descascadas e cortadas em pedacinhos

 

Pôr forminhas plissadas dentro de formas de queque.

Numa taça misturar a farinha, fermento, bicarbonato, canela, cardamomo, açúcar e sal.

Noutra taça misturar os ovos, o leite e o óleo. Juntar esta mistura à taça da farinha e envolver sem mexer demais. Adicionar as peras.

Deitar a massa nas forminhas e levar ao forno pré-aquecido por cerca de 20 minutos.

 

Nota: Em vez do cardamomo pode ser feito com gengibre em pó ou apenas uma pitada de noz moscada

 

Ter | 08.10.13

bela adormecida

Quem gosta de aveia? Eu! Eu! Eu! Ena tantos, eu também adoro!

Esta é uma maneira de preparar os pequenos almoços para pessoas que de manhã ou têm a comidinha pronta ou então preferem sair e ir engolir um café e um bolo no ‘come-em-pé’ mais próximo (blhaaack).

Chamam-se ‘overnight oats’ o que se pode traduzir mais ou menos como ‘aveia adormecida’ o que significa que esteve toda a noite em repouso para de manhã se apresentar uma autêntica maravilha.

Como nós… A sério!

Este modo de preparar a aveia veio substituir as velhas papas de aveia e está-se a tornar muito popular pela blogosfera.

Existem milhentas possibilidades para este preparado, vou explorar mais e depois informo {#emotions_dlg.blink}

 

Aveia Adormecida

 

 

 

½ copo de flocos de aveia

½ colher de chá de extracto de baunilha

½ copo de leite

1 colher de chá de sementes de linhaça moídas

1 colher de sopa de mel

½ banana

Mirtilos (opcional)

 

Num copo ou frasco misturar todos os ingredientes excepto a banana.

Reservar no frigorífico.

De manhã juntar a banana em rodelas e alguns mirtilos.

 

Seg | 07.10.13

que beleza!

Os enlatados podem tirar-nos de um aperto em menos de dez minutos.

Tenho por hábito ter na despensa alguns frascos e latas de grão e feijão e latas de atum, cavalas (adoro!) e sardinhas.

A união das leguminosas com o peixe pode parecer estranha mas faz uma salada espectacular, que se põe na mesa num instantinho.

Recomendo, mesmo que o tempo não seja uma preocupação.

 

Salada de Feijocas com Sardinha

 

 

 

1 frasco de feijocas

1 lata de sardinhas em azeite, sem peles nem espinhas

1 talo de aipo em rodelas

1 raminho de salsa picada

Tomatinhos

Azeitonas

Vinagre

Pimenta

 

Retirar as sardinhas da lata e reservar o azeite.

Escorrer as feijocas do líquido e passar por água se desejar.

Numa taça misturar as feijocas com o aipo, a salsa, os tomatinhos e as azeitonas.

Misturar algum do azeite com vinagre e temperar. Colocar as sardinhas sobre a salada e dar duas ou três voltas ao moinho da pimenta por cima de tudo.

Servir frio.

 

Nota: usei sardinhas da Comur, além de gostar muito são produzidas localmente, na Murtosa

 

Sex | 04.10.13

down under

Não me canso de experimentar receitas de biscoitos, mesmo daqueles que já fiz alguma vez.

Neste caso, estes biscoitos originários da Nova Zelândia e Austrália, cuja receita tem mais de 90 anos.

São mesmo muito bons e não me canso de os repetir.

 

Biscoitos Anzac

  

 

1 copo de flocos de aveia

1 copo de farinha de trigo

1 copo de coco ralado

1 copo de açúcar amarelo

125 grs de manteiga

2 colheres de sopa de Golden Syrup (ou mel)

2 colheres de sopa de água a ferver

½ colher de chá de bicarbonato de sódio

 

Misturar a aveia, farinha, coco e açúcar numa taça.

Numa caçarola levar ao lume a manteiga para derreter com o golden syrup ou mel. Adicionar a água a ferver e o bicarbonato (vai fazer muita espuma, é mesmo assim). Deitar este líquido sobre o conteúdo da taça e mexer.

Com a quantidade de massa do tamanho de uma noz moldar biscoitos espalmados e levar ao forno num tabuleiro forrado com papel de ir ao forno. Deixar cozer por cerca de 15 minutos.

Arrefecer (endurecem depois de frios) e guardar em latas. Ou comer tudo!

 

Qui | 03.10.13

encantamento

Continuo enamorada do livro Jerusalem.

Não sei dizer se são as receitas, as fotografias, as histórias ou a ideia de que a comida é universal. Só sei que é de todos os livros de cozinha, e talvez não só, um dos meus favoritos de sempre.

Vai ser preciso muita novidade para que um livro me encante como este tem feito.

 

Hambúrgueres de Peru e Curgetes

 

 

 

450 grs de carne de peru picada

1 curgete ralada com a casca e espremida

1 ovo

1 cebola finamente picada

2 colheres de sopa de coentros picados

2 colheres de sopa de menta picada

1 colher de chá de coentros em pó

1 pitada de sal

1 pitada de pimenta preta moída

1 pitada de piripiri

3 colheres de sopa de óleo de girassol (mais se necessário)

 

Molho de iogurte

250 grs de iogurte grego

Sumo e raspa de limão

1 alho ralado

1 colher de sopa de azeite

Pimenta preta moída

1 pitada de sal

 

Com as mãos misturar todos os ingredientes dos hambúrgueres (excepto o óleo de girassol!) numa taça e formar hambúrgueres do tamanho pretendido.

Aquecer o óleo num frigideira e fritar os hambúrgueres, poucos de cada vez e em lume brando para não ficarem queimados por fora e crus por dentro. Virar para fritar do outro lado.

Quando estiverem bem dourados retiram-se do lume.

 

Para o molho de iogurte, juntam-se todos os ingredientes numa taça e guarda-se no frigorífico até servir.

 

Nota: receita ligeiramente adaptada por falta de alguns ingredientes

 

Pág. 1/2