Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Sex | 30.11.12

especiarias

Não percebo como é que, tendo os portugueses sido grandes comerciantes de especiarias que havia noutras latitudes, acabamos por ser um pouco ‘básicos’ no uso que fazemos das mesmas.

Existem sabores incríveis em certas especiarias, ou misturas de especiarias, a que normalmente só podemos deitar as mãos se conhecermos alguém que esteja ‘lá fora’ ou então se tivermos oportunidade de ir à zona do Martim Moniz, em Lisboa, que é uma zona onde coexistem várias lojas e supermercados de produtos asiáticos.

Cá apenas vi à venda cardamomo uma vez há dois anos, no Jumbo de Aveiro, numa feira de produtos internacionais.

É uma pena…

 

Bolo de Azeite e Cardamomo 

 

 

Raspa de uma laranja

200 grs de açúcar

4 vagens de cardamomo

150 ml de azeite extra virgem

Uma pitada de sal

3 ovos

200 grs de farinha

1 e ¼ colheres de fermento em pó

165 ml de leite

 

Aquecer o forno a 180ºC. Untar uma forma de bolo inglês ou redonda com buraco.

Numa taça misturar o açúcar com a raspa da laranja. Deve-se mesmo esfregar com as pontas dos dedos para que o aroma da laranja se entranhe no açúcar.

Num almofariz esmagam-se as sementes de cardamomo e descartam-se as cascas. Juntar o cardamomo, o azeite e o sal ao açúcar e bater. Adicionar os ovos um a um e continuar a bater por cerca de cinco minutos até a massa estar esbranquiçada.

Peneirar a farinha e o fermento em pó para uma taça. Misturar um terço da farinha à massa e envolver bem, intercalar com metade do leite, novamente um terço da farinha, o restante leite e finalizar com o restante terço de farinha. Verificar se não ficam grumos na massa e deitar na forma. Cozer por cerca de uma hora (verificar a partir dos 30 minutos) até estar dourado e cozido no meio.

Retirar do forno e deixar arrefecer por dez minutos, depois desenformar e deixar arrefecer completamente.

 

Nota: Receita encontrada aqui.

 

Qui | 29.11.12

das massas...

De todas as massas que já comi até hoje acho que não houve nenhuma de que não tivesse gostado. Gosto mesmo de massas, de qualquer tipo, feitio e tamanho.

Mas sou particularmente fã de massas coloridas, quer porque são mais bonitas à vista quer porque normalmente a cor é-lhes dada por algum vegetal, o que as enriquece em termos nutritivos.

As verdes são normalmente de espinafre; as laranja, de tomate; as vermelhas de beterraba; entre outras.

E estou a falar apenas daquelas básicas porque depois também há as pretas, normalmente de tinta de choco; há umas de pesto, outras de malaguetas e por aí fora.

Um verdadeiro festim!

 

Tagliatelle de Espinafres com Peru

 

 

200 grs tagliatelle de espinafres

3 dentes de alho

3 peitos de peru cortados em tirinhas

3 colheres de sopa de azeite

1 colher de chá de coentros em pó

1 colher de chá de mostarda em pó

1 malagueta picada

Sal q.b.

¼ de copo de vinho Moscatel

250 grs de cogumelos frescos fatiados

1 dl de natas de soja

1 dl de água de cozer a massa

 

Cozer o tagliatelle em água abundante temperada com sal de acordo com as instruções da embalagem.

Saltear os alhos no azeite e quando estalarem juntar o peru. Temperar com coentros, mostarda, a malagueta em pedacinhos e sal. Deixar alourar as tirinhas de peru e juntar o vinho Moscatel e os cogumelos.

Deixar apurar rectificando os temperos e quando o peru estiver cozido, adicionam-se as natas e se necessário um pouco de água de cozer a massa para aligeirar o molho.

Servir sobre o tagliatelle cozido.

 

 

Qua | 28.11.12

cool gadgets

Uma prima minha, de Inglaterra, que sabe do meu entusiasmo pela cozinha e pelas coisas que lhe estão associadas, mandou-me este utensílio que parece mesmo daqueles de canal de vendas.

Mas não se deixem enganar, é mesmo eficaz e, se não tivermos cuidado podemos mesmo perder a ponta dos dedos (não que eu fale por experiência própria...).

Principalmente no que diz respeito a cortar rodelas fininhas, é fantástico e embora na embalagem diga que faz montes de coisas, ainda só me atrevi com as rodelas (depois tive que esperar que o dedo sarasse...)

 

TITAN, o Mágico da Cozinha

 

 

 Nota: podem ver aqui como funciona. 

 

Ter | 27.11.12

peixe escondido

 

No outro dia tive que gastar uns rabitos de pescada que se andavam a amontoar no congelador. Não apetecia salada de peixe, não apetecia fritos, eis que descobri esta receita e decidi experimentar.

 

Soufflé de Pescada 

 

 

4 postas de pescada

100 grs de pão de trigo

1 dl de leite

4 ovos

Manteiga e Pão ralado

Noz moscada, Sal e Pimenta q.b.

1 raminho de aneto

 

Cozer a pescada em água temperada com sal e azeite. Depois de cozida retirar as peles e espinhas.

Pôr o pão a demolhar num pouco de leite morno. Escorrer e reservar.

Numa taça misturar a pescada com aneto picado, o pão e as gemas de ovo e temperar com sal, pimenta e noz-moscada.

Bater as claras em castelo e envolver na pescada.

Deitar numa forma untada com manteiga e pão ralado.

Levar ao forno a cozer em banho-maria até estar sequinho (experimentar com um palito, como nos bolos). Leva perto de meia-hora a cozer.

Servir com uma salada de alface e coentros e tomates cereja.

 

Nota: Pode substituir-se o aneto por outra aromática como salsa, cebolinho, coentros, etc.

 

 

Seg | 26.11.12

outras sopas

Como sopa todos os dias (ou quase) e por isso é essencial que as sopas sejam variadas para uma pessoa não ter a sensação de andar a comer sempre a mesma coisa.

Ultimamente tenho experimentado sabores mais audazes e que normalmente não encontramos associados às sopas. São alternativas muito boas e fáceis de adaptar ao nosso gosto e ingredientes, como esta receita que me serviu de inspiração.

Recomendo!

 

Sopa de Cenoura e Coentros

 

 

3 colheres de sopa de azeite

2 alhos franceses

500 grs de cenouras

1 chuchu (ou curgete)

sal

1 colher de sopa de coentros em pó

800 ml de água ou caldo de galinha

 

Azeite de coentros

Sementes de girassol

 

Num tacho aloura-se ligeiramente o alho francês no azeite e adicionam-se as cenouras e o chuchu (ou curgete) descascados e cortados. Tempera-se com sal e juntam-se os contros em pó. Mexe-se e adiciona-se a água ou caldo de galinha.

Deixa-se cozer por 20 minutos e depois passa-se com a varinha mágica.

 

Para servir polvilha-se com as sementes de girassol tostadas numa frigideira e umas gotas de azeite de coentros.

 

Nota: Para fazer o azeite de coentros (ou de outra erva) põe-se azeite num copo,  juntam-se os coentros frescos e emulsiona-se com a varinha mágica.

 

Sex | 23.11.12

oh não, outra vez!!!

Pois, nem sei que dizer. Mais biscoitos…

Para que conste, eu faço muitos biscoitos porque adoro.

Fazê-los e comê-los!!!

Por outro lado, não compro qualquer tipo de bolachas, excepto as de água e sal.

São escolhas, cada um faz as suas {#emotions_dlg.sarcastic}

 

Biscoitos de Melaço 

 

 

2 copos de farinha

2 colheres de chá de bicarbonato de sódio

½ colher de chá de sal

1 colher de chá de canela em pó

1 colher de chá de gengibre em pó

1 pitada de noz-moscada

150 grs de manteiga amolecida

1 copo de açúcar amarelo

1 ovo

¼ de copo de melaço

Açúcar mascavado para enrolar os biscoitos

 

Misturar a farinha com o bicarbonato, o sal, a canela, o gengibre e a noz-moscada. Reservar.

Numa taça bater a manteiga com o açúcar e o ovo. Juntar o melaço.

Adicionar a mistura da farinha e envolver bem. Guardar a massa por uma hora no frigorífico.

Aquecer o forno.

Fazer bolinhas com a massa, rolar no açúcar e espalmar. Pôr num tabuleiro forrado com papel de ir ao forno e levar ao forno por 8 a 10 minutos. Retirar do forno e deixar arrefecer

 

Nota: usei margarina Becel cozinha em vez da manteiga

 

Qui | 22.11.12

sabores de outras latitudes

Embora a meu limoeiro dê limões durante todo o ano e em qualquer altura se possam apanhar limões amarelinhos, também gosto de fazer limões em conserva.

Esta é uma especialidade da cozinha marroquina e do médio oriente, é muito fácil de fazer e pode ser utilizada em vários pratos.

Neste frango, metido ‘às três pancadas’ no tacho com mais alguns ingredientes, veio dar um sabor excelente e diferente.

Experimentem fazer o limão em conserva. Se o fizerem já, até pode servir para algumas ofertas de Natal.

Juntem-lhe esta receita ou outra de modo a que quem receba o presente saiba como o pode usar.

 

Frango com Limão em Conserva 

 

 

1 cebola picada

1 alho picado

2 tomates pelados e cortados

4 coxas de frango do campo

½ colher de chá de coentros em pó

½ colher de chá de colorau em pó

Sal q.b.

1 pimento doce (opcional)

½ limão em conserva (apenas a casca)

½ copo de vinho

Azeite

 

No fundo do tacho colocar todos os ingredientes pela ordem acima.

Levar ao lume tapado e deixar cozinhar até o frango estar cozido, à volta de 40 minutos

Servir com arroz branco e salada ou legumes cozidos.

 

Nota: Os limões em conserva são tradicionalmente feitos com os limões inteiros e não às rodelas.

 

Qua | 21.11.12

trálálá...

Enquanto entusiasta da comida e das coisas relacionadas com a gastronomia há uma coisa que me deixa grande pena que é não conhecer os cogumelos.

Aliás, conheço alguns. Aqueles que estão nas prateleiras dos supermercados e se chamam Pleurothus, Portobello, Chanterelle, Shiitake, Champignon, etc.

Mas esses são de ‘aviário’ e a minha pena de não conhecer os cogumelos tem a ver com aqueles que todos os outonos rebentam da terra após as primeiras chuvas.

Estes, uma ínfima amostra dos que vi, estão a menos de dois quilómetros de minha casa, num pinhal onde costumamos ir passear os cães.

Têm todo o ar de ser letais, mas são tão bonitos…

 

 

  

 

 

  

 

 

 

 

Ter | 20.11.12

macarrão

Não sei porquê mas cozo sempre mais massa do que a necessária para uma refeição. E depois sobra massa cozida, que pode sempre ser usada numa salada ou noutra coisa qualquer.

Também é costume ter sempre molho de tomate feito (congelado da abundância do verão) e com pouco mais sai um belo de um prato sem peixe nem carne, que às vezes é preciso desenjoar.

 

Macarrão com Requeijão no Forno

 

 

 

Macarrão cozido q.b. para duas pessoas

1 copo de molho de tomate caseiro (ou de compra)

1 requeijão

200 grs de cogumelos picados e salteados em azeite

2 colheres de sopa de margarina

2 colheres de sopa de farinha

2 1/2 copos de leite

Sal

noz moscada

 

Fazer o Molho Bechamel:

Faça um molho bechamel com 2 colheres de sopa de margarina derretida num tachinho, adicione-lhe 2 colheres de farinha mexendo sempre e adicione o leite, um bocado de cada vez. Mexa sempre até engrossar, ajuste o líquido se necessário (pode usar água da cozedura da massa) e tempere com sal, pimenta e noz moscada. 

Adicionar o requeijão ao molho bechamel e mexer bem para incorporar. Reservar.

Misturar a massa cozida com o molho de tomate e os cogumelos salteados.

Deitar a mistura num tabuleiro de pyrex ou cerâmica. Por cima espalhar o molho bechamel com o requeijão.

Levar ao forno até alourar, cerca de 20 a 25 minutos.

 

Seg | 19.11.12

little jacks :)

Este é o tipo de prato que está quase em desuso.

Felizmente, na zona onde vivo, ainda se faz a pesca artesanal em que as redes usadas, dado que capturam pouco peixe de cada vez, têm a malha fina o que permite a captura destes carapauzinhos.

Comprados ali ao sair da rede, cheios de areia e a dar um bocado de trabalho a arranjar, não deixam de mesmo assim ser maravilhosos!

 

Jaquinzinhos Fritos

 

 

Carapauzinhos amanhados e limpos de areia

Sal grosso

Farinha q.b.

Óleo para fritar

 

Salpicar o peixe com o sal.

A maneira mais prática de os enfarinhar é meter um bocado de farinha num saco de plástico, meter os peixinhos lá dentro, abanar bem (fechando o saco, claro, senão é farinha por toda a cozinha!) sacudir o excesso e meter na frigideira com o óleo já bem quente.

Deixar fritar até estarem dourados e escorrer em papel de cozinha.

Acompanhar com um belo arroz de tomate e agradecer ainda ser possível comer coisas destas.

 

Sex | 16.11.12

pão de cinco copos

Este pão doce é facílimo de fazer e como não leva ovos nem manteiga ou óleo pode bem ser consumido por quem tenha algumas restrições alimentares, o que não é o meu caso.

Mas como leva aveia, que é um daqueles ingredientes que quando o vejo numa receita algo me impele a fazê-la e como tinha as frutas mesmo à mão, experimentei a receita.

E ainda bem, ficou um pão/bolo bem agradável para acompanhar uma bebida quente.

 

Pão Doce de Aveia

 

 

1 copo de flocos de aveia

1 copo de frutas passas

1 copo de açúcar amarelo

1 copo de farinha

1 e ½ colher de fermento em pó

½ colher de chá de sal

1 copo de leite

 

Ligar o forno a 160ºC. Forrar uma forma de bolo inglês com papel de ir ao forno.

Juntar os ingredientes secos (incluindo as frutas) numa taça e misturar com um garfo ou colher de pau. Adicionar o leite e envolver bem. Deitar na forma e levar ao forno por cerca de uma hora. Verificar cozedura com um palito.

 

Nota: usei uma mistura de frutas (sultanas, coríntios, casca de laranja e alperces secos) que tinha preparadas para fazer um Bolo de Natal e que estavam a macerar numa mistura de chá preto e brandy.

 

Qui | 15.11.12

coelho de porco

Esta marinada é fácil de fazer e empresta um sabor muito agradável à carne de porco, principalmente ao lombinho que por cá é chamado de 'coelho de porco' (penso que tem a ver com a sua forma esguia, a lembrar um coelho...).

Para misturar os ingredientes da marinada, usei este cool gadget que me tinham oferecido. Uma beleza!

 

Lombinho de Porco no Forno

 

 

1 lombinho de porco

3 dentes de alho esmagados

6 hastes de tomilho

10 bagas de pimenta da Jamaica (allspice)

¼ de copo de vinho branco

¼ de copo de azeite

Sal q.b.

 

Misturar todos os ingredientes e deitar sobre o lombinho. Se possível, deixar repousar por uma hora para tomar o gosto.

Levar ao forno tapado com papel de alumínio por cerca de 25 minutos. Retirar o papel de alumínio, verificar se é necessário mais molho (se for, deve-se acrescentar um pouco de água) e deixar acabar de assar.

Servir com maçãs assadas com cardamomo e verduras cozidas.

 

Ter | 13.11.12

enroladinho

A única comida que compro fora de casa, já feita e em modo fast-food, é frango de churrasco. E normalmente sobra sempre o peito, carne seca e pouco apetecível ao natural.

Por isso há que inventar novas roupagens para que se coma na mesma, não se desperdice, e saiba bem.

Aqui está uma sugestão, adaptada desta receita.

 

Strudel de Frango

 

 

Peito de frango (assado, cozido, de churrasco, qualquer um serve)

1 maçã

Salsa

Azeitonas

Uvas passas

Amêndoas em lascas

Maionese

Iogurte grego natural

Massa Folhada

 

Picar o frango, a maçã, a salsa e as azeitonas. Misturar e juntar as passas e as amêndoas. Envolver com umas colheradas de maionese e iogurte grego (2 de cada devem bastar).

Enrolar num rolo de massa folhada e levar ao forno até estar bem lourinho.

Servir com salada ou legumes salteados.

 

Seg | 12.11.12

prova certa

Para gastar a outra metade da abóbora que assei, experimentei uma sopa.

Eu sei que ultimamente toda a gente e mais a sua prima faz sopa de abóbora. Eu, que sou Maria, tento não ser Maria-vai-com-as-outras mas tive tanta curiosidade em experimentar e provar que não gosto mesmo de sopa de abóbora…

Mas desta vez foi contra mim, porque desta gostei imenso!!!

 

Sopa de Abóbora (Cucurbita moschata) Assada

 

 

1 cebola

1 cenoura

1 chuchu

½ abóbora manteiga assada

Azeite q.b.

Sal q.b.

600 ml de água

1 colher de sopa de gengibre ralado

Folhas de salva fritas em azeite para enfeitar

 

Amolecer a cebola picada grosseiramente em azeite. Juntar a cenoura em pedaços, o chuchu em pedaços e a polpa da abóbora previamente assada. Temperar com sal e adicionar a água. Deixar levantar fervura e baixar o lume. Quando estiver tudo cozido passa-se com a varinha mágica.

Rala-se o gengibre e adiciona-se à sopa.

Servir com folhas de sálvia fritas em azeite e umas gotinhas do azeite de fritar a salva.

Acompanhar com broa frita.

 

Sex | 09.11.12

da época

Está na época deles, têm-me chegado às mãos-cheias e é preciso inventar maneiras de os gastar que não seja apenas a lambuzar-me com eles ao natural.

Se bolo de dióspiro é bom e tarte também, pudim só pode ser ainda melhor. E não é que é mesmo???

 

Pudim de Dióspiros 

 

 

1 lata de leite condensado

1 lata de leite de vaca

1 lata de polpa de dióspiro

4 ovos

1 colher de chá de extracto de baunilha

150 ml de caramelo para untar a forma

 

Bater todos os ingredientes e deitar numa forma de pudim caramelizada.

Tapar a forma e levar ao lume em banho-maria por uma hora.

Deixar arrefecer e levar ao frigorífico por umas horas.

Desenformar e servir.

 

Nota: a lata do leite condensado serve de medida para o leite e polpa de dióspiro

 

Qui | 08.11.12

grande mistura!

Para usar uma parte da abóbora que assei vi o que é que havia pelo frigorífico e depois foi ir metendo os ingredientes nas forminhas e levar ao forno.

Apesar de os ingredientes parecerem não pertencer ao mesmo campeonato, o resultado final foi surpreendente e digno de repetição!

 

Tarteletes de Nabiça, Abóbora e queijo Feta

  

 

1 embalagem de massa folhada

100 grs de nabiças cozidas

½ abóbora manteiga assada

100 grs de frango cozido desfiado (opcional)

75 grs de queijo Feta

150 ml de leite

2 ovos

Pimenta q.b.

Noz-moscada q.b.

 

Forrar as formas de tartelete com a massa folhada. Sobre a massa põe-se uma camada de nabiças cozidas, por cima a abóbora assada cortada em pedacinhos do tamanho de dados, o frango desfiado (se usar), e o queijo Feta esfarelado.

Batem-se os ovos com o leite e temperam-se de pimenta fresca e uma pitada de noz-moscada (não é necessário sal porque o queijo Feta já é bastante salgado).

Levam-se ao forno a cozer até estarem bem douradas, cerca de 25 minutos.

 

Nota: O frango pode perfeitamente ser omitido desta receita. Usei-o apenas porque tinha um restinho para gastar mas uma das tarteletes não levou frango e estava maravilhosa na mesma.

 

Qua | 07.11.12

perishable thoughts...

Esta abóbora pequena por cá é conhecida como abóbora-almiscarada embora, de um modo geral, em receitas e blogues de receitas seja referida como abóbora manteiga, numa tradução ligeira do inglês onde se chama Butternut squash.

É muito rica em vitaminas A e C, potássio, magnésio e fibra. Também é rica em betacaroteno, daí a sua cor muito alaranjada quando está madura.

Vê-se à venda em quase todos os supermercados e é muito fácil de usar em variadas receitas. Uma das maneiras de a preparar é assando-a no forno.

Eu aproveito quando uso o forno para outros assados e corto uma ao meio, pincelo com azeite a parte cortada e viro essa parte para baixo num tabuleiro. Tapo com papel de alumínio e levo ao forno a assar por uns 45 minutos, mais ou menos. Depois é usar nas receitas ou mesmo inventar algumas{#emotions_dlg.smile}

 

(Cucurbita moschata) 

 

 

 Amanhã deixo uma receita para gastar esta coisinha.

 

Ter | 06.11.12

para acompanhamento

Esta receita inspirou-me a fazer um acompanhamento para carne de porco assada.

Ficou muito bom e é excelente para aproveitar maçãs que estejam tocadas ou bichadas mas que ainda estão muito boas para se deitarem fora.

E ainda por cima com uma das especiarias que mais aprecio!

 

Maçã assada com cardamomo 

 

 

1 kg de maçãs

5 vagens de cardamomo

1/3 de copo de água

2 colheres de sopa golden syrup ou de açúcar amarelo

Canela em pau

 

Descascar as maçãs, retirar os caroços e cortar em pedaços.

Esmagar as vagens de cardamomo no almofariz e salpicar as maçãs com as sementes e com a canela em pau (aos bocadinhos).

Misturar a água com o açúcar e deitar sobre as maçãs num pyrex.

Levar ao forno até estarem tenras mas ainda a manter a forma.

Servir como acompanhamento de carne de porco assada.

 

Nota: podem ser usadas quaisquer maçãs mas quanto mais ácidas melhor são, especialmente para acompanhamento de pratos salgados

 

Seg | 05.11.12

cozinhar em papelote

Para variar dos filetes fritos, que nem sempre são uma boa opção nomeadamente se houver problemas com a ingestão de gorduras, esta maneira de cozinhar qualquer tipo de filetes é fácil e o resultado final é muito saboroso.

 

Filetes em Papelote

 

 

2 filetes de pescada

Mostarda ou Molho Pesto

Limão

Sal

Pimenta

Tomates cereja

Azeite

 

Numa folha de alumínio (ou vegetal) grande que possa fazer um envelope dispõe-se a mostarda ou o molho pesto, por cima põe-se um filete de pescada, volta-se a pincelar com mostarda ou pesto e sobre o filete põem-se umas rodelas bem fininhas de limão. Salpica-se de sal e pimenta e a toda a volta dispõem-se os tomatinhos. Fecha-se o papel de modo a formar envelopes ou trouxas e leva-se ao forno por cerca de 20 minutos.

Serve-se com cuscuz ou puré de batata.

 

Nota: Fiz um com mostarda e um com molho pesto, qualquer um ficou muito bom.

 

Sex | 02.11.12

olha a merengada!

De vez em quando temos excelentes surpresas de onde menos esperamos.

Aqui há uns tempos fui a Lisboa a uma reunião de trabalho e juntamente com algumas colegas fomos almoçar a um restaurante de hotel que tinha um buffet bastante em conta (enfim, em conta para quem está em Lisboa porque para quem está a norte os preços cá são um pedaço mais baixos).

O almoço foi muito bom mas houve uma das sobremesas que me encantou. Ou não levasse maçãs!

No dia seguinte enviei um email para o hotel em causa a gabar a sobremesa (sim, encantou-me a esse ponto) e a perguntar se não me poderiam dar umas dicas acerca da mesma para eu ver se podia fazer algo parecido em casa.

Para minha grande, enorme, surpresa, no dia seguinte enviaram-me a receita da sobremesa, tal e qual a fazem.

Fiquei mesmo feliz e aqui está ela, para quem quiser experimentar. Aconselho!

 

Merengada de Maçã 

 

 

8 Maçãs Reineta
Açúcar e Canela para polvilhar
6 Ovos
1/2 Litro de Leite
2 Colheres de sopa de Maizena
Açúcar 250g

Descascam-se as maçãs, tira-se o caroço e cortam-se em quatro .
Dispõem-se num Pirex polvilhando com açúcar e canela a gosto , e leva-se ao forno a assar.
Enquanto assa, batem-se as claras em castelo bem firmes, às quais se adicionam 200g de açúcar e volta-se a bater para fazer o merengue.
Tiram-se as maçãs do forno, cobre-se com o merengue e voltam  ao forno a 160º até alourar.
Por fim faz-se um leite creme com as gemas, o restante açúcar, o leite e a Maizena que se leva ao lume até engrossar e cobre-se o merengue depois de cozido no forno .
Para terminar polvilha-se com canela.

 

Nota: Não usei maçãs reineta, usei das minhas, não sei a marca {#emotions_dlg.sarcastic}