Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Qui | 31.05.12

aveia e bolos

Como os níveis de alerta da lata dos biscoitos já estavam no vermelho, lá tive que fazer mais uma carrada quantidade deles.

Desta vez experimentei e adaptei esta receita que me pareceu muito boa e na realidade ficou excelente, mesmo com as alterações que fiz!

 

Biscoitos de Aveia

 

 

1 e 1/2  copos de açúcar amarelo

125 grs de manteiga amolecida

2  ovos

1/2 colher de chá de sal

1 colher de chá de canela em pó

1 colher de chá de fermento  

3 colher de sopa de água a ferver

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

2 e 1/2 copos de farinha

2 copos de flocos de aveia

½ copo de sultanas

 

À farinha adiciona-se a canela, o sal e o fermento. Reservam-se.

Numa taça bate-se o açúcar e a manteiga, juntam-se os ovos e mexe-se.

Numa chávena junta-se o bicarbonato de sódio com a água a ferver e mistura-se ao creme de manteiga e açúcar.

Adiciona-se a farinha e mexe-se bem. Junta-se a aveia e as sultanas envolve-se.

Com uma colher retiram-se bolas de massa do tamanho de nozes e põem-se num tabuleiro forrado com papel de ir ao forno ou papel vegetal. Espalma-se ligeiramente os bolinhos e leva-se ao forno por cerca de 12 minutos.

Retiram-se do forno e deixam-se arrefecer numa rede.

Guardar.

 

Nota: Deu cerca de 60

 

Qua | 30.05.12

com ovos

Para gastar uns camarõezinhos que não davam nem para tapar a cova de um dente… e assim deram para fazer duas sandochas!

E a cor destes ovos...{#emotions_dlg.tongue}

 

Omelete de Camarão e Salsa

 

 

 

3 ovos

10 camarões cozidos

Sal e pimenta

1 raminho de salsa

Azeite q.b.

 

Descascar os camarões e cortá-los ao meio, ao alto. Picar a salsa.

Bater os ovos, temperar e juntar os camarões e a salsa.

Levar uma frigideira ao lume e deitar um fiozinho de azeite no fundo. Quando estiver quente, deitar os ovos batidos e deixar fritar por dois minutos. Virar a omelete para fritar do outro lado por mais um minuto.

Servir em sandes com alface ou rúcula

 

Nota: Deu para duas omeletes pequenas.

 

Ter | 29.05.12

Puttanesca???

É isso, o nome não engana e mesmo em italiano é isso mesmo que quer dizer! {#emotions_dlg.blink}

Agora porque é que tem este nome? Há quem diga que era uma receita fácil de preparar entre ‘clientes’. Outros dizem que ‘elas’ faziam este prato cujo aroma cativava os ‘clientes’.

Enfim, explicações para todos os gostos e esta receita também é para todos os gostos. É mesmo boa!

 

Pasta Puttanesca

  

  

3 colheres de sopa de azeite

8 filetes de achova (de lata, escorridos)

2 dentes de alho ralados

½ colher de chá de piri-piri

1 lata de 400 grs de tomate picado

150 grs de azeitonas pretas sem caroço ligeiramente esmagadas

2 colheres de sopa de alcaparras

3 colheres de sopa de salsa picada (opcional)

Sal e pimenta, a gosto

Esparguete q.b.

 

Cozer o esparguete em água a ferver temperada de sal.

Aquecer o azeite numa frigideira funda, num wok ou num tacho. Juntar as anchovas e cozninhar por três minutos esmigalhando com a colher de pau até que as anchovas estejam numa pasta. Depois juntam-se os alhos e o piri-piri e deixa-se apurar por mais um minuto.

Juntar tomates, azeitonas e alcaparras. Mexer e deixar cozinhar por dez minutos, mexendo de vez em quando. O molho vai engrossar.

Quando a massa estiver cozida, escorrer e reservar um bocadinho da água de cozer, cerca de meio copo. Juntar a massa ao refogado e envolver bem, se necessário acrescentar a água da cozedura que reservámos.

Polvilhar com a salsa picada e servir.

 

Nota: mais uma receita retirada do livro “Nigella Kitchen: Recipes From the Heart of the Home”

 

Seg | 28.05.12

cremezinho

Aqui há uns tempos, num restaurante, serviram-me uma sopa com um gosto muito fora do vulgar. Percebi que levava gengibre (adoro gengibre) mas levava outra especiaria que não consegui identificar. Perguntei e disseram que eram sementes de cominhos. Ora, eu não aprecio muito cominhos em pó porque acho muito forte (nomeadamente em enchidos) mas ali eram usadas as sementes e estava mesmo no ponto.

Lá tive que experimentar em casa a ver como me saía e não é que ficou ainda melhor??? {#emotions_dlg.sarcastic}

 

Sopa de Cenoura com Cominhos e Gengibre

 

 

1 alho francês

2 colheres de sopa de azeite

3 cenouras

3 batatas

1 colher de café de sementes de cominhos

1 litro de água

Sal

¼ de cubo de caldo de galinha (opcional)

1 pedaço de gengibre (cerca de 3 cms)

 

Saltear o alho francês no azeite com as sementes de cominhos. Juntar as cenouras e batatas, adicionar a água, temperar com sal e com o caldo de galinha se usar. Deixar ferver por 25 minutos. Entretanto rala-se o gengibre e espreme-se com as mãos para retirar o sumo (deita-se fora a polpa). Junta-se esse sumo à sopa e passa-se tudo com a varinha mágica.

Servir com croutons.

 

Sex | 25.05.12

beleza de morangos

Uma sobremesa que quase podia ser servida ao pequeno almoço: fruta, iogurte, queijo, bolachinhas, só coisas boas… e depois novamente após a refeição… hmmm, esta ideia está a parecer-me cada vez mais passível de pôr em prática…  

 

Cheesecake de Morangos, ou Não

 

 

300 grs de morangos

2 colheres de sopa de açúcar

Sumo de ½ lima

100 grs de queijo-creme (tipo philadelphia)

200 grs de iogurte grego

75 grs de açúcar em pó

100 grs de bolachas

Folhas de hortelã-pimenta

 

Cortar os morangos em rodelas e misturar com o açúcar e o sumo de lima. Reservar.

Bater o queijo-creme com o iogurte e o açúcar em pó.

Ralar as bolachas.

Dividem-se  as bolachas raladas por quatro copos ou taças. Por cima distribuem-se os morangos (reservar alguns para pôr por cima) e sobre os morangos a mistura de queijo e iogurte. Põem-se os restantes morangos por cima e o líquido dos mesmos.

Enfeita-se com hortelã-pimenta e serve-se fresco.

 

Qui | 24.05.12

parece arroz de chocolate...

Este é um dos clássicos da cozinha tradicional portuguesa (e dos menos fotogénicos…). Se tivesse que escolher a minha última refeição, este era sem dúvida o prato principal.

A maneira como o faço é a maneira como vi ao longo de anos este prato ser preparado pela minha Mãe, sempre com frangos, galos ou galinhas criados lá em casa e que eu tinha que ajudar a ‘preparar’, ou seja, assistir à matança e depenar os bichos.

Actualmente é muito raro conseguir galo caseiro e quando acontece é um festim! Agradeço à minha vizinha que faz o favor de o ‘preparar’ e o entrega prontinho a usar e com a malguinha de sangue a acompanhar.

 

Cabidela de Galo Caseiro

 

 

750 grs de galo caseiro cortado em pedaços

1 cebola grande

Azeite q.b.

3 dentes de alho

1 folha de louro

1 ramo de salsa

150 ml de vinho branco

Caldo de aves ou água

Sal

Arroz carolino

2 dl de sangue misturado com vinagre

 

Amolecer a cebola picadinha no azeite e quando estiver transparente junta-se o dente de alhos picados e a folha de louro (retirar o veio central). Juntar a carne cortada em bocados pequenos e deixar alourar, virando para que aloure de todos os lados. Adicionar o vinho branco e deixar evaporar. Juntar a salsa num ramo, temperar com sal e ir juntando caldo ou água aos poucos para que a carne coza sem estar mergulhada em líquido.

Ao fim de perto de uma hora (atenção que o verdadeiro galo do campo tem a carne rija, não é igual ao que se compra no supermercado) a refogar, sempre a juntar líquido de quando em quando, junta-se o líquido para cozer o arroz, normalmente num rácio de três a quatro copos de líquido para um de arroz carolino. Previamente pode retirar-se o louro e a salsa.

Quando ferver mistura-se o arroz e mexe-se. Deixa-se cozer até estar no ponto desejado tendo o cuidado de ter sempre algum líquido para não secar. Quando o arroz estiver cozido, mistura-se o sangue e mexe-se rapidamente. Não se deve deixar ferver novamente após se ter adicionado o sangue.

Servir de imediato e verificar se é necessário mais vinagre no prato. Há quem não goste deste arroz muito avinagrado, outros pelo contrário preferem-no tão ácido que até faz lágrimas.

 

Notas:

Usei como líquido para este arroz uma água onde cozi os miúdos do frango (patas, moela, fígado, coração e pontas das asas)

O sangue foi misturado com vinagre e vinho branco para não ser tão ácido

 

Qua | 23.05.12

sugestão

Isto nem sequer é uma receita, apenas uma sugestão para o pão que às vezes anda por casa já meio seco e pode bem ser aproveitado para fazer uns croutons que podem acompanhar um creme de legumes.

 

Croutons

 

 

Cortar pão aos quadrados e levar ao lume numa frigideira com alhos estalados em azeite. Temperar com pimenta moída e deixar tostar.

 

Ter | 22.05.12

no fogão também dá...

Estes cogumelos foram parar a uma mesa de petiscos e como estava muito calor não apeteceu ligar o forno que ainda ia aquecer mais a casa.

Não há problema, faz-se no fogão que vale quase o mesmo!

A sério, isto é para mostrar que não devemos deixar de fazer algo que nos apetece, porque há sempre maneira de dar a volta ao tema.

 

Cogumelos Recheados

 

 

4 cogumelos grandes

4 fatias de bacon

Espinafres salteados

Queijo feta

Azeite

 

Retirar os pés dos cogumelos e reservar para outro uso (numa sopa, por exemplo).

Cortar o bacon em quadradinhos e saltear numa frigideira anti-aderente até alourar.

Cortar os espinafres previamente salteados numa colher de sopa de azeite até diminuírem de volume.

Dividir os espinafres pelos quatro cogumelos, por cima põe-se o bacon e sobre o bacon o queijo esfarelado.

Colocar os cogumelos na frigideira onde se salteou o bacon e regar com um fiozinho de azeite. Tapar com uma folha de alumínio e levar a lume médio/brando por cerca de 20 minutos.

 

Nota: pode ser feito no forno mas esta opção de fazer no fogão também fica muito bem e é mais prática

Seg | 21.05.12

um belo petisco

Quando fazemos peixe cozido normalmente é na medida certa e raramente sobra mas por vezes, quando o que sobra no congelador são aquelas postas 'non gratas' como os rabos e as postas do início do peixe, mais vale cozer logo tudo, uma ou duas batatas a mais e depois deliciarmo-nos com estes bolinhos, um belo petisco!

 

Bolinhos de Peixe 

 

 

2 postas de pescada cozidas (ou outro peixe cozido)

2 batatas cozidas

1 ovo

1 fatia de pão de véspera ralada

Sal e pimenta fresca

1 raminho de salsa, endro e cebolinha picados

Óleo para fritar

 

Com um garfo esmigalham-se as batatas e o peixe, temperam-se com sal e pimenta e adiciona-se o ovo. Mexe-se bem e junta-se o pão ralado e as ervas picadas.

Aquecer o óleo numa frigideira e fritar bolinhos moldados com duas colheres.

 

Sex | 18.05.12

nigella e eu

As minhas semelhanças com a Nigella Lawson são apenas os quilinhos a mais  e o gosto por comer aquilo que cozinho. De resto qualquer comparação é como se estivesse a comparar a feira da Palhaça com o mês de Agosto… ou qualquer coisa do género {#emotions_dlg.blink}

O que não me impede de experimentar o máximo das suas receitas e devorar (não literalmente) os seus livros como se de bons policiais se tratasse.

 A última aquisição foi o “Nigella Kitchen: Recipes From the Heart of the Home” e esta foi a primeira receita que fiz desse livro.

 

Baked Egg Custard/Leite-Creme no Forno

 

 

600 ml de leite

4 ovos

50 grs de açúcar

2 colheres de chá de extracto de baunilha

Noz Moscada para ralar

Manteiga para untar a forma

 

Aquecer o forno a 140ºC e untar com manteiga uma forma refractária (usei uma de soufflé). Pôr água a ferver no fogão para o banho-maria.

Aquecer o leite mas sem deixar ferver.

Numa taça bater os ovos com o açúcar e a baunilha. Adicionar o leite em fio batendo sempre. Coar esta mistura num passador e deitar na forma untada. Polvilhar com noz moscada ralada de fresco.

Pôr a forma num tabuleiro e deitar a água a ferver no tabuleiro até mais ou menos metade da altura da forma. Levar ao forno por cerca de hora e meia (90 minutos). Retirar e deixar arrefecer.

 

Nota: O meu forno não tem controle de temperatura pelo que ficou em forno médio/baixo e demorou apenas 60 minutos a ficar pronto.

 

Qui | 17.05.12

tintureira

Uma receita rápida e bastante prática. Não sei bem se se pode chamar-lhe caldeirada já que só tem uma qualidade de peixe mas é feito da mesma maneira das caldeiradas.

Tudo dentro do tacho, lume, abanar, comer.

Com pão, para aproveitar o molho!

 

Caldeirada de Tintureira com Açafrão das Índias 

 

 

1 cebola grande cortada às rodelas

2 dentes de alho cortados às rodelas

1 colher de chá de açafrão das Índias

1 colher de chá de colorau

2 postas de tintureira

4 batatas cortadas às rodelas

2 raminhos de salsa

Sal

Vinho branco

Água

Azeite

 

Deitar os ingredientes num tacho largo pela ordem dada.

Levar ao lume e quando começar a ferver baixar o lume. Deixar apurar até estar cozido sem mexer. Se necessário abana-se o tacho para não pegar mas não se deve mexer.

 

Nota: A medida de vinho, água e azeite é cerca de meio copo de cada

 

Qua | 16.05.12

perishable thoughts

No inverno atirei uma batata meio podre para a horta, com preguiça de a ir meter na caixa de composto. Ficou ali caída debaixo do pessegueiro e passado pouco tempo já nem sequer se via.

Aqui há uns tempos comecei a ver uma rama de batata, muito frondosa, e como não estorvava, lá continuou.

No domingo passado, enquanto arrancava ervas daninhas, sem querer puxei a rama da batata e não é que com ela apareceram estas belezuras???

É como se costuma dizer, na natureza nada se perde...

 

Batatas Novas

 

 

Ter | 15.05.12

bons desastres

Quando faço muitas coisas ao mesmo tempo na cozinha, ao contrário de um cozinheiro profissional que se lembra de tudo e tem muitos ajudantes, às vezes esqueço-me de passos importantes.

Como com este bolo que depois de estar no forno, reparei que as maçãs ainda estavam por descascar em cima da banca!!!

Toca a tirar o bolo do forno (tão anti tudo o que se deve fazer) e enfiar lá para dentro da maneira possível as maçãs entretanto descascadas e cortadas em meias luas com cerca de um centímetro de largura… e seja o que Deus quiser.

Posso dizer que foi um dos melhores bolos de maçã que já fiz, e já fiz muitos!!! Acho é que nunca mais vou conseguir fazer um igual.

 

Bolo de Maçã e Aveia

 

 

1 e ½ copos de açúcar amarelo (ou mascavado)

2 ovos

½ copo de óleo de girassol

1 colher de chá de extracto de  baunilha

2 copos de farinha com fermento

½ copo de aveia

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

2 colheres de chá de canela

3 maçãs descascadas e cortadas em dados pequenos

 

Bater o açúcar com os ovos, óleo e baunilha. Adicionar a farinha, aveia, bicarbonato e canela (previamente misturadas) e mexer bem. Juntar a maçã e deitar numa forma untada.

Levar ao forno por cerca de 40 minutos. Verificar a cozedura com um palito.

 

Seg | 14.05.12

de regresso

Com a chegada da chuva, mais abundante, os espinafres têm crescido bastante e o que era um pezinho solitário e moribundo é agora uma planta muito frondosa de onde quanto mais folhas se tiram mais se reproduz!

 

Quiche de Espinafres e Pistachos 

 

 

Massa:

50 grs de farinha de grão de bico

50 grs de farinha de trigo sarraceno

20 grs de flocos de aveia moídos

130 grs de Farinha de trigo integral

¼ de copo de azeite

½ copo de água bem fria

 

Recheio:

1 molho de espinafres

3 dentes de alho esmagados

1 colher de sopa de azeite

Sal e pimenta q.b.

3 ovos

¼ de copo de iogurte natural (usei do grego)

1 copo de leite

75 grs de queijo Feta

25 grs de pistachos

 

Massa:

Misturar as farinhas numa taça, fazer um buraco no meio e deitar aí o azeite e a água. Envolver toda a farinha no líquido até se despegar das paredes, fazer uma bola e reservar.

 

Recheio:

Saltear os espinafres no azeite com os alhos e uma pitada de sal e pimenta, apenas por três ou quatro minutos. Escorrer a água que se formou.

Bater os ovos com o iogurte e o leite. Adicionar o queijo Feta esfarelado e misturar os espinafres.

 

Estender a massa com um rolo até ficar bem fina. Pôr a massa na tarteira e recortar o excesso. Deitar a mistura dos ovos e espinafres sobre a massa e por cima espalham-se os pistachos cortados em bocadinhos.

Vai ao forno médio por 20 minutos.

Servir com uma salada.

 

Nota: O recheio não leva sal porque o queio Feta já é bastante salgado.

 

Sex | 04.05.12

é a época!

Os morangos são uma fruta que nunca me disse muito, a não ser ao natural, acabadinhos de apanhar. Mas de vez em quando vejo uma receita que leva morangos e fico curiosa, lá tenho de experimentar.

Ainda por cima se nos dão um saco deles, bem maduros e a precisar de ter uso rápido para não se estragarem, como foi o caso.

Experimentei uma receita da Martha Stewart que vi aqui.

 

Bolo de Morangos 

 

 

85 grs de manteiga (usei Becel Cozinha)

1 e ½ copos de farinha

1 e ½ colheres de chá de fermento em pó

½ colher de chá de sal

¾ de copo de açúcar

2 colheres de sopa açúcar (de preferência mascavado)

1 ovo grande

½ copo de leite

1 colher de chá de extracto de baunilha

450 grs de morangos cortados ao meio

 

Aquecer o forno. Untar uma forma redonda, pode ser de tarte.

Peneirar a farinha, fermento e sal para uma taça.

Bater a manteiga com o açúcar até ficar esbranquiçado, à mão ou com a batedeira. Misturar o ovo, o leite e a baunilha. Adicionar a farinha, devagar para não espalhar.

Deitar a massa na forma e cuidadosamente põem-se os morangos sobre a massa (o lado cortado para baixo). Polvilhar com as duas colheres de sopa de açúcar (mascavado ou amarelo mas do normal também serve).

Levar ao forno até estar dourado e fofo (a receita original fala em uma hora mas no meu demorou apenas 40 minutos).

Deixar arrefecer e servir.

 

Nota: Não sei por alma de quem mas os morangos no meu bolo desceram e não ficaram assim lindos ao de cima como na receita que vi…

 

Qui | 03.05.12

salgadinhos

Agora numa versão completamente diferente mas mesmo assim BISCOITOS!!!

Salgados, para acompanhamento de queijos, patés ou mesmo sozinhos a acompanhar uma sopa.

 

Biscoitos de Azeitonas

 

 

50 grs de azeitonas pretas cortadas em bocados pequenos

1 e ¼ copos de farinha

½ colher de chá de bicarbonato de sódio

1 pitada de sal

1 colher de chá bem cheia de pimenta preta moída

140 grs de manteiga

1 colher de chá de açúcar

1 gema de ovo

 

Numa taça mistura-se a farinha com o sal, o bicarbonato e a pimenta. Reservar.

Bater a manteiga com o açúcar e a gema de ovo. Misturar os ingredientes secos de modo a ficar uma massa maleável mas sem se pegar às mãos. Adicionar os bocadinhos de azeitona,

Moldar a massa num rolo com 5 cms de largo e envolver com película aderente. Levar ao frigorífico pelo menos por uma  hora (ou até uma semana).

Quando for para fazer os biscoitos, aquece-se o forno e corta-se o rolo em rodelas com cerca de 1 cm.

Vão ao forno num tabuleiro por 10 a 15 minutos (quanto mais tempo estiverem no forno mais crocantes ficam).

Passar para uma rede para arrefecer completamente.

 

Nota: receita encontrada aqui.

 

Qua | 02.05.12

Perishable thoughts

 

Dia da Maia

 

Ontem foi dia da Maia. Não sei se é costume ser celebrado em todo o país ou se é mais no norte mas por cá há a tradição de pôr ramos de giestas nas portas e entradas das casas (e mais recentemente também nos carros) na noite de 30 de Abril para 1 de Maio.

Este costume ancestral prende-se com o desejo de afastar os maus espíritos e é um regalo ver as casas todas com ramos de giestas (a mais utilizada porque costuma florir por esta altura) ou, em casas mais abastadas, uma coroa feita de flores.

Durante todo o mês de Maio, esta é a Maia que vai estar a enfeitar a minha casa.

 

Ter | 01.05.12

ovinhos

Às vezes há receitas que vejo e: Tenho mesmo que experimentar esta! E depois experimento e fico muito feliz porque afinal acabou por ser ainda melhor do que o que eu imaginava e a minha vida nunca mais vai voltar a ser a mesma depois disso!!!

Ou então não é nada disso mas fico feliz na mesma porque uma receita com ovos… só pode ser maravilhosa.

 

Ovos no Pão

 

(antes de ir ao forno) 

 

4 pãezinhos redondos

8 azeitonas

Espinafres salteados

50 grs de queijo Feta

4 ovos

Azeite

Pimenta fresca

 

Retirar uma tampa em cada pão e remover o miolo do interior (reservar para outro uso).

Salpicar com um fio de azeite a parte de dentro do pão e as tampas e polvilhar com pimenta moída. Colocar as azeitonas cortadas em bocadinhos, os espinafres, o queijo Feta esfarelado. Por cima põe-se um ovo e polvilha-se com bastante pimenta.

Põem-se os pães e as tampas num tabuleiro forrado com folha de alumínio e leva-se ao forno até ficar no ponto desejado, cerca de 15 a 20 minutos. A meio pode-se tapar com mais folha de alumínio para não tostar demais.

 

Nota: Podem ser usados outros ingredientes para fazer o recheio dos pães como fiambre, outro tipo de queijo, curgetes ou cogumelos salteados, tomate, pimentos, etc. Pode ser usado queijo de cabra em vez do queijo Feta.

 

(hmmmmmm)