Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Seg | 28.02.11

boas descobertas

A primeira vez que dei com o blogue Cinco Quartos de Laranja, andava à procura de uma receita com laranjas.

E, para além do nome, que é também o de um livro de que gostei muito, descobri uma receita que passou a fazer parte muito assídua da minha mesa e que de tão simples dá vontade de perguntar: porque é que eu não pensei nisto antes???

 

A receita de hoje é para comemorar o seu quinto aniversário.

Tem apenas 5 ingredientes, como foi pedido, mas é um autêntico anti-depressivo em forma de doce.

 

Banoffee Pie (Tarte de Banana e Caramelo)

 

 

200 grs de bolacha

80 grs de margarina

1 lata de leite condensado cozido

2 bananas

25 grs de amêndoa torrada ralada

 

Picar as bolachas na picadora. Adicionar a margarina amolecida e colocar no fundo de uma tarteira com fundo amovível.

Por cima dispõem-se rodelas finas de banana que se tapam com o leite condensado cozido (deve ser retirado da lata e batido com uma colher de pau para ficar mais cremoso).

Polvilhar com a amêndoa ralada.

 

Notas:

Usei bolacha Maria Fibra Integral e margarina Becel Cozinha (não sei a quem queria enganar já que o leite condensado arrasa qualquer hipótese de sobremesa leve mas enfim…)

A amêndoa foi tostada e ralada com a pele

 

 

Sex | 25.02.11

da arca

Uma das coisas boas de cultivar uma horta é que quando as coisas estão a produzir no seu ponto alto, podemos guardar para quando não há, ou para quando são mais caras.

No caso das courgetes, toda a gente sabe que quando dão, DÃO!!! E quando isso acontece aproveito para congelar para usar mais tarde.

No ano passado, além de congelar para sopa e para bolos (aos bocados e raladas, respectivamente) congelei também em rodelas fininhas para mais tarde usar em tartes.

Para congelar desta maneira, e para as rodelas não ficarem todas juntas num bloco, congelei em tabuleiros, rodela a rodela, e quando estava congelado (em menos de uma hora) guardei em sacos de plástico e sem o perigo de as rodelas voltarem a colar e poderem ser usadas da maneira desejada.

 

Quiche de Courgete e Mozarella

 

  

1 base de massa quebrada

3 dentes de alho

1 courgete grande ou 2 pequenas

1 bola de queijo mozarella fresco

1 colher de chá de orégãos

3 ovos

1 iogurte natural

1 dl de natas de soja

1 dl de leite

sal

pimenta fresca

 

Cortar a courgete em rodelas fininhas. Saltear as rodelas de courgete em azeite e alho. Reservar.

Numa taça batem-se os ovos com o iogurte, as natas e o leite. Tempera-se de sal e pimenta fresca e com os orégãos. Cortar a bola de mozarella em rodelas.

Estender a massa na tarteira.

(Na foto podem ver que também tem o papel que envolve a massa quando a compramos. É uma maneira excelente de não ter que untar a forma porque este papel é anti-aderente e além disso ajuda a retirar a tarte da forma, basta levantar pelas pontas)

No fundo da tarteira espalham-se as rodelas de courgete e bocadinhos de alho. De onde em onde espalham-se também as rodelas de queijo. Por cima deita-se o creme dos ovos e iogurte.

Leva-se ao forno por 25 a 30 minutos, até apresentar um aspecto douradinho.

 

Qui | 24.02.11

high expectations...

Há séculos que andava com vontade de experimentar Osso Buco!

Nunca tinha comido e tinha grandes expectativas acerca do dito.

Experimentado que está, foram maiores as expectativas do que o resultado...

Mas aqui fica a receita, adaptada de uma encontrada no site Chocolate and Zuchini 

 

 Osso Buco

 

 

2 colheres de sopa de azeite
2 colheres de sopa de farinha
2 bifes de osso buco
sal e pimenta
2 dentes de alho picados
2 cebolas picadas
3 tomates cortados em pedaços
1 folha de louro

1 raminho de salsa
1 haste de tomilho
1 copo de vinho branco
1 copo de caldo de carne
raspa de um limão

 

Passar os bifes por farinha e sacudir o excesso.

No fundo de uma panela de pressão aquece-se o azeite e alouram-se os bifes dos dois lados. Temperam-se de sal e pimenta e adicionam-se à panela os restantes ingredientes, excepto a raspa de limão.

Tapar a panela de pressão e deixar levantar fervura. Depois de levantar fervura, reduzir o lume deixar cozer por 30 minutos.

Desligar o lume e deixar que a pressão baixe. Retirar a tampa, polvilhar o estufado com raspa de limão e mexer bem.

Servir com arroz branco ou massa cozida.

 

Notas:

A carne ficou muito saborosa e o molho é muito bom mas a textura desta carne não era a melhor.

Receita a experimentar novamente mas com carne para estufar.

 

Qua | 23.02.11

pastas de barrar

A cavala é um peixe baratíssimo e para quem aprecia sabores fortes, este paté é mesmo delicioso.

Quem não quiser ter o trabalho de preparar a cavala como nesta receita, já se vendem filetes da mesma em conserva.

Fica igualmente bom porque já experimentei das duas maneiras.

 

Paté de Cavala

 

 

1 cavala

2 colheres de sopa de azeite

1 raminho de salsa

1 talo de aipo

2 colheres de sopa de iogurte natural

2 colheres de sopa de maionese

2 colheres de sopa de mostarda

sal

pimenta

 

Retirar os lombos à cavala e fritar num pouco de azeite. Deixar arrefecer.

Desfiar o peixe retirando todas as peles e espinhas. Esmigalhar com um garfo para desfazer bem.

Numa taça mistura-se a cavala desfeita com salsa e aipo picados. Junta-se o iogurte, a maionese e a mostarda e mexe-se bem. Tempera-se com sal e pimenta.

Serve-se fresco com tostas, gressinos e fatias de pão.

 

Nota: o iogurte dá um toque mais cremoso ao paté que também fica menos calórico

 

Ter | 22.02.11

batatinhas forno

O que eu gosto de batatas!!! E de arroz!!! E de massa!!!

Mas estas batatas, feitas segundo uma receita de uma revista de supermercado inglesa (Safeway ou Somerfield, já não me lembro) são mesmo especiais.

Pronto, ficam com um ar de quem lhe correu mal alguma coisa mas são mesmo super saborosas. 

 

Batatinhas Tostadas no Forno

 

 

Batatas brancas

Sal

Azeite

 

Escolher batatas que sejam farinhentas.

Descascam-se cortam-se em bocados grandes. Cozem-se em água e sal por 8 minutos.

Entretanto põe-se um tabuleiro no forno quente com azeite no fundo para ir aquecendo.

Retirar as batatas do lume e escorrer. Ainda dentro do tacho, com a tampa, dá-se umas abanadelas ao tacho para que as batatas fiquem um bocadinho amassadas. Deitam-se sobre o azeite que já está bem quente no tabuleiro e vão ao forno por 30 minutos, retira-se o tabuleiro do forno, voltam-se as batatas para tostar do outro lado e levam-se novamente ao forno por mais 15 a 20 minutos.

Ficam criminosamente boas. Não se deixem enganar pelo aspecto...

Excelentes para acompanhar carnes.

 

Seg | 21.02.11

do melhor...

Simples de fazer e no entanto com um sabor que não fica a dever nada a pratos bem mais elaborados.

 

 Camarões com Gengibre e Lima

 

(para duas pessoas)

 

Marinada:

1 pedaço de gengibre ralado

1 colher de sopa de azeite

sumo de uma lima

raspa de uma lima

2 colheres de sopa de molho de soja

250 grs de camarão descascado

 

1 colher de sopa de óleo de sésamo

1 colher de sopa de azeite

1 dente de alho grande esmagado

 

Esparguete cozido q.b.

 

Numa taça misturam-se os ingredientes da marinada. Deixam-se ganhar gosto por uma hora, pelo menos, mas pode estar mais tempo.

Aquecer o óleo de sésamo e o azeite num wok ou numa frigideira. Juntar o dente de alho e fritar sem deixar queimar.

Adicionar os camarões (escorrer ligeiramente a marinada) e fritar, este passo é rápido já que bastam 4 ou 5 minutos para que os camarões fiquem cozinhados. Junta-se a massa cozida, vai bem com esparguete ou com massa chinesa. Envolve-se bem e serve-se.

 

Sex | 18.02.11

portátil

Os pudins são uma das sobremesas mais fáceis de transportar e podem ser feitos com um dia ou dois de antecedência.

Na dúvida sobre o que levar para algum almoço ou jantar para onde fomos convidados, os pudins são sempre uma garantia de sucesso.

Ou seja: é preciso ter duas mãos esquerdas para estragar um pudim... digo eu... 

 

 Pudim de Canela

 

 

5 ovos

2 colheres de sopa de açúcar por cada ovo

Raspa de uma laranja grande

1 colher de sopa de canela

750 ml de leite

 

200 grs de açúcar

2 colheres de sopa de água

 

Fazer o caramelo: misturar 200 grs de açúcar com 2 colheres de sopa de água e levar a lume brando até ficar dourado. Forrar uma forma de pudim com este caramelo.

Mexer todos os ingredientes do pudim, deitar na forma forrada com o caramelo, tapar e levar ao lume dentro de um tacho com água a ferver, mais ou menos até meio da forma.

Deixar cozer por uma hora. Retirar do tacho, deixar arrefecer e guardar no frigorífico, de preferência até ao dia seguinte.

Desenformar e servir.

 

Qui | 17.02.11

mitos

Esta é uma receita recorrente... sim, vamos desmistificar a coisa: o pessoal que escreve blogues de culinária também repete receitas!!! 

Embora na maioria das vezes estejamos a pensar na próxima novidade, há imensas receitas a que voltamos porque, ou são boas, ou são fáceis de fazer, ou lá em casa todos gostam, ou mesmo porque não há tempo para procurar uma nova e aquela até saíu bem da outra vez.

Neste caso é mesmo porque é mesmo muito boa.

 

Coelho em molho de alho

  

 

1 kg de coelho

1/4 de copo de farinha

1 dl de azeite

10 dentes de alho

1 copo de vinho branco

1 folha de louro

1 haste de tomilho

sal e pimenta fresca

1 colher de chá de pimentão doce

 

Cortar o coelho em bocados pequenos (cerca de 10 bocados). Passar por farinha e sacudir o excesso.

Num tacho aquece-se o azeite e alouram-se os bocados de coelho. Junta-se os dentes de alho e deixam-se alourar ligeiramente. Deitar o vinho sobre o coelho e mexer. Adicionar a folha de louro e o tomilho e temperar de sal e pimenta a gosto.

Reduzir o lume para o mínimo e deixar cozer por cerca de 45 minutos. Se for necessário, junta-se um bocadinho de água para manter o molho.

Quando cozido, retirar do tacho e polvilhar com pimentão doce.

Servir com puré e esparregado.

 

Nota:

Os dentes de alho acabam por se desfazer com a cozedura deixando o molho muito cremoso

 

Qua | 16.02.11

cool gadgets

Isto é uma espécie de conta-gotas gigante.

Serve para retirar molho do tabuleiro no forno e borrifar sobre o que estiver a assar. Em vez de colheres que por vezes tornam a tarefa de retirar molho difícil, este basta ter um bocadinho do tabuleiro livre para poder ficar cheio de molho.

Para isso basta apertar a parte de cima, que é em borracha, exactamente como se faz com os conta-gotas. Depois é só deixar cair o molho sobre o que está a assar.

 

Certo, não é nada sem o qual não possamos viver.

Mas, em tendo, usa-se.

 

Americanices... 

  

 

 

 

 

 

 

 

Ter | 15.02.11

inverno a rigor

Com o tempo invernoso, apetecem sabores mais fortes e reconfortantes em que a digestão se faz em frente à lareira, talvez acompanhada de uma soneca ou duas...

A feijoada é um desses pratos e com um sabor bem forte, a pedir a companhia de um bom vinho tinto.

Neste caso Trás-os-Montes encontrou-se com o Alentejo já que o vinho escolhido foi um Conventual, de Portalegre.

 

Feijoada à moda Transmontana

 

 

1 cebola grande

2 dentes de alho

1 dl de azeite

400 grs de carne de porco

Sal q.b.

1 copo de vinho branco

1 folha de louro

1 raminho de salsa

1 malagueta

2 cenouras

800 grs de feijão cozido

400 grs de couve lombarda

1 farinheira

1 morcela

1 chouriço de carne  

1 copo de água

 

Alourar os alhos e cebolas em azeite. Juntar a carne de porco cortada em bocados (usei mistura de pá e entremeada). Deixar alourar e adicionar o sal, o vinho, o louro e a salsa e o piripiri.
Corta-se a cenoura em rodelas e adiciona-se ao refogado com um copo de água. Deixa-se levantar fervura, tempera-se a gosto e juntam-se os feijões previamente cozidos, podem ser de lata, e a couve cortada em bocados. Usei uma mistura de couve lombarda e portuguesa.
À parte cozem-se os enchidos que, depois de cozidos, se cortam em rodelas grossas e se juntam à feijoada. Deixar apurar bem os sabores e servir com arroz branco.

 

Seg | 14.02.11

flan de abóbora

Ainda a gastar as abóboras do ano passado, esta receita pareceu-me fácil de fazer e o resultado final não fica excessivamente a saber a abóbora por isso é uma boa opção para coisas mais ou menos saudáveis (ai as natas...) mas com um sabor muito bom.

Além disso deve contar como uma porção de verdura, das que devemos comer cinco ao dia... {#emotions_dlg.blink}

 

Pudinzinhos de Natas e Abóbora

 

 

1 copo de puré de abóbora

2 ovos inteiros

1/2 copo de açúcar castanho

1/2 copo de natas

1 colher de chá de canela

1/2 colher de chá de allspice (opcional)

1 colher de chá de baunilha

1 pitadinha de sal

 

Aquecer o forno.

No microondas aquecer as natas e deixar arrefecer.

Numa taça bater os ovos com o açúcar castanho. Adicionar as natas que devem estar mornas ou frias, devagar e batendo sempre. Juntar a canela, allspice, baunilha e sal e mexer bem. A este creme junta-se o puré de abóbora e envolve-se. Deve ficar uma mistura cremosa.

Deitar em ramequins ou numa forma grande e levar ao fono num tabuleiro com água a ferver. Deve cozer por cerca de 30 minutos, verificar ao fim de 20 minutos.

Deixar arrefecer e servir.

 

Notas:

A abóbora é cozida em pouca água e escorrida. Depois esmaga-se com um garfo.

Não queimei os pudins com açúcar por cima (na foto parece mas não é, é uma espuminha que formou ao cozer)

 

Sex | 11.02.11

self-sauce...

Tenho andado vidrada em pudins com 'auto-molho' {#emotions_dlg.happy}

Estes então, são sem palavras!!!

 

Pudins de Gengibre

 

 

100 grs de manteiga

1 colher de sopa de gengibre fresco ralado

200 grs de açúcar amarelo

2 ovos

100 grs de farinha

1 copo de água a ferver

 

Aquecer o forno a 180ºC.

Derreter a manteiga numa caçarola. Retirar do lume e adicionar o gengibre ralado e metade do açúcar amarelo (100 grs).

Adicionar os ovos, um de cada vez, mexendo bem.

Juntar a farinha sem mexer muito.

Dividir a massa por formas individuais (ramequins ou outras).

Numa taça juntar o açúcar amarelo que resta (100 grs) com a água a ferver.

Deitar sobre a massa que está nas formas e levar ao forno num tabuleiro com água a ferver.

Deixar cozer por 25 a 30 minutos. Por volta dos 20 minutos de cozedura convém começar a verificar se os pudins já estão cozidos. Não se deve deixar cozer demais pois a parte de baixo tem que ficar em molho.

 

Notas:

Para quem gostar de um sabor mais forte a gengibre (EU!!!) pode-se juntar ao açúcar e à água a ferver mais uma colher de gengibre, neste caso em pó. Juntei uma colher de chá.

Ultimamente tenho usado Becel Cozinha nos meus cozinhados e não noto diferença (talvez menos sal, o que até é bom)

Receita daqui. Podem fazer download gratis do e-livro de receitas '5 ingredients Simple Baking'.

 

Qui | 10.02.11

esparregado

Esta é a época certa para usar e abusar de verduras. As nabiças e os grelos estão no seu esplendor nesta altura do ano e normalmente um molho comprado na praça dá para fazer de várias maneiras, o que é preciso é decidir como. 

 

Esparregado de Nabiças

 

 

1 molho de nabiças

3 dentes de alho

3 colheres de sopa de azeite

1 colher de sopa de vinagre

1 colher de sopa mal cheia de farinha

1 gema de ovo

 

Cozer as nabiças em água temperada com sal até estarem tenras.

Escorrer bem e picar na picadora de modo a ficar uma pasta.

Levar uma frigideira ao lume com o azeite e os dentes de alho. Alourar e misturar as nabiças picadas. Deixar fritar por 3 minutos e juntar o vinagre e a farinha. Mexer bem e adicionar a gema de ovo. Envolver bem.

Servir.

 

Qua | 09.02.11

velhas receitas

Esta receita parece dar muito trabalho mas na realidade é até bem fácil de fazer. É mesmo daqueles pratos que se não experimentamos devíamos ter que prestar contas sobre a razão porque não o fizemos.

A sério! 

Costeletas com molho no forno 

 

 

6 costeletas de porco

 

2 cebolas grandes

 

3 talos de aipo

 

1 laranja

 

1 limão

 

Caldo de carne

 

1 colher de chá de pó de caril

 

3 colheres de sopa de farinha

 

Sal

 

Azeite para fritar

 

1 dl de natas espessas

 

Picar muito finamente as cebolas (devem ficar muito miudinhas para melhor se dissolverem no molho).

 

Alourar em azeite, em lume brando juntamente com o aipo cortado também em rodelas muito fininhas. Entretanto retira-se um bocado de casca da laranja mas apenas o vidrado, cerca de 5 cms2, corta-se em juliana muito fininha e depois novamente para ficar com uns pedacinhos mínimos, quase raspa (este é um trabalho de paciência!). Junta-se estes bocadinho mínimos de casca de laranja ao refogado.

 

Entretanto liga-se o forno.

 

Numa frigideira larga alouram-se as costeletas num bocadinho de azeite, não é para ficarem completamente cozinhadas, apenas alouradas.

 

Numa caneca dissolve-se o sal e o caril em pó no caldo de carne, talvez uns três decilitros. Junta-se a farinha ao refogado das cebolas e mexe-se juntando o caldo de carne com o sal e o caril misturados. Mexe-se bem para criar uma espécie de molho bechamel.

 

Num tabuleiro põem-se as costeletas no fundo e cobrem-se com este molho espesso. Vai ao forno por cerca de 30 minutos. Ao fim deste tempo, espalham-se as natas sobre o tabuleiro e mexe-se ligeiramente para misturar.

 

É nesta altura que se prova e se necessário, adicionam-se umas gotinhas de sumo de limão. Vai novamente ao forno por mais uns 5 minutos. 

 

Excelente servido com um esparregado de nabiças e arroz branco.

 

Ter | 08.02.11

belo peixe

Na praça, ao sábado, há sempre muito peixe fresquinho. O carapau costuma ser da Póvoa de Varzim e tem sempre um aspecto apetecedor, quer seja do pequeno para grelhar ou do maior para fritar às postas ou para assar no forno. Que foi a opção desta vez.

 

Carapaus assados no forno

  

 

2 carapaus grandes, amanhados

1 cebola cortada em meias luas

2 dentes de alho cortados em palitos

1 dl de massa de tomate

2 dl de vinho branco

2 dl de água

2 colheres de sopa de molho de peixe (nam pla)

2 dl de azeite

sal e pipri-piri q.b.

Batatas cozidas com a pele

 

Num tabuleiro põem-se as meias luas de cebola e os palitos de alho. Por cima dispõem-se os carapaus e à volta destes as batatas cozidas com a pele e cortadas ao meio.

Numa taça mistura-se a massa de tomate, o vinho, a água e o molho de peixe. Junta-se o sal e o piri-piri e mexe-se bem. Deita-se esta mistura sobre os carapaus e batatas. Por cima deita-se o azeite.

Vai ao forno bem quente por cerca de 30 minutos até estar dourado.

Acompanhar com legumes cozidos.

 

Sex | 04.02.11

vitamina C

Ainda na senda de sabores cítricos, rondei o blog Pastry Studio, onde todas as receitas me parecem excelentes e por isso a escolha é mais difícil. Mas, já que estamos em fase de consumir vitamina C, esta foi, desta vez, a escolhida.

Mas em vez da cobertura de chocolate e cardamomo, optei por uma calda, também com ligeiro sabor a cardamomo.

 

Bolo de Laranja com Calda

 

 

Bolo:

100 grs de manteiga

¾ de copo de açúcar

Raspa de 2 laranjas

2 ovos

1 e ½ copos de farinha

1 colher de chá de fermento em pó

½ colher de chá de bicarbonato de sódio

½ colher de chá de sal

½ copo de buttermilk

¼ de copo de sumo de laranja

1 colher de sopa de sumo de limão

½ colher de chá de baunilha

 

Calda

1 copo de água

½ copo de açúcar

Raspa e sumo de 1 laranja

1 vagem de cardamomo

 

Aquecer o forno e untar uma forma redonda.

Numa taça juntar a farinha, o fermento, o bicarbotado e o sal.

Noutra taça misturar o buttermilk, os sumos de laranja e limão e a baunilha.

Na batedeira bate-se o açúcar e a manteiga por cerca de 3 minutos. Adiciona-se a raspa da laranja e os ovos, um a um.

Juntar a mistura da farinha alternada com a mistura do buttermilk, um bocado de cada vez, terminando com a farinha.

Deitar a massa na forma e levar ao forno por cerca de 25 minutos, testar a partir dos 20.

Retirar do forno e deixar arrefecer na forma por 10 minutos. Depois desenforma-se e deixa-se arrefecer completamente.

Entretanto faz-se a calda: misturam-se todos os ingredientes numa caçarola e levam-se ao lume. Deixa-se ferver por 10 minutos.

Deita-se a calda sobre o bolo entretanto picado com um palito.

 

Notas:

buttermilk: para 1/2 de copo de leite misturamos 1 colher de chá de vinagre e deixamos repousar cinco minutos. Depois é só utilizar conforme a receita.

 

Qui | 03.02.11

decisões, decisões

Tenho um livro que tem 450 receitas que levam frango. A sério, é um manancial de receitas em que o ingrediente principal é o frango.

Só não tem sobremesas {#emotions_dlg.happy} 

 

Depois de o folhear no outro dia para escolher uma receita, acabei por desistir. Era muita oferta e tornou-se muito difícil tomar decisões...

Acabei por 'inventar' qualquer coisinha que se mostrou um prato excelente. Não se deixem enganar pela quantidade de ingredientes, não são assim tantos e vale mesmo a pena.

 

Tagliatelle Verde com Peitos de Frango, Cogumelos e Beringelas

  

 

1 beringela grande

1 alho francês

azeite

4 peitos de frango

sal

pimenta

tomilho ou orégãos

1 embalagem de cogumelos portobello

1 dl de vinho moscatel

2 dl de natas

2 dl água

8 ninhos de tagliatelle de espinafres

 

Cozer a massa. Ligar o forno.

Cortar a beringela  às rodelas e grelhar ligeirmente numa frigideira untada com azeite. Deve dar 16 rodelas. Reservar.

Cortar o alho francês às rodelas e depois voltar a cortar para ficar em bocadinhos. Alourar em azeite. Juntar os peitos de frango cortados em bocados grandes e temperar com sal, pimenta e tomilho ou orégãos. Alourar dos dois lados, retirar da frigideira e reservar.

Na mesma frigideira salteiam-se os cogumelos cortados em quartos (ou mais pequenos se eles forem grandes). Junta-se o moscatel e deixa-se evaporar. Tempera-se de sal e pimenta e adicionam-se as natas e a água (a água deve ser a de cozer a massa, ajuda a engrossar).

Prepara-se o tabuleiro para levar ao forno:

No fundo metade das rodelas de beringela. Sobre a beringela a massa cozida. Por cima da massa os peitos de frango e bocadinhos de alho francês e as restantes rodelas de beringela. Cobrir tudo com o molho de cogumelos.

Vai ao forno por 15 a 20 minutos, apenas para apurar os sabores.

 

Notas:

DELICIOSO!!! 

 

Qua | 02.02.11

cool gadgets

Brrr.... que quentinho!!!

Esta é mais uma daquelas peças... usei umas vezes, pela piada. Já tem uns anos valentes lá por casa, oferecida por uma cunhada.

Até parece que foi feita de propósito para o bule em questão, bem antigo, já meio lascado e que também nunca uso porque o chá para mim é mais saqueta na caneca (ei, até parece o nome de um samba...). 

A utilidade deste abafador é que mantém o bule quentinho entre tomas, aquela coisa de que nunca se bebe só uma chávena de chá e na segunda o chá já está quase frio... aqui não se passa porque o abafador é como se fosse um edredonzinho a envolver o bule.

Catita, hã??? 

 

Abafador de Bule

 

Ter | 01.02.11

chinesices

Já aqui disse que onde vivo nem um restaurante chinês existe. Mas como de vez em quando apetece mesmo daquela comida diferente, toca a arregimentar alguns ingredientes que andam lá por casa, à espera de vez!  

 

Massa Chinesa com Cogumelos

 

 

2 colheres de sopa de 'óleo de wok'

1 alho francês

1 embalagem de cogumelos frescos fatiados

2 colheres de sopa de molho de soja

1 colher de sopa de molho de ostras (opcional)

1 colher de chá de vinagre de arroz mirin

1 colher de chá de maizena

3 colheres de sopa de água

1 embalagem de massa chinesa (noodles)

 

No wok aquece-se o óleo e salteia-se o alho francês cortado em rodelas finas. Adicionam-se os cogumelos e temperam-se com a soja, o molho de ostra e o vinagre mirin. Deixa-se refogar por uns minutos.

(Entretanto coze-se a massa chinesa em água sem sal, demora apenas 4 minutos a cozer após levantar fervura.)

Mistura-se a farinha maizena com a água e põe-se sobre os cogumelos. Mexe-se deixa-se engrossar ligeiramente. Deixa-se ferver mais um minuto e está pronto a servir.

 

Notas:

óleo de wok: mistura de óleos de girassol e de sésamo com alho e gengibre (comprei no Lidl)

molho de ostras: à venda em hipermercados

vinagre mirin: vinagre japonês de arroz (pode ser substituído por vinagre de cidra)