Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Seg | 31.01.11

traduções que se perdem

Há qualquer coisa de melodioso no nome desta receita que se perde com a tradução: Lemon self-saucing pudding

Pudim de limão com auto-molho...  nã, não me convence.

Mais uma receita ganhadora.

 

Bolo Pudim de Limão

 

 

50 grs de manteiga

200 grs de açúcar

raspa de um limão

100 ml de sumo de limão

3 ovos (separar gemas das claras)

50 grs de farinha

250 ml de leite

açúcar em pó para polvilhar

 

Aquecer o forno a 180ºC.

Na batedeira bater a manteiga com o açúcar e a raspa de limão até obter um creme pálido.

Juntar o sumo de limão e as gemas, a farinha e o leite, um ingrediente de cada vez até obter uma massa cremosa.

Bater as claras em castelo e adicionar à massa anterior envolvendo bem.

Deitar em forminhas untadas com manteiga (ou numa forma ou pyrex grandes) e colocar num tabuleiro com água a ferver. A água deve chegar a meio das formas.

Cozer por 40 minutos. Verificar a partir dos 25/30 para que não fique cozido demais pois a ideia é que a base fique bem cremosa.

Polvilhar com açúcar em pó e servir quente ou frio.

Sex | 28.01.11

mais um bolo de maçã

Devo ter sido encantada por alguma fada-madrinha que me deu a tarefa de procurar para sempre a melhor receita que leve maçã.

Só assim consigo explicar porque é que, mesmo depois de ter experimentado imensas receitas que levam maçã e que adoro, continue a achar que a próxima ainda vai ser melhor. 

Há quem também lhe chame pancada... opiniões.

 

Esta (mais uma, eu sei) veio daquiTem uma textura que parece uma mistura entre pudim e tarte.

A sua origem é uma zona de Itália chamada Bolzano, perto da Áustria. 

 

Bolo de Maçã de Bolzano

  

 

100 grs de manteiga

1 vagem de baunilha

raspa de meio limão

sumo de um limão

1/2 copo de farinha

2 ovos

3/4 copo de açúcar

4 maçãs Granny Smith médias

2 colheres de chá de fermento

1/2 copo de leite

 

Aquecer o forno.

Untar uma forma com uma boa dose de manteiga e polvilhar com farinha.

Derreter a manteiga numa caçarola. Cortar a vagem de baunilha ao alto e raspar as sementes com uma faca. Juntar as sementes e a vagem de baunilha à manteiga. Continuar com a manteiga ao lume, muito baixo, por mais uns minutos e apagar o lume. Deixar arrefecer.

Numa taça põe-se o sumo de limão, a raspa do limão e as maçãs descascadas e cortadas em meias luas finas. Mexer e reservar.

Peneirar a farinha e o fermento em pó (uso um coador).

Na batedeira batem-se os ovos com o açúcar até triplicar de volume. Retira-se a vagem de baunilha da manteiga e adiciona-se a manteiga, sempre a bater, aos ovos. Juntar uma parte da farinha e metade do leite e repetir até acabar esses ingredientes, finalizando com a farinha.

Juntar à massa as maçãs, envolver bem e deitar na forma.

Cozer por cerca de 40 minutos, tapar com papel de alumínio a meio da cozedura para não tostar demais.

Retirar do forno e deixar arrefecer.

 

Notas:

Não usei maçãs Granny Smith (usei Golden, Starking e Royal Gala).

Substituí uma das maçãs por ruibarbo.

Depois de usada, a vagem de baunilha pode voltar para o açucareiro pois o seu aroma não se esgotou numa utilização.

 

Qui | 27.01.11

bifanas com twist

Ora aqui está uma sugestão, para os lanches ajantarados de fim de semana ou para quando apetecer. Muito fácil de fazer e o segredo é mesmo ter um pão fresquinho e estaladiço e uma bela cervejinha para acompanhar.

 

Bifanas com Alho e Gengibre

 

 

4 bifanas

2 dentes de alho

gengibre fresco

sal

piri-piri

azeite qb

 

No fundo de um tachinho põe-se o azeite, os alhos cortados em palitos e mais ou menos a mesma quantidade de gengibre cortado também em tirinhas. Por cima põem-se as bifanas, salpicam-se de sal e piri-piri. Tapa-se o tacho e leva-se a lume brando para estufar lentamente. Ao fim de 30 minutos verificar a cozedura.

Servir em pão fresco.

 

Nota: Como decidi fazer bifanas de repente, as que tinha estavam congeladas mas fiz na mesma. Ficaram super saborosas.

 

Qua | 26.01.11

cool gadgets

Este hmmm... coiso..., nem sei o nome dele, é mais um dos utensílios que me ofereceram.

Serve para cortar coisas em fatias certinhas o que às vezes dá muito jeito. É uma espécie de tenaz larga que se põe à volta do que queremos cortar - lombo, pão, etc. - e com a faca corta-se pelos intervalos.

Vale a pena comprar de propósito? Não!

Mas, se o temos (e, muito importante!, se nos lembrarmos que o temos) dá jeito. 

 

 

  

 

  

 

 

Ter | 25.01.11

língua de palmo...

Eu sei que não é consensual mas a língua é para mim uma das partes favoritas dos animais.

Pronto, posto assim não parece nada bem mas é verdade. Tem uma textura que me agrada muito, ao contrário do fígado que não suporto de modo nenhum (talvez em paté, muito bem disfarçado...).

Além disso é uma carne baratíssima e dá para uns belos preparados. Lá está, se calhar é barata porque ninguém lhe liga mas experimentem se nunca comeram porque vão ser surpreendidos.

 

Língua de Porco Estufada 

 

 

3 línguas de porco

1 cebola grande picada

2 dentes de alho picados

3 tomates grandes, bem maduros

2 malaguetas de piri-piri

1 raminho de salsa

1 dl de vinho branco

1 dl de água

1 dl de azeite

sal

 

No fundo de um tacho largo põem-se a cebola e os alhos picados. Por cima o tomate em pedaços (usei congelado), as malaguetas e o raminho de salsa.

Adiciona-se o vinho misturado com a água e salpica-se de sal. Por cima de tudo põe-se o azeite.

Leva-se a estufar, tapado, por uma hora. Verificar o molho e se for necessário deve-se juntar mais um bocado de água.

Se for possível, não mexer com colher, deve-se apenas abanar o tacho como se faz para a caldeirada.

Quando pronto retira-se do tacho e corta-se em fatias.

Servir com um puré, arroz branco ou massa com o molho à parte.

As sobras são excelentes para fazer sandes.

 

Nota: Pedir no talho que arranjem as línguas. Se não for possível, devem ser metidas em água a ferver por um minuto e depois devem-se raspar com uma faca.

 

Seg | 24.01.11

a não perder!!!

Este está no top dos melhores bolos que fiz. A sério!

Claro que quem inventou a receita (ou a adaptou já que a receita original de bolo de laranjas e amêndoa é do Médio Oriente e é um bolo tradicional da Páscoa) é quem deve receber os créditos, neste caso a Nigella Lawson.

Experimentem porque é mesmo um bolo a não perder.

 

Bolo de Tangerinas, Amêndoa e Cacau

 

 

 

6 tangerinas (375 grs)

6 ovos

250 grs de açúcar

200 grs de amêndoa finamente ralada

50 grs de cacau

1 colher de chá bem cheia de fermento

½ colher de chá de bicarbonato de sódio

 

Cozer as tangerinas cobertas com bastante água por duas horas. Escorrer a água e deixar arrefecer.

Na picadora desfazem-se as tangerinas até ficar uma polpa. É com a casca e tudo, nada de as descascar.

Juntam-se os ovos um a um e a mistura dos ingredientes secos e bate-se bem. Utilizei a picadora para fazer tudo com um excelente resultado.

Untar uma forma redonda sem buraco e deitar a massa na forma. Levar a forno bem quente e deixar cozer.

A receita original diz para deixar cozer uma hora. No meu forno, que não tem qualquer tipo de medidor de temperatura, apenas tem o máximo e o mínimo, demorou apenas 30 minutos a cozer e saiu muito bem.

Deixar arrefecer o bolo na forma sobre uma grelha e desenformar.

 

Antes de comer, colocar um letreiro na porta a dizer: Fui ali ao céu num instante e já volto...

 

Notas:

Substituí uma tangerina por uma tangera, com um aroma ainda mais intenso

As minhas tangerinas têm milhentas pevides pelo que depois de arrefecer cortei-as ao meio e retirei todas as pevides (mais de 90…)

Usei apenas 5 ovos já que os que tinha eram caseiros e enormes

 

Qui | 20.01.11

flor ou couve?

 

 

É raríssimo ver Romanesco à venda, aliás, só encontrei duas vezes e das duas comprei.

A última foi na semana passada numa frutaria cá da terra. Incrível, fiquei logo a pensar que agora sim, esta terra merecia o nome de cidade :) Muito à frente!!!

 

Agora a sério, esta couve, da família das Brassicas, tem um aspecto mesmo fabuloso. Parece design food.

E é super saborosa, na minha opinião bem melhor do que couve-flor e bróculos. Se encontrarem experimentem.

E se não gostarem pode sempre servir para substituir um bouquet...

 

Esparguete com Romanesco, Cebola e Pinhões

 

 

 

1 cebola bem grande picada

2 dl de azeite

2 colheres de sopa de pinhões

200 grs de raminhos de romanesco cozidos 'al dente'

Esparguete integral cozido 'al dente'

sal

pimenta fresca

 

Numa frigideira larga salteia-se a cebola picada no azeite até alourar. Juntam-se os pinhões e os raminhos de romanesco e tempera-se de sal. Deixa-se fritar por dois ou três minutos. Adiciona-se o esparguete escorrido e envolve-se muito bem salpicando com pimenta fresca.

 

 

Qua | 19.01.11

cool gadgets

 

Um doce para quem adivinhar...

 

Isso, é uma faca para cortar alface!!!!!!!!!

 

E perguntam vocês, qual o mal das outras facas, as que cortam efectivamente (já que esta é de plástico)?

 

Nenhum... é só para podermos dizer que temos uma faca para cortar alface (e que, ao que parece, não faz a alface ficar acastanhada...)

 

Certo...

 

Foi um presente, ok???

  

 

 

Nota: é capaz de também ser boa para cortar bananas... hummm... madurinhas...

 

 

 

Ter | 18.01.11

grande quindim

Para um almoço de família e em cima da hora, tive que pensar em qualquer coisa para levar que fosse rápido de fazer. E a escolha recaiu nesta receita que uma amiga me deu e que andava para experimentar há imenso tempo.

Para mais, aproveitei para devolver a taça que tinha vindo no Natal com Aletria. Sempre é melhor devolver com um mimo do que vazia, certo??? 

 

Quindão

 

 

 

5 ovos inteiros

100 grs de côco ralado

1 colher de sopa de manteiga

2 chávenas de açúcar

1 chávena de água

 

Colocar todos os ingredientes no liquidificador e triturar bem.

Untar uma forma com manteiga e açúcar. Deitar a massa na forma e levar a forno bem quente por 25 minutos.

Retirar do forno e deixar repousar por 10 minutos.

Desenformar.

  

Seg | 17.01.11

cestinha

Estes palitinhos de pão sairam mesmo mimosos. E que curioso o nome grego ser Kritsinia e por cá nós lhes chamarmos Gressinos.

Afinal, nem sempre a língua nos separa...

Esta receita foi retirada daqui mas em vez de fazer tudo à mão, dei o trabalho 'pesado' à minha máquina de fazer pão, que tem tido boa vida.

 

Gressinos com Sementes de Sésamo e Papoila

 

 

1 colher de chá de fermento granulado

3/4 de copo de água tépida

2 colheres de sopa de mel

1/4 de copo de tahini

3/4 de colher de chá de sal

1 e 3/4 a 2 copos de farinha

1/4 de copo de água

1 copo de sementes de sésamo

1/2 copo de sementes de papoila

 

Aquecer o forno.

Na taça da máquina de fazer pão põe-se o mel, o tahini, o fermento e a água tépida. Mexer e deixar repousar por cinco minutos.

Adicionar o sal e um copo e meio de farinha. Ligar a máquina no programa de massa e adicionar mais farinha até gastar toda ou verificar que já se forma uma bola de massa que se despega das paredes da forma.

Ao fim de 15 minutos a bater, desligar a máquina e deixar levedar a massa até duplicar o volume.

Retirar a massa da máquina e cortar em 20 bocados. Polvilhar com farinha para não agarrar às mãos e moldar tiras como se possem lápis, cortar ao tamanho desejado (esta massa deu para 40 gressinos bem avantajados).

Pôr a restante água num prato  e as sementes noutros dois pratos e passar os gressinos por água e depois pela semente escolhida.

Pôr num tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao forno por cerca de 30 minutos, até estar bem tostado e rijinho.

Excelente para acompanhar sopas cremosas ou para petiscar entre refeições.

 

  

 

 

Sex | 14.01.11

reutilizar

Para fazer aproveitamento de um bolo que sobrou das festas, fui às velhas receitas a ver se aparecia alguma coisa que agradasse e em vez de uma receita, encontrei uma sugestão que transformei neste doce. Muito apreciado, apesar da fartura da época...

 

Doce em camadas

 

 

No fundo de uma taça esfarela-se um bocado de bolo que tenha sobrado, cerca de 250 gramas.

Salpica-se com vinho do Porto ou moscatel (um cálice) e reserva-se.

Faz-se um leite-creme dos instantâneos de acordo com a receita que costuma vir na embalagem. Para aproveitamento de sobras não me apeteceu estar a fazer um leite-creme a sério...

Deita-se sobre o bolo e deixa-se arrefecer.

Bate-se um pacote de natas com quatro colheres de sopa de açúcar (pode juntar-se um pacotinho de açúcar baunilhado) e depois de estarem espessas deitam-se sobre o leite-creme. Leva-se o doce ao frigorífico por umas horas até servir.

 

Qui | 13.01.11

un italiano vero...

O Ragu é um molho normalmente servido com massa que tem nos seus ingredientes carne, tomate e vinho tinto, entre outros.

Se feito de véspera é ainda melhor mas como nem sempre conseguimos esperar, é bom também na hora!!!

 

Macarrão com Ragu de Novilho 

 

 

1 cebola

2 dentes de alho

1 dl de azeite

300 grs de carne de novilho picada

1 cenoura ralada

1 dl de vinho tinto

1 tomate grande maduro

1 dl de polpa de tomate

1 malagueta

sal

1 pitada de noz moscada

1 colher de sopa de molho worcestershire

água a ferver q.b.

 

Num tacho alouram-se a cebola e os alhos picados no azeite.

Jnta-se a carne picada e mexe-se para que perca o tom avermelhado. Junta-se a cenoura ralada e borrifa-se com o vinho e deixa-se evaporar. Seguidamente acrescenta-se o tomate picado (usei um tomate congelado mas pode ser fresco ou mesmo de lata) e a polpa de tomate bem como a malagueta (aberta se quisermos aquecer num instantinho quando estivermos a comer...).

Tempera-se com sal, a noz moscada e com o molho inglês e adiciona-se água para menter algum molho. Vai-se acrescentando mais água ao longo da cozedura que deve ser por cerca de 40 minutos em fogo lento.

O molho fica espesso e é excelente servido sobre macarrão cozido ou esparguete.

Acompanhar com pão estaladiço e vinho tinto.

 

Qua | 12.01.11

cool gadgets

Quem me conhece sabe que adoro tudo o que seja ligado à cozinha. Alguns acessórios que aparecem deixam-me com vontade de os ter mas normalmente refreio esses impetos pois na sua maioria os acessórios são muito lindos mas a parte prática deixa muito a desejar. Além de que são normalmente muito caros...

Este que aqui retrato foi-me oferecido por uns amigos, há uns tempos. É o Flavour Shaker do Jamie Oliver.

Pretende substituir o almofariz e respectivo pilão. É de uso fácil e prático e já experimentei marinadas e molhos que sairam muito bem.

Uma das melhores coisas é que não é necessário estar a descascar os alhos antes de os colocar no copo.

O processo é simples: uma pequena bola de cerâmica dentro do copo esmaga os ingredientes quando abanamos com força.

As abanadelas vigorosas que damos ao copo podem também substituir uma ida ao ginásio (estou a brincar...).

 

Jamie Oliver Flavour Shaker

 

 

 

 

Ter | 11.01.11

tangerine dream

O inverno não é a altura mais agradável do ano com a chuva e o vento e o frio mas é nesta época que as árvores de citrinos estão no seu esplendor, com o contraste entre o laranja forte dos frutos e o verde escuro das folhas destas árvores que teimam em não as perder.

 

Bolo de Tangerina e Sementes de Papoila

 

 

1 copo de açúcar granulado

1 colher de sopa de raspa de tangerina

½ copo de azeite

3 ovos

2 copos de farinha

1 e ½ colheres de chá de fermento em pó

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

¾ de copo de sumo de tangerina

2 colheres de sopa de sementes de papoila

 

Na batedeira bate-se o açúcar com a raspa da casca de tangerina e o azeite. Adicionam-se os ovos um a um.

Mistura-se a farinha com o bicarbonato e o fermento e adiciona-se na batedeira em três partes alternadas com o sumo da tangerina até acabarem os ingredientes.

Juntam-se as sementes de papoila e leva-se ao forno em forma redonda untada. Coze em forno médio por cerca de 30 minutos mas convém verificar a partir dos 25.

 

Seg | 10.01.11

mais uma pizza

Desde que descobri as massas de pizza de alguns supermercados, confesso que não perco tempo a fazê-la eu mesma. É mesmo prático, está ali à mão e num instante se prepara uma pizza deliciosa. Ah, e também prefiro colocar rodelas de tomate no fundo da massa em vez de molhos pré-preparados. Experimentem.

 

 Pizza de Três Queijos

 

 

1 base de pizza

1 dl de azeite

2 tomares maduros

1 colher de sopa de orégãos

50 grs de queijo curado de cabra

50 grs de queijo feta

150 grs de queijo mozzarela

 

Sobre a base da pizza verte-se um fio de azeite. Por cima põem-se as rodelas de tomate bem maduro e sem sementes. Polvilhar as rodelas de tomate com orégãos e por cima dispor os queijos de cabra e feta esfarelados. Polvilhar com pimenta fresca moida e por cima espalhar o queijo mozzarela.

Leva-se a forno médio por 20 minutos ou até estar bem douradinho.

 

Sex | 07.01.11

simplesmentedelicioso

Para quem ainda não se cansou de coisas boas...

Receita retirada daqui e sem alterar porque em equipa que ganha não se mexe!!!

 

Quadradinhos de Chocolate e Frutos Secos

 

 

250g de bolachas digestive

250g de mistura de frutos secos

300g de chocolate negro

100g de manteiga, cortada em cubinhos

140g de golden syrup (ou mel)

Forre uma forma quadrada de 20 cms com papel vegetal.

Numa tigela grande misture as bolachas partidas em bocados e os frutos secos (usei: nozes, cajus, avelãs e castanhas do maranhão).

Derreta em banho-maria o chocolate, a manteiga e o golden syrup, mexa ocasionalmente. 
Quando derretido verta a mistura de chocolate sobre a mistura de bolachas e mexa bem para misturar.

Coloque tudo na forma e achate levemente.

Coloque no frigorifico pelo menos durante 2 horas ou durante a noite. Antes de servir corte em quadrados.

 

Qui | 06.01.11

para os reis

Que vieram, senão da Arábia, pelo menos do Oriente, segundo reza a lenda.

 

Arroz Árabe

 

 

1 cebola finamente picada

1 dl de azeite

1 colher de café de açafrão das Índias

1 copo de arroz basmati

2 colheres de sopa de amêndoa em lascas

2 colheres de sopa de uvas passas douradas

2 copos de água a ferver

sal a gosto

 

Num tacho aloura-se a cebola no azeite. Junta-se o pó de açafrão, a amêndoa e as passas e mexe-se.

Adiciona-se o arroz para fritar ligeiramente e mexe-se bem. Por cima põe-se a água a ferver e tempera-se de sal dando mais uma mexida para misturar bem todos os ingredientes. Deixa-se cozer em lume brando por cerca de 15 a 20 minutos (o arroz basmati coze mais rápido do que o arroz tradicional).

Servir como acompanhamento.

 

Qua | 05.01.11

migas

Não é a melhor foto mas as migas ficaram mesmo boas. Em vez de couve usei chuchu que tem havido abundantemente por estes lados e nem sempre nos lembramos de usar de outra maneira a não ser em sopa...

 

migas de broa e chuchu

 

 

4 dentes de alho

2 dl de azeite

1 chuchu pequeno

500 grs de broa esmigalhada

2 dl de água a ferver

sal e pimenta q.b.

 

Numa taça põe-se a broa de molho na água a ferver.

Na frigideira salteiam-se os alhos no azeite e junta-se o chuchu cortado em quadradinhos pequenos. Deixa.se amolecer mexendo de vez em quando e adiciona-se a broa. Deixa-se fritar e vai-se formando um rolo com a ajuda de duas colheres de pau. Este rolo deve ser alourado e tostado por todos os lados.

Servir como acompanhamento de pratos de carne.

 

Ter | 04.01.11

sabor oriental

O arroz doce costuma fazer parte das festividades do natal e fim de ano. Costumo fazer esta receita mas este ano quis variar um pouco o sabor e em vez de um gosto mais tradicional fiz uma espécie de fusão com um sabor mais oriental, o que me agradou bastante.

 

Arroz Doce com Açafrão

 

 

100 grs de arroz basmati

1 litro de leite

2  tiras de casca de limão

2 vagens de cardamomo esmagadas

1 pau de canela

10 estames de açafrão

30 grs de manteiga

200 grs de açúcar

1 gema de ovo

canela em pó

 

Levar o arroz ao lume tapado com água temperada com uma pitadinha de sal. Deixar cozer até desaparecer a água.

Num tacho ferve-se o leite com a casca de limão, as vagens de cardamomo, o pau de canela e os estames de açafrão. Baixa-se o lume e junta-se o arroz. Deixa-se cozer por 30 minutos em lume brando.

Adicionar a manteiga e o açúcar e mexer bem. Continua a fervilhar de modo a ir evaporando o leite e ficando mais cremoso.

Bate-se a gema de ovo com um pouquinho de leite e adiciona-se ao arroz doce sem deixar ferver.

Deitar numa ou mais taças e enfeitar com canela em pó.

 

Seg | 03.01.11

pequenas delícias

Esta receita é para quem aprecia sabores fortes. O queijo chèvre tem essa característica e por isso não agrada a todos. Mas para quem gostar, aqui está uma verdadeira 'bomba' de sabor!

 

Tarteletes de Pato e Chèvre

  

 

 

1 embalagem de massa quebrada

8 rodelas de queijo chèvre*

8 azeitonas gradas

200 grs de carne de pato desfiado**

 

Dividir a massa quebrada pelas 4 formas de tartelete.

No fundo das formas colocam-se as rodelas de queijo e as azeitonas picadas. Por cima dispõe-se o peito de pato desfiado.

Vai a forno médio por cerca de 20 minutos.

Servir com legumes salteados.

 

* usei o da Palhais com formato de rolo

** saltear a carne de pato cozida e desfiada em 2 dentes de alho e duas colheres de azeite por cinco minutos