Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Ter | 30.11.10

que delícia

Para aproveitamento de sobras ou mesmo feitas de propósito estas empadinhas de carne são deliciosas.

A acompanhar uma sopa fazem um jantar perfeito.

 

Empadinhas de Coelho

 

 

150 grs de sobras de coelho ou frango desfiado

1 cebola picada

2 dentes de alho picados

azeite q.b.

10 azeitonas descaroçadas

1 colher de sopa de farinha

1 dl de água

pimenta e noz moscada

1 gema de ovo

1 embalagem de massa quebrada

 

Usei a massa quebrada pronta a usar, que vem em formato redondo para fazer uma tarte. Cortei sete rodelas mais largas do que as formas de queques e forrei-as. Usei as aparas de massa que sobraram para 'construir' as tampas das empadas. Consegui aproveitar toda a massa de uma tarte para fazer sete empadinhas jeitosas.

 

Num tachinho alourei em azeite a cebola cortada em meias luas e os dentes de alho. Misturei o coelho desfiado que tinha sobrado de um estufado que fiz há uns tempos que também tinha cenoura. Congelei na altura a carne que sobrou já desfiada e também a cenoura cortada em dados. Pode-se usar também peito de frango, mesmo daquele de churrasco.

Temperei de pimenta e noz moscada e juntei as azeitonas picadas. Salpiquei com a farinha, mexi e adicionei a água. Mexi novamente até ficar cremoso, cerca de 1 minuto.

Com esta mistura recheei as empadas que se taparam com a restante massa. Pincelei com a gema de ovo batida e foram ao forno por cerca de 20 minutos.

 

Seg | 29.11.10

outonal

Este Outono está em toda a sua glória a mostrar as cores que lhe são adequadas. As árvores de dióspiros, que perderam quase todas as suas folhas, parece que têm lanternas suspensas.

Neste sábado disputei alguns destes frutos com os pássaros que nem os deixam amadurecer bem para os debicar. Alguns, já maduros demais, foram para esta receita, a repetir brevemente pois é um achado! Mesmo quem não gosta de dióspiros (como é que é possível???) achou muito bom.

 

Bolo de Dióspiros

 

 

 

Polpa de 4 a 6 dióspiros maduros

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

100 grs de margarina

175 grs de açúcar amarelo

1 ovo

350 grs de farinha

2 colheres de sopa de fermento em pó

1 colher de chá de canela em pó

¼ colher de chá de noz moscada

¼ de colher de chá de cravinho

60 grs de nozes picadas

 

Ligar o forno e aquecer a 180ºC.

Juntar o bicarbonato de sódio à polpa dos dióspiros, mexer e reservar.

Numa taça bate-se a margarina com o açúcar até ficar uma pasta cremosa. Adicionar o ovo e bater bem. Juntar também a polpa de dióspiro que nesta fase deve parecer uma gelatina (é o efeito que faz o bicarbonato mas é mesmo assim). Mexer bem e juntar todos os ingredientes secos e as nozes.

Vai ao forno por cerca de 50 minutos, deve-se testar com um palito para verificar a cozedura a partir dos 40 minutos.

Retirar e deixar arrefecer por 10 minutos na forma e desenformar.

Quando frio, polvilhar com açúcar em pó.

 

Sex | 26.11.10

cupcakes - estreia

Já toda a gente fez, eu ainda não me tinha debruçado sobre o tema.

Experimentei uma receita que era classificada como ‘Os cupcakes mais fáceis do Mundo’ e realmente, não é nada difícil de fazer.

Veredicto: Fazem uns bolinhos engraçados, achei um bocado doce demais mas é algo a experimentar novamente, se calhar com outra receita e com outras decorações.

 

Cupcakes de Baunilha

 

 

100 grs de margarina amolecida

1 e 3/4 copos de farinha

1 copo de açúcar

2 e 1/2 colheres de fermento

1 ovo

3/4 de copo de leite

1 colher de chá de baunilha

 

Numa taça põe-se a margarina. Por cima a farinha e bate-se bem com varas de arame. Mistura-se metade do leite e o ovo e bate-se bem. Adiciona-se o restante leite e a baunilha e mexe-se de modo a ficar uma massa bem lisa e sem grumos.

Põem-se as forminhas de papel dentro de formas de queque ou muffins e com uma colher de sopa põe-se a massa nas forminhas apenas até metade. Não pôr mais do que esta quantidade senão cresce e vem por fora e perde-se o efeito que se pretende.

Cozem em forno quente por 18 minutos.

Retirar e deixar arrefecer.

Usar uma cobertura a gosto. Para estes derreti chocolate negro em leite e barrei.

 

Qui | 25.11.10

Para o lanche, e não só

Nas pastelarias costuma haver uns pasteis salgados que por aqui se chamam ‘Lanches’. São feitos com uma massa parecida com a dos pães de leite e normalmente apresentam-se em formato rectangular, recheados com bacon e queijo.

Com ingredientes que existem normalmente na despensa e no frigorífico, e em tempo recorde, podemos fazer um Lanche bem mais saudável e saboroso do que aqueles que existem à venda. O recheio pode ser de acordo com a imaginação ou com o que há no frigorífico.

A receita original veio do blogue da Dadivosa. Fiz apenas metade da receita e usei um recheio diferente.

 

Lanche

 

 

Massa:

1 ovo

1 /2 copo de leite

1/3 copo de óleo

1 copo de farinha de trigo

1 pitada de sal

1/2 colher de chá de fermento em pó

20 grs de queijo parmesão ralado

 

Recheio:

4 fatias de queijo Gouda

4 fatias de fiambre de peru

1 colher de chá de orégãos

10 azeitonas pretas em bocados

 

Sementes de papoila para polvilhar

 

Levar todos os ingredientes ao liquidificador pela ordem apresentada e bater até ficar uma massa bem cremosa, cerca de 1 minuto.

Numa forma untada, deita-se metada da massa. Por cima dispõem-se as fatias de queijo, seguidamente as fatias de fiambre, polvilha-se com os orégãos e espalham-se as azeitonas, sem os caroços.

Por cima deita-se a restante massa que se polvilha com sementes de papoila.

Vai a forno bem quente por cerca de 20 minutos.

Servir morno ou frio.

 

Qua | 24.11.10

outro bolo de maçã

Quando pensamos que já não há mais receitas que levem maçã e canela para experimentar eis que aparece outra, e outra, e outra e ainda mais outra. E não resistimos, quer dizer, é maçã e canela!!!

 

Bolo de Maçã e Canela

 

 

1 copo de farinha

1/2 colher de chá de fermento em pó

1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

1/2 colher de chá de canela (usei 1)

1/4 colher de chá de sal (não usei)

4 colheres de sopa de manteiga - cerca de 50 grs

2/3 de copo de açúcar amarelo

1 colher de chá de extracto de baunilha (não usei)

1 ovo grande

1/2 copo de buttermilk*

1 copo de maçãs descascadas e cortadas em quadradinhos

1 colher de sopa de açúcar demerara**

1 colher de sopa de canela

 

Aquecer o forno. Untar uma forma pequena e reservar.

Numa taça mistura-se a farinha, o fermento, o bicarbonato, a canela e o sal.

Na taça da batedeira bate-se a manteiga com o açúcar até ficar esbranquiçado e cremoso. Juntar o ovo e a baunilha.

Adicionar alternadamente o buttermilk e os ingredientes secos, em três fases, começando e acabando com ingredientes secos. Misturar bem e deitar na forma. Por cima espalham-se os quadradinhos de maçã que se salpicam com canela e com o açúcar demerara.

Vai ao forno por cerca de 20 a 25 minutos. Verificar com um palito para ver se a massa não se agarra.

Retirar do forno, deixar descansar por 10 minutos e desenformar.

 

* Para fazer 1/2 copo de buttermilk adiciona-se uma colher de sobremesa de vinagre a meio copo de leite e deixa-se repousar 3 minutos.

** Este açúcar tem os grão maiores

Ter | 23.11.10

que malandrinho

Sabem quando temos um cachorrito, e ele descobre que é bom a fazer buracos, ou seja, faz muitos, com vários tipos de profundidade e largura. Na relva, no leirão das nabiças, nas couves, no ruibarbo.

 

E nós: Cão Feio! Não, isso não se faz! Mau!!! Peste! Cão Mau!!! E ele percebe: Bá Bá Bá!!! Bá! Báá!!!E apontamos para os buracos e ele: Ei, ela reparou nos buracos giros que fiz. Vou fazer mais!!! Mas vou fazer quando ela não estiver a ver para ser surpresa!!!

Sabem?!? Calculei que não...

E entretanto vamos fazer um arroz cujo nome condiz com o cachorro.

 

Arroz Malandrinho

 

 

 

 

1 cebola picada

2 dentes de alho picados

1 haste de aipo picada

0,5 dl de azeite

1 copo de arroz

0,5 dl de vinho branco

3 tomates bem maduros

Água a ferver q.b (cerca de 1 litro)

 

Num tacho alouram-se a cebola, os alhos e o aipo no azeite. Junta-se o arroz, mexe-se sem deixar pegar e adiciona-se o vinho. Mexe-se novamente e juntam-se os tomates pelados e picados. Tempera-se de sal, deixa-se ferver e mistura-se um pouco de água, cerca de meio copo, sempre a mexer para não agarrar. Deixa-se evaporar a água e junta-se mais, novamente meio copo. Este processo vai-se repetindo até esgotar a água e o arroz estar cozido mas ainda com bastante molho que para o fim fica muito cremoso.

Excelente acompanhado de peixe frito.

 

 

 

Seg | 22.11.10

puré de maçã

A maçã cozida, para além de ser uma maneira de aproveitar aquelas maçãs que estão a ficar com mau aspecto na fruteira, também é um excelente substituto da maior parte da gordura (manteiga, margarina, óleo) em alguns bolos.

Pode ser feita de antemão e congelada em quantidades práticas.

Também pode estar à espera, no frigorífico, daqueles 'raides' à cozinha para qualquer coisinha doce ao serão {#emotions_dlg.happy}

 

 

 

6 maçãs

2 colheres de sopa de água

2 colheres de sopa de açúcar amarelo

1 colher de sopa de canela

 

Descascar as maçãs e retirar os caroços. Levar ao lume num tachinho, com o açúcar e a canela e a água (ou vinho do Porto) até estarem tenrinhas e a desfazerem-se, cerca de 20 minutos.

 

Sab | 20.11.10

Desafios - Hoje a Moira vem Jantar

A Moira vem jantar.

Fez-se convidada, foi o que foi... com aquele ar de quem não parte um prato.

Bem, convém mesmo que não parta. Já só tenho quatro iguais e lá ficava a mesa desemparceirada...

E ela... ah e tal, que sou muito boa boca, que como qualquer coisa... pois, pois, já me tinham dito!

Merecia mesmo era que lhe desse Restdônté mas já não há, estava tão bom que não sobrou nada...

 

Agora a sério. Estou a responder ao desafio da Tertúlia de Sabores que celebra o seu 3º aniversário com o mote: Hoje a Moira vem jantar.

E esta foi a receita escolhida para a receber. Espero que goste.

 

Enroladinhos de Alheira e Espinafres em Massa Phyllo

 

 

 

1 embalagem de massa Phyllo (8 folhas)

1 alheira de caça

200 grs de espinafres frescos

azeite q.b.

 

Aquecer o forno.

Lavar os espinafres e cozê-los durante 5 minutos num tachinho com muito pouca água. Escorrer e reservar.

Numa frigideira salteia-se a alheira retirada da sua pele. Juntam-se os espinafres e tempera-se se necessário, com pimenta e uma pirtada de sal. Mexe-se bem para ficar uma pasta homogénea.

Abrem-se as folhas da massa phyllo e pincelam-se com azeite, uma a uma. Para não deixar secar as que não estão a uso devem ser tapadas com um pano da louça húmido.

Juntam-se duas folhas de massa, dobram-se e no meio põe-se um quarto da mistura da alheira e espinafres. Enrola-se e metem-se as pontas da massa para dentro, como se fossem uns cartuchinhos. Faz-se o mesmo com as restantes folhas, dá quatro rolinhos. Põem-se num tabuleiro e vai ao forno até ficarem bem tostados, cerca de 20 minutos.

Servir com bróculos cozidos em vapor.

Sex | 19.11.10

Bolo de Natal

As tradições por vezes precisam de uma mexida e este ano decidi fazer uma receita diferente para o meu bolo de natal. Costumo fazer esta receita já há muitos anos mas confesso que andava mortinha por experimentar a que agora vos deixo.

Aqui há uns anos uma amiga deu-me um livrinho de receitas típicas do natal e esta receita, por ser bem mais fácil do que a minha, chamou-me logo a atenção. Ficou muito bonito e a cheirar muito bem.

Agora tenho que o ir alimentando com brandy de vez em quando para amadurecer e complementar os sabores e uns dias antes da sua estreia conto em forrá-lo com maçapão e enfeitá-lo para ser o Rei da Festa!

 

Bolo de Frutas de Natal

 

 

240 grs de margarina

240 grs de açúcar amarelo

4 ovos

270 grs de farinha

3 colheres de chá de mixed spice (ou 1 de canela, 1 de gengibre, 1/4 de cravinho e 1/4 de noz moscada)

240 grs de sultanas

240 grs de corintos

200 grs de amêndoas inteiras (sem pele)

100 grs de casca de laranja cristalizada

50 grs de cerejas cristalizadas (usei alperces secos)

1 dl de brandy

1 dl de chá preto

brandy para embeber o bolo q.b.

 

Macerar as frutas no brandy e no chá durante umas horas.

Bater bem a margarina com o açúcar e juntar os ovos um a um. Adicionar a farinha e as especiarias. Juntar as frutas secas e amêndoas e restante líquido de macerar. Mexer bem para tudo ficar bem envolvido.

Deitar numa forma forrada com duas camadas de papel de ir ao forno untado com margarina. Deve estar forrado na base e à volta e o papel que está à volta deve ser mais alto do que a forma.

Coze por cerca de 2 horas a 150ºC. O meu forno não tem medidor de temperatura por isso deixei a primeira meia hora no médio e depois reduzi para o mínimo.

O bolo coze em cerca de uma hora mas deve estar este tempo todo para ficar bem seco e esperar sem se estragar até ao Natal (a receita original fala em quatro horas mas achei tempo demais). Se necessário deve-se tapar com papel de alumínio para não queimar o topo.

Deixar arrefecer na forma e depois embrulhr em papel de ir ao forno ou vegetal e também em papel de alumínio.

De duas em duas semanas deve-se embeber em mais um bocado de brandy, umas seis colheres de sopa de cada vez e um golinho, ou dois, para a cozinheira{#emotions_dlg.sarcastic}.

 

Qui | 18.11.10

polvo

O polvo só tem, a meu ver, um senão: é muito caro e por isso não se faz tantas vezes como gostaria. Mas quando se faz é uma festa e tenta-se dar-lhe a melhor companhia. Aqui foi ao forno e ficou mesmo mesmo bom.

Excelente para variar de assados com carne.

 

Polvo Assado no Forno

 

 

Para cozer o polvo:

1 polvo com cerca de 1,5 kg

água q.b.

1 cebola pequena

 

Descasca-se a cebola e põe-se na panela de pressão juntamente com o polvo coberto de água. Vai ao lume e deixa-se cozer por 20 minutos após levantar fervura e a panela começar a largar o vapor.

 

Para o assado:

1 cebola grande em rodelas

2 tomates maduros em rodelas

10 pimentos de Padron

8 batatas cozidas com a pele

1 ramo de salsa

sal

pimenta

água de cozer o polvo

vinho

azeite

 

Num tabuleiro põe-se a cebola em rodelas, por cima o tomate e os pimentos e sobre esta cama dispõe-se o polvo previamente cozido. Ao lado põem-se as batatas, também cozidas e esmagadas ligeiramente com um murro. Por cima de tudo a salsa.

Tempera-se com sal e pimenta fresca. Rega-se com o azeite, umas boas goladas dele. O vinho, meio copo é suficiente e também um bocadinho da água de cozer o polvo, para ajudar a fazer o molho.

Vai ao forno bem quente em tabuleiro de barro por cerca de 30 a 40 minutos, até estar mesmo bem douradinho.

Para acompanhar muito pão, que este molho não se pode desperdiçar!

 

Qua | 17.11.10

rapido e bom

Durante a semana os jantares querem-se rápidos. Por essa razão não têm que ser sensaborões ou repetitivos, há maneiras bem simples de fazer pratos excelentes com poucos ingredientes.

 

Massa com Camarão e Courgetes

 

 

 

200 grs de massa à escolha

150 grs de camarão grande descascado

1 courgete pequena

1 dl de vinho branco

1 raminho de salsa

1 cebola picada

1 dl de azeite

sal

pimenta fresca

 

Cozer a massa em água abundante temperada de sal.

Numa frigideira aloura-se a cebola picada e quando estiver amolecida adiciona-se a courgete cortada em quadradinhos pequeninos. Juntam-se os camarões (depois de descongelados) e o vinho e deixa-se refogar até os camarões estarem rosadinhos e o vinho ter evaporado. Por esta altura a massa já deve estar cozida. Deve-se escorrer e adicionar à frigideira, misturando bem com uma colher de pau. Polvilha-se com a salsa picada e tempera-se com sal e pimenta fresca moida.

 

Ter | 16.11.10

olha a novidade...

Para variar da Tarte Tatin feita com maçã optei por fazer uma versão com dióspiros, daqueles de roer, variedade Fuyu.

Embora muito a custo, porque realmente gosto mesmo de os comer ao natural, lá sacrifiquei quatro para experimentar um sabor diferente.

E digo que ainda bem que assim decidi. É espectacular!

Verdadeiro alimento dos deuses.

 

Tarte Tatin de Dióspiro

 

 

 

1 base de massa folhada

4 dióspiros de roer

4 colheres de sopa de açúcar amarelo

4 colheres de sopa de margarina

1 colher de chá de garam masala

 

Descascar os dióspiros e cortá-los em rodelas fininhas.

No fundo de uma tarteira polvilha-se o açúcar e a mistura de especiarias garam masala. Se não tivermos podemos usar apenas canela ou uma mistura de canela e gengibre em pó.

Por cima do açúcar espalham-se bocadinhos de margarina e sobre estes dispõem-se as rodelas bem fininhas dos dióspiros.

Tapa-se tudo isto com a massa folhada e leva-se ao forno bem quente por cerca de 20 a 25 minutos, até a massa estar bem dourada.

Retira-se do forno e vira-se para um prato de servir. Depois de desenformado as rodelas de dióspiro ficam para cima.

Pode-se polvilhar com mais umas pitadinhas de garam masala ou canela.

Uma bela mistura de sabores.

 

 

Seg | 15.11.10

ramequins

Quando, por terem sobrado quatro batatas cozidas, se dá asas à imaginação...

 

Mini Empadões de Puré com Beringela, Fiambre e Queijo

 

 

4 batatas cozidas

1 gema de ovo

4 fatias de queijo

4 fatias de Fiambre de Peru

1 beringela

Pimenta fresca

Noz moscada

 

Cortar a beringela às rodelas e salpicar de sal. Deixar repousar por dez minutos. Passar por água, secar e grelhar numa frigideira quente, apenas pincelada com a zeite. Depois de grelhadas, reservar.

Esmagar as batatas e misturar a gema de ovo. Temperar com pimenta fresca e noz moscada.

No fundo de dois ramequins põe-se um bocado do puré de batata. Por cima dispõem-se rodelas de beringela, fatias de queijo e de peru, novamente rodelas de beringela e por cima de tudo o restante puré.

Vai ao forno a alourar por cerca de 20 minutos.

Acompanhar com uma salada ou legumes cozidos.

 

Sex | 12.11.10

para o fim de semana

O fim de semana, que normalmente é aquela altura em que descansamos, às vezes pode ser caótico e o tempo parece fugir por todos os lados. Nessas alturas, os enlatados são uma espécie de salva vidas!!!

 

Salada de Feijão Frade com Atum

 

 

Salada:

1 lata de feijão frade cozido

1 lata de atum

1 cebola picada

1 raminho de salsa picado

2 hastes de aipo picadas

2 ovos cozidos picados

azeitonas qb

pimenta fresca moida

 

Escorrer o atum e o feijão frade.

Numa tigela grande misturam-se os ingredientes da salada.

 

Molho:

5 colheres de sopa de azeite

2 colheres de sopa de vinagre

1 colher de sopa de mostarda

 

Misturar bem todos os ingredientes do molho e deitar sobre a salada.

Servir fresco.

 

Qui | 11.11.10

é canja

Também conhecida como penicilina judaica, a canja de galinha é o alimento que usamos quando estamos doentes, em baixo, sem apetite para outras coisas. É uma espécie de conforto instantâneo que tem tantas versões como cozinheiros.

A minha versão é esta.

 

Canja de Galinha

 

 

1/2 galinha do campo

1 cebola

1 cenoura

4 cravinhos da Índia

4 bagas de pimenta da Jamaica

1 talo de aipo

2 raminhos de salsa

água

sal

massa

 

Numa panela grande põe-se a galinha (se tiver ovinhos melhor), a cenoura bem lavada (com a casca), a cebola com os cravinhos espetados, as bagas de pimenta, o aipo e a salsa. Enche-se a panela de água e tempera-se com sal. Leva-se a lume forte e deixa-se ferver. Baixa-se o lume e deixa-se cozer tudo por uma hora ou mais, até a carne ficar tenra.

Retira-se a galinha e restantes ingredientes da panela, adiciona-se a massa escolhida e deixa-se cozer mais 10 a 15 minutos. A massa usada pode ser pevide, pontinha, cuscus, esparguete em bocadinhos pequenos ou mesmo arroz.

Entretanto desfia-se a galinha e corta-se a cenoura em rodelas. Adiciona-se a carne e cenoura à canja e serve-se.

Qua | 10.11.10

formas e feitios

 

Comprei uma forma para bolos e pudins com um feitio bonito e tive logo que a experimentar. Como andamos em época de abóboras, a primeira receita foi este bolo de abóbora que saiu lindamente e ficou muito bom mesmo.

 

Bolo de Abóbora e Pepitas de Chocolate

 

 

 

3 1/2 copos de farinha

1 colher de sopa de canela

1 colher de chá de noz moscada

2 colheres de chá de bicarbonato de sódio

1 colher de chá de fermento em pó

1 colher de chá de sal

3 copos de açúcar (só usei 2)

2 copos de puré de abóbora

1 copo de óleo

2/3 copo de água

1 colher de chá de baunilha (não usei)

4 ovos

1 copo de pepitas de chocolate

 

 


 

1. Aquecer o forno e untar 2 formas de bolo inglês ou uma forma grande (para a minha forma fiz apenas metade da receita).


2. Numa taça misturar a farinha, a canela, a noz moscada, o bicarbonato, o fermento e o sal. Reservar.

 

3. Noutra taça mistura-se o açúcar com o puré de abóbora, o óleo, a água, a baunilha e os ovos. Mexer bem.

 

4. Juntar a mistura líquida à farinha e mexer bem.  Adicionar as pepitas de chocolate. Dividir a massa pelas formas ou apenas uma.

 

5. Levar ao forno por cerca de 50 minutos. Retirar do forno e deixar repousar numa grelha por 15 minutos. Desenformar e arrefecer

completamente antes de cortar.

 

 

 

 

Lindo!

Ter | 09.11.10

TND

Tom Norrington-Davies é um cozinheiro inglês que consegue misturar a simplicidade das receitas com uma grande dose de bom humor.

Além de escrever artigos sobre comida para revistas e jornais como o The Guardian,  é tido como alguém cuja comida queremos comer e cozinhar.

Eu experimentei esta receita e fiquei fã.

 

Barriga de Porco Assada

 

 

3 colheres de sopa de azeite (mais algum para untar o tabuleiro)

barriga de porco com o courato (cerca de 1.5 Kg)

1 colher de sopa de sal

2 batatas médias

2 raminhos de alecrim ou de salva, frescos

5 dentes de alho

1 colher de sopa de vinagre balsâmico

2 marmelos

sumo de 1/2 limão

2 cebolas médias

 

Aquecer o forno e untar um tabuleiro com azeite.

Com uma faca bem afiada corta-se o courato em quadrados com cerca de 2 cms e esfrega-se com o sal.

Cortam-se as batatas em rodelas grossas e põem-se no tabuleiro. Por cima espalham-se as ervas (usei apenas salva) e os dentes de alho cortados grosseiramente.

Neste ponto, alterei a receita original e juntei também o marmelo cortado em gomos, previamente descascado e colocado numa taça com água e sumo de limão. Como só tinha um marmelo, o último da produção deste ano, juntei também uma batata doce descascada e a cebola em quartos.

Temperei com azeite e vinagre balsâmico e por cima dispus a carne, com o courato para cima.

Foi ao forno por cerca de 2 horas, a primeira meia hora em forno muito quente para tostar a pele e depois mais baixo para cozer tudo muito bem.

 

A mistura de sabores é Outono num prato! A adição da batata doce veio complementar o que foi um dos melhores assados que comi recentemente.

 

Seg | 08.11.10

lanches ajantarados

Estas são, sem dúvida, as melhores panquecas que já fiz. O crédito não é meu, nem por sombras, a receita é que é infalível e veio do livro Nigella Express (pág. 93), que além desta contém muitas outras receitas a fazer quando o tempo é escasso, como quase todos os dias{#emotions_dlg.sidemouth}.

 

Panquecas

 

 

Mistura para Panquecas

600 grs de farinha

3 colheres de sopa de fermento em pó

2 colheres de chá de bicarbonato de sódio

1 colher de chá de sal

40 grs de açúcar baunilhado

 

Misturar todos os ingredientes  e reservar.

 

Sempre que quisermos fazer panquecas, faz-se o seguinte:

Para cada 150 grs da mistura para panquecas adicionamos:

1 ovo

250 ml de leite meio gordo

1 colher de sopa de manteiga derretida.

Mexe-se bem.

 

Aquecer uma frigideira pequena. Com uma concha da sopa tiramos meia concha da massa e põe-se na frigideira bem quente. Deixa-se estar até aparecerem bolhinhas na massa e vira-se a panqueca para o outro lado por cerca de um minuto.

Fazer até acabar a massa.

Servir as panquecas como desejado, com mel, com açúcar e canela ou com Maple Syrup que é um xarope oriundo do Canadá que é retirado das árvores que dão a folha que está na bandeira do Canadá e se chamam Acer. Por cá vende-se nalgumas lojas de produtos naturais.

Sex | 05.11.10

marmelada

A deste ano já está guardada, à espera que se acabem as tigelinhas do ano passado.

O marmeleiro, apesar de muito velhinho (já deve ter mais de 70 anos) lá vai produzindo em quantidade suficiente para dar e... dar...

Um saco para este, outro saco para aquele, que não falte a ninguém.

 

Faço um rácio de 1kg de marmelos com casca (retirados os caroços) para 750 grs de açúcar. Vai tudo ao lume num tacho largo por cerca de 45 minutos e depois derrete-se com a varinha mágica (se não tiver pode sempre usar aquela que se liga à electricidade {#emotions_dlg.sarcastic}).

 

Depois é só deitar em tigelinhas, malgas, tigelas, o que houver e deixar arrefecer.

Levar para o parapeito da janela tapado com papel vegetal mergulhado em aguardente e deixar estar por lá uma semana.

Depois guarda-se até apetecer.

 

Marmelada

 

 

Qui | 04.11.10

pementos rellenos

Os pimentos ainda estão a produzir, apesar do frio que já se sente e nota-se que já não crescem tanto, ficam mais pequenos mas ainda assim excelentes.

Para experimentar outras maneiras de os confeccionar, lembrei-me de os rechear, nada de muito elaborado, apenas atum e queijo fresco. Usei a variedade de Arnoia, de que já aqui falei e que não são picantes.

Ficaram muito bons.

 

Pimentos Recheados

 

 

1 lata de atum

1 queijo fresco

pimenta fresca moida

azeite

 

Escorrer o líquido do atum e pôr numa taça (o atum, claro!). Misturar o queijo fresco e com um garfo esmigalhar bem e misturar tudo. Temperar de pimenta e dividir esta pasta por quatro pimentos já limpos de sementes.

Forrar um tabuleiro com papel de alumínio e untar com azeite. Colocar os pimentos recheados no tabuleiro e por cima deitar um fio de azeite.

Levar ao forno por 30 minutos até os pimentos estarem amolecidos.

Servir como entrada ou como prato principal acompanhado de arroz.

 

Pág. 1/2