Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Sex | 29.10.10

caixinha de surpresas...

Estas barrinhas são muuuuuito melhores do que aquelas que veêm embaladas individualmente e que se vendem nos supermercados.

O problema é que duram pouco e mal chegam a ter o direito de servir de lanchinho no escritório já que são tão boas que nem chegam a sair de casa. Portanto, tenho que fazer mais…

 

Barrinhas de Aveia e Cranberries*

 

 

 

1 copo de flocos de aveia

½ copo de farinha

¼ de copo de açúcar amarelo

½ copo de cranberries secos

½ copo de coco ralado

¼ de colher de chá de fermento em pó

¼ de colher de chá de sal

75 grs de margarina derretida

1 ovo grande

½ colher de chá de baunilha

 

Numa taça misturam-se a aveia, a farinha, o açúcar amarelo, os cranberries secos, o coco, o fermento e o sal.

Noutra taça batem-se o ovo, a manteiga e a baunilha. Mistura-se à aveia e mexe-se até envolver.

Deita-se a massa num tabuleiro untado (forrei o meu com papel de ir ao forno e não untei) e leva-se a forno médio por cerca de 20 a 25 minutos. Quando estiver dourado retira-se do forno e desenforma-se para uma rede para arrefecer.

Com uma faca bem afiada cortam-se quadrados.

 

*mais conhecidos como cranberries mas em português chamam-se arandos ou oxicoco ou uvas-do-monte

 

Qui | 28.10.10

1002

Não sei se esta receita já existe, acho que mais ou menos a inventei ao sabor do momento. Se for este o caso, já existem 1002 receitas de confeccionar bacalhau! {#emotions_dlg.sarcastic}

 

Nasceu, mais uma vez, da necessidade de comida que não precisasse de grande esforço de maxilares... 

 

Bacalhau com Batatas, Courgetes e Cenouras Raladas 

 

 

2 cebolas

2 dentes de alho

2 dl de azeite

vinagre q.b.

2 postas de bacalhau

3 batatas raladas

2 cenouras raladas

1 courgete ralada

50 ml de natas

 

Molho branco

2 colheres de sopa de manteiga

2 colheres de sopa de farinha

400 ml de líquido (água de cozer o bacalhau e leite)

sal, pimenta e noz moscada

 

Coze-se o bacalhau. Reserva-se alguma água de cozer e retiram-se as peles e espinhas. Desfia-se.

Ralam-se as batatas, as cenouras e a courgete. Reservam-se.

Num tacho alouram-se as cebolas cortadas em meia lua e os dentes de alho em azeite. Quando estiver lourinho salpica-se com umas gotas de vinagre e junta-se o bacalhau desfiado. Mexe-se bem e adicionam-se as batatas, cenouras e courgete raladas. Vai-se mexendo de vez em quando e entretanto fas-ze o molho branco.

Num tachinho derrete-se a manteiga (pode ser usada margarina) e adiciona-se a farinha mexendo bem e depressa. Adiciona-se o líquido (água de cozer o bacalhau e leite) e mexe-se bem até engrossar, cerca de 10 minutos. Tempera-se de sal, pimenta e noz moscada.

Junta-se o molho branco à mistura do bacalhau que está ao lume, rectificam-se os temperos e vira-se tudo para um tabuleiro de ir ao forno, de cerâmica é melhor. Por cima deitam-se as natas e polvilha-se com pão ralado.

Vai a forno bem quente  até estar douradinho e a borbulhar, cerca de 30 minutos.

Servir com uma salada ou legumes cozidos.

 

Qua | 27.10.10

mais uma

Quando pensamos que já experimentámos TODAS as receitas de tarte de maçã, eis que aparece mais uma à qual não se resiste. E ainda bem, é do melhor! Além disso é mais uma maneira de aproveitar a produção deste ano já que as maçãs que caem ao chão não aguentam tanto tempo e têm que ser rapidamente utilizadas.

Esta receita veio do livrinho Apple Magic que uma cunhada me deu há anos. É uma compilação de receitas de maçã que são as especialidades dos donos de alguns pomares de maçãs nos Estados Unidos. Assim como se os produtores da Maçã de Alcobaça pusessem em livro as receitas de maçã que fazem lá em casa...

 

Tarte de Maçã Ralada

 

 

1 base de massa quebrada

1 copo de açúcar

2 colheres de sopa de farinha

1 colher de chá de canela

5 maçãs

50 grs de margarina derretida

1 ovo

 

Põe-se a base da tarte numa forma e aquece-se o forno.

Numa taça juntam-se o açúcar, a farinha e a canela.

Descascam-se as maçãs e ralam-se. Usei o ralador de cenoura. Mistura-se a maçã ralada à mistura de ingredientes secos.

Bate-se o ovo e mexe-se com a margarina derretida e arrefecida. Junta-se à mistura anterior e deita-se tudo sobre a base da tarte.

Vai a forno médio por cerca de 35 a 40 minutos.

Para servir simples ou acompanhada de uma bola de gelado.

 

Ter | 26.10.10

sem mastigar

De repente, houve a necessidade de fazer algumas refeições que não obrigassem a mastigar muito, ou mesmo, que não obrigassem a mastigar. Por outro lado, os rabos da pescada congelada são sempre 'pescada non grata' por estes lados e acabam por ficar por ali meio desamparados.

Então juntou-se o útil ao agradável e fez-se este

 

Soufflé de Pescada

 

 

5 rabos de pescada

2 colheres de sopa de manteiga

2 colheres de sopa de farinha

200 ml de água de cozer a pescada

200 m de leite

3 ovos

sal

pimenta

noz moscada

 

Cozer a pescada e reservar alguma água da cozedura. Retirar pele e espinhas e desfiar o peixe.

Num tachinho derrete-se a manteiga (pode ser usada margarina) e adiciona-se a farinha mexendo bem e depressa. Adiciona-se o líquido (água de cozer o peixe e leite) e mexe-se bem até engrossar, cerca de 10 minutos. Tempera-se de sal, pimenta e noz moscada.

Separam-se as gemas das claras e batem-se as claras em castelo.

Junta-se o molho branco ao peixe desfiado e adicionam-se as gemas. Rectificam-se os temperos e envolvem-se as claras nesta mistura.

Deita-se numa forma de soufflé untada com manteiga e leva-se a forno quente por 30 minutos.

Verificar se o centro não está a abanar e retirar do forno. Servir imediatamente com uma salada ou verdura cozida.

 

Nota: Na água onde vai cozer a pescada podem-se adicionar ervas aromáticas. Neste caso usei 2 raminhos de salsa e um talo de aipo.

 

Seg | 25.10.10

receitas com história

Aqui há uns anos costumava almoçar num pequeno restaurante/salão de chá onde serviam uma sobremesa que eu adorava. Pedi a receita às donas, duas irmãs, que me disseram que não a podiam dar. Mas disseram, pelo menos, que era feita com abóbora, coisa de que eu nem sequer desconfiava.

Ao fim de algum tempo voltei a insistir e propuz-me dar-lhes em troca uma receita, também de abóbora, que era muito boa. Elas experimentavam primeiro a minha receita e, se gostassem, davam-me então a delas. Assim fizeram e passado uma semana lá me deram a receita.

Sempre pensei que não ma quisessem dar por ser um segredo de família. Qual não foi o meu espanto quando me entregaram uma fotocópia de uma receita de uma revista chamada 'Segredos de Cozinha'...

Eu sou apologista de que as receitas devem ser património do mundo!

Aqui está ela, para todos os que a quiserem experimentar.

 

Creme de Abóbora-Menina com Canela

 

 

100 grs de açúcar

1 1/2 dl de água

1 pau de canela

200 grs de puré de abóbora-menina

1 dl de natas

canela em pó q.b.

 

Ferver a água com o açúcar e o pau de canela até obter ponto de fio. Usei a água de cozer a abóbora.

Misturar ao preparado anterior o puré de abóbora e deixar ferver em lume brando até atingir ponto de estrada, cerca de 10 minutos.

Acrescentar as natas e deixar ferver novamente em lume brando, mexendo de vez em quando, por mais 5 a 10 minutos.

Retirar o pau de canela e distribuir o doce por tacinhas. Deixar arrefecer e polvilhar com canela em pó.

Servir bem frio.

 

Nota: Como é uma sobremesa um bocado calórica, deve servir-se em quantidades pequenas.

 

Sex | 22.10.10

outras verduras

Esta sopa é mesmo mimosa. Nasceu sem receita e de repente ficou mesmo boa.

Usei acelgas. Tenho 5 pés no quintal e embora ache que a folha, se bem que muito tenrinha, tem tendência a ter um sabor ligeiramente a mofo, o talo é muito saboroso e estaladiço. Fica muito bem numa sopa ou salteado com alho e azeite.

 

Sopa de Acelgas e Cebola

 

 

2 cebolas

2 tomates maduros

1 dente de alho

1 courgete

3 batatas grandinhas

5 talos de acelgas

Azeite q.b.

 

Numa panela colocam-se: 1 cebola cortada em bocados grandes, os tomates sem pele, os dentes de alho, a courgete descascada e cortada em bocados e as batatas. Cobre-se com água (cerca de litro e meio) e tempera-se de sal.

Vai ao lume até ferver, depois baixa-se o lume e deixa-se cozer por 20 minutos.

Entretanto cortam-se os talos das acelgas em rodelinhas e pica-se a outra cebola.

Passa-se a sopa com a varinha mágica e acrescenta-se a acelga e a cebola picada. Deixa-se cozer por mais 15 minutos e serve-se.

 

Qui | 21.10.10

petisco

Normalmente as pontas dos tentáculos do polvo e a bolsa não são muito apreciados e quando não se gastam a fazer arroz, podem bem ser usados assim.

 

Pataniscas de Polvo

 

 

150 grs de polvo picado

1 cebola picada

1 raminho de salsa picada

3 colheres de sopa de farinha com fermento

1 colher de sopa de farinha de grão de bico

2 ovos

1 dl de água das pedras

sal

pimenta fresca

óleo para fritar

 

Numa taça misturam-se todos os ingredientes e mexem-se bem.

À falta de farinha de grão, pode usar-se apenas farinha de trigo mas como agora se encontram as mais variadas farinhas à venda em lojas de produtos naturais, desde farinha de soja, farinha de aveia, farinha de espelta, etc., prefiro ir experimentando estas misturas.

Aquece-se o óleo numa frigideira e fritam-se colheradas da massa. Escorrem-se as pataniscas em papel absorvente e servem-se como prato principal ou como um petisco.

 

Nota:

A água das pedras faz com que a massa fique muito mais leve. Também pode ser feito com cerveja.

 

Ter | 19.10.10

tachos diferentes

O tacho de barro da foto veio do Brasil. Também conhecido por Agdá (corruptela de alguidar) pode ir ao lume ou ao forno e o único cuidado que se deve ter é, antes da primeira utilização, fazer a queima que consiste em untá-lo com óleo, enchê-lo de água e levar ao lume até que a água ferva. Depois é deixar arrefecer e a partir daí está pronto a usar.

O sabor que deixa nos cozinhados é muito agradável e completamente diferente do sabor que a mesma receita tem quando feita num tacho normal.

 

Neste caso serviu para fazer frango estufado com pimentos de Arnoia. Ao contrário dos pimentos de Padrón, também da Galiza, os de Arnoia são grandes, verde clarinho e doces, ou seja, não são picantes. Têm um sabor muito suave e nada parecido com o dos pimentos verdes que estamos habituados a ver por cá que comparativamente têm um gosto muito agressivo de que muita gente se queixa pois ficam ‘a trabalhar’ no estômago.

 

Frango estufado com Pimentos de Arnoia

  

 

1 cebola

2 dentes de alho

Tomates maduros

6 coxas de frango sem pele

Salsa

Tomilho

3 pimentos de Arnoia

sal

1 dl azeite

50 ml vinho branco

50 ml água

 

Pôr os ingredientes no tacho pela ordem indicada.

A cebola deve ser cortada em meias luas, os dentes de alho cortados em laminas ao alto e os tomates, se forem dos pequeninos como usei, podem ir inteiros, se forem grandes bastam 2 cortados aos bocados com a pele.

Vai a lume médio até ferver, depois baixa-se para lume brando e deixa-se apurar por cerca de 40 minutos. Verificar o molho, se necessário acrescentar mais um pouquinho de água.

Acompanhar com esparguete cozido ou arroz branco.

 

Seg | 18.10.10

hmmmm

Sei que para muitas pessoas o conceito de pequeno almoço passa por uma bica e um queque, ou bolo de arroz, ou empada, ou outra coisa engolida à pressa, de pé, ao balcão de um qualquer snack-bar.

Pois, a falta de tempo tem dessas coisas.

Pessoalmente não sou capaz de sair de casa sem tomar o pequeno almoço. Sentada. Não custa nada e se nos levantarmos apenas 15 minutos mais cedo, já é suficiente.

E uma das coisas que normalmente faz parte do meu pequeno almoço é iogurte com mel ou com uma colherada de compota.  Além de ficar mais barato do que o que se come lá fora, é bem mais saudável.

 

Iogurte com Compota

 

 

2 iogurte naturais

1 colher de sopa de Compota de Figo

 

Na véspera colocam-se os iogurtes a escorrer num filtro de café. Isto faz com que fiquem muito mais cremosos.

De manhã adiciona-se a compota (ou mel), mexe-se bem e está pronto a servir.

 

 

Sab | 16.10.10

WBD

Hoje comemora-se o Dia Mundial da Alimentação e também o Dia Mundial do Pão.

 

 

Para mim, um dos mais importantes alimentos é o Pão. Cada cultura tem as suas variedades, uns gostam dele mais adocicado, alguns fazem-no com fermento, outros sem sequer o levedar, pode ter os mais variados feitios e, dietas à parte, se calhar comemos pão todos os dias.

O Pão é mesmo muito importante. Quando era pequena e sempre que se deixava cair o pão no chão, dava-se um beijinho no pão antes de o continuar a comer. Continuo a fazer isso embora se calhar a maioria das pessoas o deite para o lixo depois de tocar o chão. Não sei porquê mas acho que aquele acto de lhe dar um beijo lhe retira qualquer impureza. Call me crazy!!!

 

Hoje não trago uma receita mas não quero deixar de passar este dia sem homenagear quem faz do Pão o seu modo de vida.

Esta foto retrata Pão de Centeio e Pão de Deus. São feitos pelo Senhor António que vende na praça cá da terra todos os sábados e é feito à mão, cozido em forno de lenha e dos melhores que já comi.

 

 

Para que todos possamos festejar o Dia Mundial da Alimentação é essencial não desperdiçar. Assim, chega para todos...

Qui | 14.10.10

acompanhamentos que viram a estrela da festa

Mais uma vez recorri ao blog J'en reprendrai bien un bout para me inspirar numa receita fabulosa!

A repetir, rapidamente.

 

Batatas com Cebolinho e Avelãs

 

 

Cobertura:

40 grs de manteiga fria

40 grs de queijo parmesão ralado

40 grs de avelãs em pó

100 grs de fécula de batata

1 pitada de açafrão em pó

 

Com as pontas dos dedos misturar os ingredientes acima de modo a ficar uma mistura em migalhas.

 

Base:

5 batatas médias em fatias muito finas

1 dl de leite

20 grs de manteiga amolecida

2 ovos

1 dente de alho ralado

1 pitada de sal

Pimenta fresca

70 grs de fécula de batata

1 colher de chá de fermento em pó

20 hastes de cebolinho finamente picadas

20 folhas de manjericão finamente picadas

1 raminho de salsa finamente picada

 

Numa taça mexem-se os ovos, o leite e a manteiga amolecida. Temperar de sal e pimenta e juntar a polpa do alho.

Adicionar a fécula de batata e o fermento e mexer bem para não ficar com grumos. Juntar o cebolinho, o manjericão e a salsa.

 

Com o robot de cozinha, ou à mão, cortam-se as batatas em rodelas muito finas e dispõem-se num pyrex previamente untado.

Sobre as batatas deita-se o preparado de leite e ovos de modo a cobrir bem todas as batatas.

Sobre este preparado polvilham-se as migalhas da cobertura e leva-se a forno bem quente por cerca de uma hora.

 

Deixar arrefecer ligeiramente antes de cortar em quadrados.

Servir como acompanhamento ou como refeição principal acompanhado de uma salada.

 

Notas: 

1. Fiz algumas alterações a esta receita: não usei queijo parmesão no topo, omiti o manjericão e substitui as avelãs por sementes de girassol.

2. Apesar de levar açafrão na cobertura, a cor bastante amarela do conjunto foi dada pelos 2 ovos que usei, caseiros!!!

 

Qua | 13.10.10

choc chip

Adoro fazer biscoitos e mal o tempo começa a ficar farrusco, lá estou eu de volta do forno e dos tabuleiros a experimentar receitas novas ou a fazer de novo aquelas que não sou capaz de substituir.

Para além disso, gosto muito de receitas cujo aparecimento tenha sido acidental, como é o caso desta.

O Nestlé Toll House Chocolate Chip Cookie (uff!!!)  apareceu por volta de 1930 porque uma senhora, que tinha uma estalagem chamada Toll House Inn, gostava de fazer biscoitos para oferecer na ementa e um dia em que lhe faltou o chocolate em pó, pensou que ao pôr bocadinhos pequeninos de chocolate Nestlé, eles se derretiam e misturavam na massa. Claro que isso não aconteceu e nasceram os chocolate chip cookies de que há milhentas receitas e variações nos Estados Unidos.

Resta dizer que a senhora vendeu a receita à Nestlé em troca de pepitas de chocolate para o resto da vida. Grande negócio!!!

 

Original Nestlé Toll House Chocolate Chip Cookie

 

 

2 1/4 copos de farinha

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

1 colher de chá de sal

1 copo de manteiga amolecida

3/4 de copo de açúcar branco

3/4 de copo de açúcar amarelo

1 colher de chá de baunilha

2 ovos grandes

2 copos de pepitas de chocolate Nestlé Toll House*

1 copo de nozes picadas

 

Aquecer o forno.

Misturar farinha, bicarbonato e sal numa taça.

Noutra taça bate-se a manteiga, os açúcares e a baunilha até estar cremoso. Adicionam-se os ovos, um de cada vez, batendo bem. Juntar  a mistura de farinha e mexer, adicionando também as pepitas de chocolate e as nozes. Deitar colheredas desta massa num tabuleiro forrado com papel de ir ao forno e levar a forno quente por 9 a 11 minutos.

Esta receita dá para cerca de 5 dúzias de biscoitos. Parece muito mas confiem em mim, não é nada!

 

 

* usei pepitas de chocolate de outra marca

 

Ter | 12.10.10

farinha de grão-de-bico

Gosto mesmo de cozinhar com ingredientes novos. A farinha de grão entra em muitas receitas indianas e do médio oriente mas por cá não é muito conhecida apesar de o grão-de-bico ser muito importante na nossa alimentação.

Agora que experimentei e gostei, procuro novos usos para esta farinha.

Esta receita encontrei-a aqui e é facílima de fazer e super saborosa.

Para o recheio, usamos a imaginação. Neste caso foi uma sobra de strogonoff que já não dava para uma refeição mas serviu muito bem nestas tortilhas.

 

Tortilhas de Farinha de Grão

 

 

2 colheres de sopa de farinha de grão-de-bico *

4 colheres de sopa de água

sal

 

Numa taça misturar os ingredientes. Esta quantidade dá para uma tortilha grande. Não usei sal porque o receheio era bem condimentado e não achei necessário.

Aquecer uma frigideira antiaderente com um fiozinho de azeite ou óleo, mesmo pouco, é só para engordurar a frigideira.

Deitar a massa e rapidamente fazer com que tape o fundo da frigideira. Deixar cozer por dois minutos e virar com a ajuda de uma espátula. Deixar cozer um minuto do outro lado e retirar para um prato.

Rechear, enrolar, comer (parece o título de um filme {#emotions_dlg.sarcastic}).

 

 

*À venda em lojas de produtos naturais

 

Seg | 11.10.10

dia especial

Ontem foi uma data muito especial e para a assinalar nada melhor do que este bolo!

 

Bolo de Cenoura e Nozes

 

 

100 grs de margarina derretida

2 ovos

150 grs de açúcar amarelo

200 grs de farinha com fermento

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

1 colher de chá de gengibre em pó

150 grs de cenoura ralada

100 grs de nozes picadas

 

Ligar o forno para aquecer.

Numa taça misturam-se a farinha, o açúcar, o bicarbonato e o gengibre. Junta-se a margarina derretida e mexe-se. Adicionam-se também os ovos ligeiramente batidos e envolve-se tudo muito bem.

Junta-se a cenoura ralada e as nozes.

Deita-se a massa numa forma (usei uma de bolo inglês) e leva-se ao forno por cerca de 40 minutos.

Tira-se do forno e deixa-se arrefecer.

 

Para a decoração:

1 tablete de chocolate semi amargo (75% cacau)

2 dl de leite

açúcar em pó

 

Derrete-se o chocolate juntamente com o leite e mexe-se bem para ficar uma pasta homogénea e boa para barrar.

Barra-se o bolo com o chocolate e deixa-se secar (é preciso paciência, eu não tive muita e nota-se...).

Polvilhar com açúcar em pó sobre um molde (neste caso da data: 10.10.10).

 

Sex | 08.10.10

estamos naquela época

Das maçãs!!! Ainda por cima com o vendaval cairam uma data delas e teve que se arranjar destino para algumas que ficaram pisadas e não podiam esperar...

 

Esta receita, para não ser a mesma de sempre (que por sinal é excelente), estava para experimentar há anos, de um livrinho que uma cunhada me deu apenas com receitas de maçã. Já fiz por duas vezes e é mesmo bom. Optei por forminhas pequenas descartáveis de alumínio porque assim sempre há uns sortudos que recebem um para provar.

 

Bolo de Maçã

 

 

 

3 ovos

1/2 copo de óleo de girassol

1/2 copo de leite

1 e 1/2 copos de açúcar

1 colher de chá de baunilha

3 copos de farinha com fermento

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

1 colher de sopa de canela

uma pitada de noz moscada

3 copos de maçãs descascadas e cortadas aos quadradinhos

1 copo de nozes (opcional)

 

Numa taça grande bater os ovos, o óleo, o leite, o açúcar, a baunilha até ficar uma mistura homogénea. Adicionar os ingrediente secos e mexer bem. Juntar as maçãs e as nozes (não usei nozes) e deitar às colheradas em quatro formas pequenas de alumínio previamente untadas (ou apenas numa forma de bolo inglês).

Levar a forno médio por cerca de 45 minutos.

 

Qui | 07.10.10

outra vez...

Uma amiga queixa-se de que ponho aqui muitas receitas de quiches e tartes e para quem vive só não é nada prático.

Pode ser, mas se fizermos uma tarte destas e sobrar podemos sempre congelar umas fatias que podem ser usadas mais tarde, naqueles dias em que não há tempo para cozinhar ou então para levar como almoço portátil. É só uma ideia. Outra é convidar os amigos para jantar e assim já não há desculpas {#emotions_dlg.blink}

 

tarte de courgete e queijo de cabra

 

 

 

1 base de tarte de massa folhada

2 dentes de alho grandes

3 colheres de sopa de azeite

1 courgete

4 raminhos de tomilho fresco

100 grs de queijo chèvre

100 ml de natas de soja

100 ml de leite

sal

pimenta

 

Numa frigideira salteiam-se os alhos e os raminhos de tomilho em azeite, juntam-se as tirinhas de courgete (cortar ao alto com o descascador de batatas, ficam fininhas), temperam-se de sal e pimenta e deixam-se amolecer, aí cerca de uns 5 minutos.

Numa taça batem-se 3 ovos com 100 ml de natas de soja (ou normais) e 100 ml de leite. Tempera-se com uma pitada de sal e pimenta fresca.

Põe-se a massa da tarte numa forma (aproveitar o papel que vem com a massa para não ter que untar a forma, o papel serve de base) e por cima dispõem-se as tiras de courgete e o queijo em bocadinhos. Por cima deita-se a mistura de ovos e natas/leite e leva-se a forno bem quente por 20/25 minutos.

Servir quente ou frio.

 

Qua | 06.10.10

tea time

Uma das minhas personagens favoritas é Miss Marple, dos policiais de Agatha Christie. É muito sagaz, vivaça, soluciona crimes enquanto faz tricot e adora o seu 'afternoon tea' onde não podem faltar os scones. Como estes.

 

Scones do Devonshire

 

 

Misturar 1/2 colher de sal em 240 grs de farinha e adicionar 90 grs de manteiga bem fria. Com as mão misturar bem para que fique em migalhas. Numa taça bater um ovo com 1/2 colher de sopa de açúcar e duas colheres de sopa de leite. Adicionar esta mistura às migalhas de farinha e manteiga até formar uma massa espessa. Estender a massa com cerca de 2 cms de altura e cortar rodelas de cerca de 5 cms de largura com uma forma de corte (ou um copo). Pincelar o topo com leite e levar a forno bem quente por cerca de dez minutos. A melhor maneira de os servir é com natas espessas batidas e compota de morango.

 

'I think, my dear,' she said, 'we won't talk any more about murder during tea. Such an unpleasant subject!'

 

Seg | 04.10.10

guloseima

Podia fazer uma refeição a comer apenas disto. Principalmente feito com broa de milho cozida pelo meu irmão que a faz como a minha Mãe costumava fazer, com uma mistura de farinha de centeio e cozida em forno de lenha. Maravilha!

 

Broa Frita

 

 

6 fatias de broa

2 dl de azeite

orégãos

 

Numa frigideira aquecer bem o azeite e colocar as fatias de broa. Deixar fritar por três minutos e virar do outro lado deixando acabar de fritar por mais dois ou três minutos. A broa deve ficar com um aspecto estaladiço.

Retirar da frigideira e polvilhar com orégãos.

Pág. 1/2