Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Sex | 30.04.10

máquina de fazer pão

Tenho uma máquina de fazer pão aí há nove ou dez anos.

Só ontem, ONTEM!!!, é que descobri que tem um programa de cozedura rápida (59 minutos).

Experimentei com a receita abaixo, que sai sempre esplendorosamente no ciclo normal (2h 50m). Não sai tão bem na rápida mas ainda assim é bastante bom e confesso que a ideia era mesmo ver se o programa 'rapidinha' funcionava.

Funciona. Agora vão ser mais uns dez anos a usar o ciclo normal...

 

Pão Branco

 

      

 

1 e 1/4 copos de leite

1 colher de sopa de vinagre

1 colher de sopa de margarina

1 colher de sobremesa de açúcar amarelo

1 colher de chá de sal

3 e 1/4 copos de farinha

2 colheres de chá de fermento

 

Juntar o vinagre e o leite e deixar repousar por 5 minutos.

Colocar os ingredientes todos na máquina pela ordem indicada (começar com a mistura de leite e vinagre).

Escolher o programa de cozedura normal.

 

Qui | 29.04.10

tão fácil!

Para abrilhantar uns queijinhos frescos de cabra (pasteurizados) nada melhor do que um belo molho.

Fica uma sobremesa que além de não ser muito calórica, é rápida, fácil e a baixo custo.

Para esta usei ruibarbo mas pode ser com qualquer fruta: morangos, pêssegos, maçãs, etc.

 

Molho de Ruibarbo

 

 

1/2 copo de água

sumo de meio limão

2 colheres de sopa de mel*

6 talos de ruibarbo

 

Num tachinho põe-se a água, o sumo de limão e o mel* (usei 'maple syrup'). Deixa-se levantar fervura e adiciona-se o ruibarbo cortado em bocadinhos. Ferve por mais três minutos.

Retira-se o ruibarbo com uma escumadeira e deixa-de ferver o molho por mais 5 minutos.

Deitam-se colheradas de fruta e molho sobre os queijinhos.

É bom mesmo ao pequeno-almoço!

 

Qua | 28.04.10

acompanhantes

 

Estas batatas são excelentes para acompanhar carnes grelhadas.

Está mesmo na altura delas! Quando são novinhas são meio adocicadas e o sabor é muito diferente das batatas no resto do ano. O resultado final desta receita são umas batatas que ficam caramelizadas com os açúcares que libertam enquanto assam. 

Experimentem, que isto passa-lhes rápido!

 

Batatas novas no forno com funcho

 

 

1 kg de batatinhas novas

1 bolbo de funcho

1 cebola

ervas de provença q.b.

sal q.b

2 dl de azeite

 

Lavam-se as batatas muito bem para retirar toda a terra. Cortam-se ao alto mas sem separar as duas metades e põem-se num tabuleiro ou num pyrex para levar ao forno.

Descasca-se a cebola e corta-se grosseiramente em meias luas. Corta-se o funcho do mesmo modo e espalha-se a cebola e o funcho sobre as batatas.

Tempera-se com ervas de provença (ou outra escolha de ervas aromáticas) e sal. Por cima deita-se o azeite em fio.

Vai ao forno por cerca de uma hora. Convém ir abanando o tabuleiro para que não pegue ao fundo.

 

 

Ter | 27.04.10

antiguidades

Mais uma maneira de utilizar filetes sem serem fritos. Eu gosto muito de filetes fritos mas procuro alternativas à frigideira e esta é uma boa opção. Esta receita é de uma teleculinária de 1979.

Muito à frente, o Chefe Silva {#emotions_dlg.blink}

 

Tímbalo de Filetes

 

 

500 grs de filetes de pescada

1,5 dl de vinho branco

1,5 dl de água

1,5 dl de leite

Meio limão pequeno

50 grs de margarina

2 colheres de sopa de farinha

2 colheres de sopa de polpa de tomate*

sal, pimenta fresca e noz moscada, q.b.

3 hastes de cebolinho

 

Numa tacho junta-se o vinho com o leite e a água, tempera-se de sal e leva-se ao lume com os filetes previamente cortados em quadrados. Deixa-se levantar fervura e cozer por cinco minutos

Retiram-se os filetes do líquido que se reserva para fazer o molho.

Num tachinho derrete-se a margarina, junta-se a farinha mexendo bem. De seguida adiciona-se o líquido de cozer os filetes e mexe-se muito bem para não ganhar grumos. Deixa-se levantar fervura e ferver por um a dois minutos. Se por acaso tiver grumos, deve-se passar por um passador de rede. Tempera-se de pimenta fresca e noz moscada e rectifica-se o sal, se for necessário.

Adiciona-se sumo de meio limão e a polpa de tomate *(eu usei mostarda e uma pitada de açafrão das índias em vez da polpa de tomate). Juntam-se os quadradinhos de filetes ao molho.

Serve-se sobre arroz branco cozido. O arroz basmati fica muito bem neste prato.

Enfeitar com cebolinho.

 

Qua | 21.04.10

papelotes

E agora, mais um peixinho.

 

Filetes de Solha em Bolsas de Alumínio

 

 

2 filetes de solha

1 limão

12 espargos

1 raminho de tomilho

2 colheres de sopa de mostarda

sal

pimenta

azeite

 

Ligar o forno.

Numa base estender cerca de 1 metro de alumínio. Deitar um fio de azeite no espaço onde se vão assentar os filetes, aí a 1/3 do papel.

Por cima coloca-se um filete. Tempera-se de sal e pimenta e em cima põem-se duas ou três rodelas, fininhas, de limão. Sobre o limão põem-se os espargos e por cima os bocadinhos de tomilho. Novo tempero de pimenta e à volta põe-se um bocadinho de mostarda. Rega-se tudo com um fio de azeite.

Dobra-se o alumínio sobre os filetes e a toda a volta prende-se bem como que a fazer uma bolsa bem fechada. O alumínio tem que ser um bocado maior do que o espaço ocupado pelos filetes porque no forno vai inchar e fazer cozer os filetes no vapor que se cria lá dentro. É por esta razão que tem que estar tudo muito bem fechado, para não deixar escapar o vapor.

Repete-se o procedimento com o outro filete e restantes ingredientes e levam-se as bolsas ao forno num tabuleiro. Deixa-se cozer cerca de 20 minutos.

Servir com batatinhas novas cozidas com a pele.

 

 

antes                                       depois

 

Ter | 20.04.10

pavlova, take #1

Não foi um sucesso, mas já deu para ver que é bom e quais os erros feitos na pressa.

Confesso que para mim as receitas são normalmente uma inspiração, leio-as e depois parto dali para qualquer coisa que pode ou não ficar parecida com aquilo que li.

Neste caso, encontrei uma receita de Pavlova que me pareceu fácil e, como até tinha umas claras 'a pastar' no frigorífico, toca a experimentar.

Tudo muito bem, fácil de fazer, o ponto das claras 'no ponto'. Enfim, os ingredientes todos para um sucesso.

Mas não, tinha que me ter esquecido que a temperatura do forno neste caso era MUITO importante e lá foi ela, para um forno no máximo, onde crestou logo, logo, e o que deveria ter ficado por uma hora em forno baixo, foram cerca de 15 minutos, isto para não se estragar tudo!

Para a próxima já sei...

 

Pavlova com Creme de Queijo e Molho de Morangos

 

 

 

Pavlova

4 claras

3/4 de copo de açúcar

 

Bater as claras em castelo. Quando estiverem já altinhas e com aspecto espumoso, adiciona-se o açúcar, uma colher de cada vez, deixa-se incorporar e continua-se a bater muito bem até se formarem picos que não perdem a forma.

Num tabuleiro forrado com uma folha de papel vegetal dispõem-se as claras batidas a formar um monte redondinho.

Vai a forno quente que imediatamente se põe no mínimo e deixa-se cozer por cerca de uma hora. Se começar a ficar tostado, tapa-se com um bocado de papel de alumínio.

Ao fim do tempo recomendado, desliga-se o forno e deixa-se a Pavlova lá dentro por duas horas. Muda-se para um prato de servir.

 

Creme de Queijo

300 grs de queijo fresco pasteurizado

50 grs de açúcar

 

Para fazer o creme de queijo (usei Fromage Blanc, da Paturages), bate-se o queijo com o açúcar até ficar parecido com chantilly. Põe-se este creme sobre a Pavlova e por cima dispõem-se os morangos e o molho que tiverem.

 

Molho de Morangos

500 grs de morangos bem maduros

1 colher de sopa de açúcar amarelo

1 colher de sopa de vinagre balsâmico

 

Limpar os morangos, retirar os pés e cortar em rodelas grossas. Colocar numa frigideira, polvilhar com uma colher bem cheia de açúcar amarelo e uma colher de vinagre balsâmico. Levar ao lume até ferver, mexer e deixar borbulhar por cinco minutos.

Deixar arrefecer e utilizar como molho em: pavlova, requeijão, iogurte, cheesecake, etc.

 

Seg | 19.04.10

sem ovos não dá...

Tudo o que leve ovos é bem vindo cá para os meus lados. Gosto de ovos de todas as formas e feitios mas se calhar a omelete é aquela que menos faço.

Com a desculpa de um queijo mozarela já quase a ir para o 'céu dos queijos mozarela,'' experimentei uma receita inventada. Teve que ser comida muito rápido, só ficou o registo do 'antes'.

 

Omelete de queijo mozarela e coentros

(2 omeletes médias)

 

Omelete de Mozarela e Coentros

 

 

4 ovos

1 colher de chá de adobo (ou sal e pimenta)

1 queijo mozarela

1 raminho de coentros

 

Bater os ovos e temperar com o tempero escolhido.Cortar o queijo mozarela em rodelas.

Numa frigideira deitam-se umas gotas de azeite, menos de uma colher de sopa. Deixa-se aquecer e com um papel de cozinha espalha-se a gordura por toda a frigideira, absorvendo o excesso.

Verter metade dos ovos para a frigideira, deixar cozer a parte de baixo e em metade da omelete dispôr algumas rodelas do queijo e umas folhas de coentros. A outra metade dobra-se sobre o queijo e, com a ajuda de uma espátula, volta-se a omelete ao contrário, para derreter bem o queijo.

Retirar para um prato e fazer a segunda omelete.

Servir com uma salada verde.

Seg | 12.04.10

fácil e bom

Mais uma sobremesa, daquelas que o tempo quente pede. Esta é uma versão menos 'rica' do que a normal. O sabor também fica um pouco diferente por isso, quem estiver a pensar no sabor tradicional da receita, o melhor é experimentar antes esta.

 

Pannacotta com molho de caramelo e canela

 

 

4 folhas de gelatina

1 copo de natas

1/3 de copo de açúcar

1 e 1/2 copos de 'buttermilk' *

1 colher de chá de extracto de baunilha

1/2 copo de açúcar amarelo

1/2 copo de natas

1 colher de sopa de canela em pó

 

Colocar as folhas de gelatina de molho em água fria.

Numa caçarola levam-se ao lume 1 copo de natas e 1/3 de copo de açúcar. Deixar aquecer bem até dissolver o açúcar mas não deixar ferver. Retirar do lume, juntar as folhas de gelatina espremidas e deixar amornar, mexendo de vez em quando.

Adicionar o 'buttermilk' e a baunilha. Mexer bem e deitar em tacinhas individuais ou numa taça grande, untadas com um bocadinho de óleo para facilitar na altura de desenformar.

Levar ao frigorífico até estar solidificado, cerca de 4 horas para as tacinhas, mais umas horas se for uma taça grande.

Num tachinho combinam-se o açúcar amarelo, as natas e a canela em pó e leva-se ao lume até dissolver o açúcar e o molho ficar macio. Não deixar ferver para não talhar.

Para servir as pannacottas basta passar a ponta de uma faca pela beirinha no topo para soltar e deitar sobre um prato. Colocar molho por cima e enfeitar com um pau de canela.

Usei uma foma de silicone e elas deslizaram sem ser necessário ajudar com a faca.

 

 

 

* Por cá não temos acesso a este produto lácteo mas podemos substiruir com o mesmo efeito da seguinte forma:

para 1 1/2 copos de leite misturamos 1 1/2 colheres de sopa de vinagre e deixamos repousar cinco minutos. Depois é só utilizar conforme a receita.

Sab | 10.04.10

está na altura

Aqui há uns tempos, fiz limões em conserva. Estão prontos a serem utilizados e se bem que normalmente os use para fazer um qualquer prato de frango à marroquina, deste vez decidi experimentar numa tarte salgada adaptada de uma receita tunisina. Ficou excelente.

 

Tarte de Atum e Limão em Conserva

 

 

 

1 base de tarte de massa quebrada

1 cebola média picada

2 latas de atum

1 colher de sopa de mostarda

2 talos de aipo

1 colher de sopa de casca de limão picada

Sal

Pimenta fresca

2 ovos

1/2 copo de leite

1/2 copo de natas

 

Por a massa numa tarteira. Numa taça mexer a cebola picada, o atum desfiado, a mostarda, o aipo em rodelas fininhas, a casca do limão bem picadinha (passam-se as rodelas de limão por água para tirar o excesso de sal e descarta-se a parte de dentro, aproveitando apenas a casca) e tempera-se com sal e pimenta moida na altura.

Noutra taça batem-se os ovos com o leite e as natas, adicionam-se à mistura de atum mexendo bem. Verte-se esta mistura para cima da massa da tarte e leva-se ao forno bem quente por 30 minutos, até alourar e o centro da tarte não se mostrar líquido.

Serve-se com uma salada.

 

Sex | 09.04.10

na Quaresma

Mais uma das receitas do fim de semana. Acho que as visitas se fartaram de comer peixe mas sexta-feira santa oblige{#emotions_dlg.angel}

 

Pescada no Forno

 

 

4 postas de pescada

1 cebola picada

1 dente de alho picado

1 raminho de salsa picada

1 talo de aipo picado

miolo de um pão seco*

meio copo de vinho branco

meio copo de água

sal e pimenta q.b.

azeite

 

Colocam-se as postas de pescada num tabuleiro e temperam-se com uns grãozinhos de sal, pouco.

Numa taça misturam-se a cebola, alho, salsa, aipo e o miolo de pão. Tempera-se esta mistura com sal e pimenta e coloca-se por cima das postas de pescada. Por cima deita-se a mistura de vinho e água e finaliza-se com umas boas goladas de azeite.

Vai ao forno bem quente cerca de 30 minutos, até a parte de cima estar bem tostadinha.

Acompanhar com arroz ou puré, uma boa salada de alface e coentros, e beterraba cozida.

 

*Usei pão sementes, feito na máquina

Qua | 07.04.10

mais receitas do fim de semana

Esta receita foi adaptada de uma que saíu na revista Bon Appétit de Março. O curioso é que para ficar crocante leva batata palha antes de ir ao forno. É mesmo muito bom!

 

Empadão de Atum e Tagliatelle

 


4 colheres de sopa de azeite

2 alhos franceses cortados em rodelas muito fininhas

2 talos de aipo às rodelas

¼ de colher de chá de sementes de aipo

2 colheres de sopa bem cheias de farinha

2 copos de leite

½ copo de natas

Sumo de meio limão

250 grs de tagliatelle ou esparguete

2 latas de atum

Sal q.b.

Noz moscada q.b.

1 copo de Batata Palha esmigalhada

 

Numa frigideira larga aloura-se o alho francês no azeite e juntam-se as sementes de aipo. Deixa-se cozer mexendo de vez em quando, cerca de 5 minutos.

Adiciona-se a farinha e mexe-se bem. Junta-se o leite e as natas e deixa-se engrossar ligeiramente. Tempera-se de sal e sumo de limão e reserva-se.

 

Entretanto coze-se o tagliatelle em água abundante temperada de sal. Escorrem-se e reserva-se um pouco da água da cozedura. Põe-se a massa numa taça grande e mistura-se com o molho feito com o alho francês, aipo e leite. Juntam-se umas colheres do líquido de cozer a massa para que a mistura não fique muito grossa (umas 8 colheres de sopa). Junta-se o atum escorrido e desfiado, mexe-se tudo muito bem e ajustam-se temperos, sal, noz moscada, etc.

 

Coloca-se esta mistura num tabuleiro de ir ao forno. Por cima polvilha-se com a batata palha esmigalhada e leva-se a forno bem quente por cerca de meia hora.

 

Servir com uma salada.

Seg | 05.04.10

fim de festa...

Este fim de semana alargado houve visitas, muitos cozinhados, algumas receitas novas e nenhuma foto... lá está, não se pode ter tudo e por isso as próximas receitas se calhar têm que se ficar apenas pelas palavras.

Vamos começar pela primeira, uma tarte de maçã e ruibarbo que não pude documentar em imagem. Foi servida com uma bola de gelado a acompanhar e segundo o 'ohohmetro' estava muito boa.

 

 

Tarte Tatin de Maçã e Ruibarbo

 

 

 

80 grs de açúcar

50 grs de margarina

3 maçãs

6 talos de ruibarbo

1 base de tarte de massa folhada

canela

 

Cortar os talos de ruibarbo em bocadinhos de cerca de 1 cm. Descascar as maçãs, descaroçar e cortar em meias luas fininhas.

Na base de uma tarteira polvilha-se o açúcar e por cima põem-se bocadinhos de margarina. Sobre esta base colocam-se as meias luas de maçã e por cima o ruibarbo. Tapa-se tudo com a massa folhada e leva-se a forno bem quente por cerca de 30 minutos.

Quando estiver cozido, tira-se do forno e vira-se para um prato. A massa folhada fica por baixo e as maçãs fazem o topo da tarte. Polvilha-se com canela.

É muito aromático!

 

Editado: afinal sempre apareceu uma foto que faz jus à tarte :))