Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Dom | 31.01.10

aperitivos saudáveis

Esta receita, descoberta por acaso, é mesmo daquelas que me fazem pensar onde é que eu andei estes anos todos, que só agora a descobri!!!

Tem um ingrediente que adoro, grão-de-bico, e é um aperitivo excelente para quando apetece fazer um raide à dispensa. É só juntar uma cervejinha.

 

Grão-de-Bico Tostado

 

 

1 lata de gão-de-bico

1 colher de chá de pimentão doce

1/2 colher de chá de sal

1 colher de chá de pimenta de caiena

2 colheres de sopa de azeite

 

Retirar o grão-de-bico de uma lata ou frasco e passar por água. Deixar escorrer bem e colocar numa taça onde já temos misturado uma colher de chá de pimentão doce, meia colher de chá de sal e uma colher de chá de pimenta de caiena.

Abana-se bem para que os grãos fiquem cobertos com esta mistura e por cima deitamos uma a duas colheres de sopa de azeite. Volta-se a mexer bem para que todos os grãos fiquem envoltos na mistura.

Vai ao forno num tabuleiro por cerca de uma hora. Deve-se ir abanando o tabuleiro de vez em quando para tostar de todos os lados.Os grãos devem ficar bem crocantes.

É uma boa maneira de aproveitar o forno quando se faz um assado, por exemplo, e sobra sempre espaço para pôr outro tabuleiro.

 

Sab | 30.01.10

luminoso, como o sol

Este bolo tem um aspecto mesmo luminoso, não é só porque os ovos usados são caseiros mas porque o azeite lhe dá um tom amarelo que é mesmo apetecível. Para quem quiser experimentar um bolo que não vai em conversas de dietas...

 

Bolo de Azeite e Limão

 

 

 

 

1 1/5 copos de açúcar

3 ovos

1 copo de azeite extra virgem

1 1/5 copos de leite

raspa de um limão

2 copos de farinha

1 colher de chá de fermento em pó

1 pitada de sal

 

Peneirar a farinha, o fermento em pó e o sal para uma taça.

Noutra taça bate-se o açúcar com os ovos até ficar bem cremoso. Junta-se o azeite, o leite e a raspa de limão e bate-se bem.

Misturar aos ingredientes secos de modo a não criar grumos e ficar bem misturado.

Deitar em forma untada e passada por farinha e levar a forno bem quente cerca de 50 minutos, verificar com um palito, deve estar sequinho.

Retirar do forno e deixar arrefecer na forma. Virar para um prato e servir.

Parece luz!

Sex | 29.01.10

para o fim de semana...

Nunca tinha feito Bacalhau Espiritual. Comi uma vez num restaurante, há anos, e não gostei por isso não me tentava a experimentar.

Aqui há uns tempos, a espreitar blogs de cozinha que aprecio, descobri uma receita que me pareceu boa e que, se não fosse, também não vinha mal ao mundo porque não dava muito trabalho a fazer.

Ficou espectacular e já faz parte das minhas preferências. Esta receita é uma variação de uma que veio daqui.

 

Bacalhau Espiritual

 

 

 

2 postas médias de bacalhau demolhado
2 cenouras grandes
1 cebola grande
2 dentes de alho

azeite q.b.
sal e pimenta q.b.

3 pães
1 copo de leite morno

Molho Béchamel

2 colheres de sopa de margarina

2 colheres de sopa de farinha

1 copo de leite*

1 copo de água de ferver o bacalhau*

2 ovos (separar gemas das claras)


Pique a cebola, as cenouras e os dentes de alho na picadora. Aloure tudo num tacho com azeite durante cerca de 5 minutos.
Escalde as postas de bacalhau num tacho com água, deixando levantar fervura. Retire o bacalhau para arrefecer e reserve a água para fazer o molho bechamel.

Desfie o bacalhau e junte-o ao refogado.
Entretanto demolhe o pão partido em pedaços no leite morno, escorra e junte o pão à mistura de bacalhau. Envolva bem.

Faça um molho bechamel com 2 colheres de sopa de margarina derretida num tachinho, adicione-lhe 2 colheres de farinha mexendo sempre e adicione 1 copo da água de cozer o bacalhau e 1 copo de leite. Mexa sempre até engrossar, ajuste o líquido se necessário e tempere com sal, pimenta e noz moscada.
A metade do molho bechamel junte as 2 gemas de ovo e envolva tudo no preparado anterior.
Verifique os temperos. Coloque a mistura num tabuleiro de ir ao forno.
Bata as 2 claras em castelo firme e junte-lhes o restante bechamel. Cubra o preparado de bacalhau com este bechamel e leve a forno quente até ficar dourado. Sirva de imediato com uma salada verde ou com legumes cozidos (grelos, feijão verde, bróculos, etc.)

 

* Esta receita é versátil e se tivermos bacalhau já desfiado de compra, pode-se fazer sem ser necessário fervê-lo pelo que nesse caso, para o molho bechamel, pode usar apenas leite e saltar o passo de ferver e desfiar o bacalhau...

Qua | 27.01.10

não me canso...

Pronto, confesso: sou gulosa. Adoro biscoitos, bolachas, essas coisas, mas os que se compram são excessivamente doces para o meu gosto e com muita gordura, muitos 'Equalquer coisa' que normalmente só fazem com que coisas boas se tornem não tão saudáveis.

É por isso que faço a maioria dos biscoitos que por cá se consomem. Há uns que dão mais trabalho do que outros mas na maioria são fáceis de fazer, então quando é só fazer bolinhas e achatar, não pode ser melhor.

Estes, além disso, permitem gastar mais uma laranjita...

 

Biscoitos de Pepitas de Chocolate e Laranja

 

 

1 copo de açúcar

2/3 de copo de margarina amolecida (150 grs)

raspa de uma laranja

1 ovo

1 1/2 copos de farinha

1/3 de copo de cacau em pó

1/4 de colher de chá de sal

1/4 de colher de chá de bicarbonato de sódio

1/4 de colher de chá de fermento em pó

1 copo de nozes picadas

100 grs de pepitas de chocolate

 

1 - Ligar o forno para aquecer.

2 - Bater o açúcar, margarina, raspa de laranja e ovo numa taça grande.

3 - Adicionar o cacau, farinha, sal, bicarbonato e fermento. Mexer bem.

4 - Juntar as nozes e as pepitas de chocolate.

5 - Moldar bolinhas do tamanho de nozes e espalmar.

6 - Colocar num tabuleiro forrado com papel de ir ao forno*.

7 - Cozer cerca de 10 minutos.

8 - Retirar do tabuleiro e deixar arrefecer.

 

Se quiserem podem colocar metades de noz sobre os biscoitos antes de levar ao forno.

 

* à venda em supermercados

Ter | 26.01.10

Romã

Gosto de romãs. Nunca contei os bagos mas parece que são exactamente 613, o mesmo número dos mandamentos da Torah, o livro sagrado dos Judeus.

Nós chamamos-lhe romã que é uma palavra que deriva do árabe 'rummân' enquanto que noutros países lhe chamam pomegranate ou granada e é costume comer-se no dia de Reis.

As suas propriedades são tantas que é conhecida como 'antibiótico natural'. Tem muita vitamina C, é antioxidante, ajuda a prevenir o cancro da próstata, evita a criação de gordura no sangue, ajuda nas inflamações da garganta como as amigdalites, faringites, etc. e é mesmo muito saborosa.

Toca a experimentar porque além do mais, a operação de retirar os bagos pode ser calmante e a cor é maravilhosa... e já agora, confirmem se sempre são 613.

 

 

Seg | 25.01.10

ingredientes menos comuns

Sempre tive curiosidade por alcachofras mas são um ingrediente que utilizo pouco. Nunca as comi frescas e tenho a certeza de que quando isso acontecer vai suceder o mesmo que com os espargos: os frescos estão a anos luz dos de conserva.

Mas, por enquanto, contento-me com as de conserva, neste caso eram corações de alcachofra (também há fundos de alcachofra).

 

Tarte de Alcachofras e queijo Feta

 

 

 

1 base de massa folhada

1 lata de corações de alcachofra

4 ovos

1 pacote de natas

50 grs de queijo Feta

 

 sal e pimenta

 

Numa tarteira põe-se a base da massa folhada. Por cima colocam-se os corações de alcachofra escorridos e cortados aos bocados. Esfarela-se o queijo com as mãos sobre as alcachofras.

Numa taça batem-se os ovos com as natas e tempera-se com sal e pimenta. Não se deve usar muito sal já que o queijo Feta é bastante salgado.

Deita-se esta mistura sobre as alcachofras e leva-se ao forno bem quente por cerca de 30 minutos, até ficar bem lourinho.

Serve como prato principal acompanhado de uma salada ou como complemento a uma sopa, para o jantar.

 

 

 

Dom | 24.01.10

velhas receitas, novos sabores

Tenho esta receita, escrita pela mão de uma amiga, há cerca de 15 anos. Nunca a tinha experimentado mas na altura era uma sobremesa muito em voga. Percebo agora porque é que era tão badalada, é mesmo boa.

 

Bolo Mousse de Chocolate

 

 

6 ovos

1 tablete de chocolate com 200 grs

125 grs de manteiga

125 grs de açúcar

1 colher de sopa de farinha

 

 

Bate-se o açúcar com a manteiga até ficar em creme. Misturam-se as gemas dos ovos, uma de cada vez, batendo bem.

Entretanto põe-se o chocolate a derreter numa caçarola ou no microondas. Adiciona-se o chocolate derretido ao preparado anterior. Batem-se as claras em castelo bem firme e misturam-se à massa sem bater para não quebrar as claras.

Divide-se o preparado em duas partes: 1/3 põe-se numa taça e leva-se ao frigorífico, aos outros 2/3 acrescenta-se a colher de farinha, bem cheia, a fazer monte, e mistura-se suavemente.

Leva-se esta massa ao forno, em forma sem buraco untada com margarina. Fica no forno por 20 minutos mas deve-se verificar a partir dos 15 pois rapidamente coze demais. No meu forno levou exactamente 20 minutos, em forno médio (não tem termostato).

Desenforma-se, deixa-se arrefecer (vai abater um pouco) e por cima deita-se a mousse que se guardou no frigorífico. Polvilhar com açúcar em pó e comer bem fresco.

 

 

Seg | 18.01.10

perishable thoughts...

Chá, adoro chá. Preto, daquele mesmo forte. Estes são alguns dos que me têm oferecido (pronto, alguns dos que eu tenho pedinchado sem qualquer tipo de vergonha sempre que alguém conhecido vai 'lá fora'... )

 

 

 

Sab | 16.01.10

O meu novo bolo favorito...

Já perceberam, é a época das laranjas e tenho que encontrar maneira de ir gastando algumas para além dos sumos e de dar a quem não tem a sorte de ter umas árvores tão generosas.

 

Este bolo é muito simples, deve ser o primeiro bolo que alguém faz, pela sua simplicidade e por raramente correr mal. A novidade aqui é a calda que lhe acrescento, com muita laranja.

 

Bolo de Iogurte com Calda de Laranja

 

 

 

1 iogurte natural

4 ovos

3 medidas de iogurte de açúcar

3 medidas de iogurte de farinha com fermento

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

1 medida de iogurte de óleo

 

Misturam-se o açúcar, a farinha e o bicarbonato de sódio numa tigela. Juntam-se os restantes ingrediente e mexe-se bem. Deita-se a massa numa forma untada e leva-se a forno quente por cerca de 30 minutos.

 

Enquanto o bolo coze, faz-se a calda.

 

Calda de Laranja

 

1/2 copo de açúcar

1 copo de água

2 laranjas (raspa e sumo)

 

Num tachinho misturam-se bem todos os ingredientes e levam-se ao lume até ferver, mexendo de vez em quando. Deixar apurar em lume brando por 15 minutos.

 

Depois de desenformado o bolo, fazem-se um furinhos com um palito e deita-se a calda sobre o bolo.

Qua | 13.01.10

restos, sobras...

Quando sobra carne assada e não queremos andar uma semana a comer sandes, ou vamos deixando ficar até que acaba por se estragar, ou pensamos numa maneira catita de disfarçar a dita carne.

 

Um empadão é sempre uma boa opção, rende bastante e normalmente ninguém adivinha que aquilo são as sobras do assado de domingo.

 

Empadão de lombo de porco assado

 

 

 

Faz-se um refogado com uma cebola, azeite e um tomate pelado. Salpicam-se umas gotas de vinho e mistura-se carne assada entretanto picada na picadora. Deixa-se apurar e rectificam-se os temperos a gosto.

 

Num tacho à parte cozem-se batatas com um dente de alho e sal. Escorre-se a água e faz-se um puré juntando um pouco de azeite e leite quente*. Tempera-se com bastante noz moscada, ralada na altura.

 

Num tabuleiro põe-se uma base de puré, por cima põe-se a carne picada, sobre a carne podem por-se sobras de legumes cozidos (feijão verde, cenouras, bróculos, grelos, etc.) e tapa-se tudo com o restante puré. Alisa-se bem e pincela-se com uma gema de ovo batida.

 

Vai a forno médio, bem quente, cerca de 20 minutos ou até estar bem douradinho.

 

Servir com rodelas de beterraba cozida.

 

* pode usar-se margarina em vez do azeite

Ter | 12.01.10

molho

Para abrilhantar umas febras de porco grelhadas, era preciso um molho que não fosse gordo mas que fosse muito saboroso. Este!

 

Molho de Iogurte e Hortelã

 

 

1 iogurte natural

1/2 colher de chá de adobo *

3 folhas de hortelã

 

Escorrer o iogurte num filtro de café para perder o soro (30 minutos é suficiente).

Adicionar ao iogurte o adobo (ou sal e pimenta) e as folhas de hortelã muito bem picadinhas. Mexer e servir. Excelente também para acompanhar hamburguers ou apenas batatas fritas.

 

*pode ser substituído por sal e pimenta

 

Seg | 11.01.10

pão quentinho

Depois de ver esta receita em alguns blogs, tive que experimentar. Embora tenha uma máquina de fazer pão e varie bastante as receitas, a textura do pão da máquina é quase sempre idêntica.

A massa deste pão fica parecida com aquele pão com chouriço que se vende nas feiras, ou com a massa do Pão de Mafra que se vê mais para sul.

O prático disto é que, tendo a massa feita, apenas demora cerca de 30 minutos a cozer e enquanto se faz o jantar, está a cozer um belo pão para acompanhar.

Tenho feito apenas metade da receita original que me dá para duas vezes. Noto que o pão que cozo mais tarde fica mais fofo pelo que me parece que quanto mais estiver a levedar a massa, melhor fica o pão.

 

Pão Artesanal

 

 

3 copos e 1/4 de farinha de trigo

1 copo e 1/2 de água

1 colher de sobremesa de sal

1 colher de sobremesa de fermento de padeiro granulado

 

Num recipiente de plástico, que tenha tampa, misturar a farinha, o sal e o fermento e juntar a água. Mexer com uma colher até tudo estar envolvido. Tapar e deixar repousar pelo menos duas horas, embora ache que fica melhor de um dia para o outro. Guardar no frigorífico.

Retirar metade da massa sem a mexer muito, dar-lhe a forma desejada, e colocar num tabuleiro polvilhado de farinha de milho ou de trigo. Fazer uns cortes com uma faca (em cruz ou na diagonal) e voltar a polvilhar. Deixar repousar enquanto o forno aquece e levar ao forno por 30 minutos ou até estar bem douradinho.

 

 

 

Dom | 10.01.10

tangerinas

É assim todos os anos e ainda bem. A tangerineira está carregada de bolinhas cor de laranja, sumarentas, cheias de cheiro e de sabor. Para além de fantásticos sumos, também são boas em bolos. Este é muito cremoso, muito aromático e foi adaptado desta receita.

 

Bolo Pudim de Tangerina

 

 

 

100 gramas de açúcar

2 ovos

100 ml de leite

80 ml de sumo de tangerina

duas colheres de sopa bem cheias de farinha com fermento

raspa de 4 tangerinas

1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

1 pitada de sal

 

Aquecer o forno. Untar 4 forminhas tipo ramequins.

Bater as claras em castelo firme.

Numa taça bater o açúcar com as gemas até ficar um creme esbranquiçado. Juntar o sumo e raspa de tangerina, o leite e a farinha misturada com o bicarbonato.  Envolver suavemente as claras em castelo nesta mistura.

Dividir a massa por quatro forminhas que vão ao forno em banho-maria, num tabuleiro com água bem quente. Cozem cerca de 30 minutos, retiram-se do forno e polvilham-se com açúcar em pó.

Estes foram servidos mornos, acompanhados de um cálice de vinho do Porto.

 

Qui | 07.01.10

tão simples

Ora vamos a ver se ainda me lembro de como fiz isto. É super simples e tem um ingrediente que me enche as medidas e do qual não me canso: massa!

 

Esparguete com presunto e pinhões

 

 

 

 

Cozer esparguete de modo a ficar tenrinho. Escorrer.

 

Numa frigideira sem gordura, salteiam-se os pinhões. Reservam-se.

Na mesma frigideira, ainda sem gordura, salteiam-se duas fatias de presunto aos bocados (daquele que não é nem muito seco, nem muito salgado). Reserva-se.

Na mesma frigideira (quem é amiga, quem é?!) aloura-se uma cebola grande picadinha em azeite. Quando estiver lourinha juntam-se os bocados de presunto, a massa e os pinhões e tempera-se com pimenta moida.

Salteia-se tudo muito bem e serve-se.

 

Ter | 05.01.10

sopinha

Para desenjoar dos excessos da época, aqui está uma sugestão para o jantar.

Para acompanhar, torradas de pão saloio em que se barrou tomate maduro e por cima se deitou um fio de azeite. Depois foi só polvilhar com orégãos. Maravilha.

 

Creme de Favas

 

 

250 gr de favas congeladas*

1 cebola

1 courgete

4 batatas

1 litro de água

azeite

sal

 

Numa panela aloura-se a cebola em azeite, apenas para estalar. Juntam-se as favas, a courgete e as batatas cortadas aos bocados e mexe-se. Tempera-se com sal. Se gostarem, podem acrescentar meio caldo de galinha, dá outro sabor.

Acrescenta-se a água, deixa-se levantar fervura e coze por cerca de 30 minutos. Derrete-se tudo com a varinha mágica e está pronto a servir.

 

*as favas que eu tinha eram da horta e por isso tive que as deixar amolecer um bocadinho para lhes tirar as camisinhas

 

Seg | 04.01.10

embirrações

 

Para mim são as Delícias do Mar!

 

 

 

Como é que alguém, no seu juizo perfeito, pode chamar delícias do mar a um aglomerado de peixe, que é banhado até à exaustão com jactos de água até perder todo o gosto e cor, para depois lhe acrescentarem sabores artificiais a carangueijo ou lagosta, cortar em blocos e pintar para se parecer com marisco???

 

Sou só eu???

 

  

Dom | 03.01.10

ainda há lugar para mais?

Para terminar a época festiva, e com uma abóbora a querer ter o desplante de apodrecer, tive que pensar em utilizá-la noutra coisa que não os bilharacos (e ainda bem porque a minha vizinha ofereceu-me um pratinho deles há bocadinho).

 

Lembrei-me de um pudim que uma das minhas cunhadas fazia, e que costumava ficar muito bom, nada a não ser o nome o identificava como tendo abóbora.

 

Aqui está ele (aham, o bocadinho que está ao lado foi de propósito, a sério...)

 

Pudim de Abóbora

 

 

500 gramas de abóbora cozida e escorrida

50 gr de manteiga derretida

50 gr de côco ralado

1 colher de sopa de farinha maizena

1 colher de chá de canela em pó

250 gr de açúcar

3 ovos

125 gr de açúcar para o caramelo

 

Fazer um caramelo claro e forrar uma forma de pudim.

Reduzir a abóbora a puré. Juntar os restantes ingredientes e mexer bem.

Por a massa do pudim na forma e levar a cozer em banho-maria cerca de uma hora em lume médio.

Desenformar depois de frio.

 

Sab | 02.01.10

Pouca fome

Naquelas noites em que não apetece ir para o fogão, mas apetece qualquer coisa que nos 'encha as medidas' (literalmente...) podem-se sempre inventar comidas diferentes. Apetecia uma tosta mista mas só havia presunto, não morro de amores pelo dito. Hmm, raid ao frigorífico, chapéu do Prof. Pardal em acção e 'vuálá':

 

Tosta de Salmão Fumado e Requeijão de Seia

 

 

 

Numa fatia de pão rústico espalhei salmão fumado, um resto que esperava destino. Por cima coloquei meio requeijão, daquele cremoso. Tapei com outra fatia de pão e barrei a parte de cima do pão com manteiga (ok, foi com Becel, sempre deu aquele ar de comida saudável...). Na tostadeira esteve cerca de 15 minutos até ficar com este aspecto maravilhoso. Copo de vinho branco a acompanhar.