Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Belita, a Rainha dos Couratos

Belita, a Rainha dos Couratos

Sab | 30.08.08

que marmelada...

A época de fazer marmelada e geleia de marmelo começa normalmente lá para meados de Setembro, que é quando apanhamos os marmelos de uma árvore já mais que cinquentenária.

 

Este ano, ou porque as temperaturas andam alteradas ou porque a velha árvore já está muito cansada, deu apenas para aproveitar meia dúzia de marmelos porque os restantes cairam de podres ainda antes de amadurecer...

 

Noutros anos consegui dividir a produção por sete ou oito pessoas, este ano, depois de limpos de bocaditos podres fiquei com 934 gramas de marmelos.

 

Deu para fazer isto:

 

 

934 gramas de marmelos

750 gramas de açúcar

 

Juntar num tacho, levar ao lume cerca de uma hora e passar com a varinha mágica. Deitar em taças e deixar secar.

 

Para que aguente mais tempo (tenho ainda alguma de há dois anos) tapo-a com papel vegetal embebido em aguardente. Fica umas semanas no parapeito da janela a apanhar sol e guarda-se.

Qui | 21.08.08

pão

Ultimamente tenho achado o pão que é vendido em padarias ou supermercados muito salgado. Num país onde se consome muito pão e onde a maioria das pessoas sofre de hipertensão, deveria haver algum cuidado com a quantidade de sal que se põe no pão.

 

Para contrariar essa tendência, tenho feito mais vezes pão em casa, na minha máquina de que já falei aqui. O último que fiz foi este na foto abaixo mas a maioria das vezes a preguiça vence e deixo o trabalho todo para a máquina, é quando ele fica como na foto a seguir.

 

 

 

 

 

A receita que usei foi:

 

Pão de Aveia e Sementes

 

1 1/4 copo de água

2 colheres de sopa de óleo

1 colher de chá de sal

2 colheres de sopa de leite em pó

1 colher de sopa de açúcar amarelo

3 copos de farinha (usei um de farinha integral e dois de farinha sem fermento)

1 copo de flocos de aveia

3 colheres de sopa de sementes (a mistura que usei: girassol, sésamo e linhaça)

2 colheres de chá de fermento de padeiro (fermipan)

 

Pôr os ingredientes na máquina pela ordem acima e escolher o ciclo para o tipo de pão que se pretende. A máquina faz todo o trabalho, desde amassar até cozer.

 

Para os pães individuais, escolhi o ciclo 'massa' e depois moldei os pães na medida que pretendia e levei ao forno cerca de meia hora.

 

Ter | 12.08.08

continuando com as receitas italianas

Esta receita é bastante versátil porque dá para ser feita com qualquer tipo de carne ou peixe. No fundo, alla pizzaiola, é em italiano o mesmo que as nossas receitas à moda de, ou à maneira de... neste caso é o molho que fica parecido com o mollo da pizza, daí ser à pizzaiola.

 

Costeletas alla Pizzaiola 

 

2 colheres de sopa de azeite

2 costeletas de porco, magras

Sal e pimenta preta fresca

1 cebola pequena às rodelas finas

400 grs de tomates bem maduros sem pele ou 1 lata de tomates aos bocadinhos

1 colher de sopa de Ervas da Provença

1 colher de sopa de salsa picada

 

Numa frigideira alouram-se as costeletas (temperadas de sal e pimenta) no azeite, cerca de 5 minutos de cada lado. Retiram-se as costeletas da frigideira e reservam-se num prato, tapadas com papel de alumínio para não arrefecerem.

 

Entretanto na mesma frigideira aloura-se a cebola às rodelas, juntam-se os tomates aos bocadinhos e as ervas da Provença. Tapa-se e deixa-se apurar cerca de 15 minutos, mexendo de vez em quando. Voltar a colocar as costeletas e algum molho que se tenha formado no prato, mexer bem e servir com massa cozida, tudo salpicado com salsa picada.

 

 

 

 

Qui | 07.08.08

al'arrabiata

Massa, massa, massa, de todos os feitios, tamanhos, cores. Adoro massa!

 

Esta é uma das receitas mais simples e rápidas de fazer e é excelente para as minhas refeições vegetarianas, que intercalo com as outras de peixe ou carne. Apenas porque sim.

 

Nem sabia que se chamava assim mas parece que a única diferença é que é costume juntar azeitonas e eu nem sempre as tenho à mão.

 

Pasta al'arrabiata

 

 

500 gr de massa (penne, macarrão, esparguete ou outra)

1 cebola grande picada

3 dentes de alho picados

4 tomates maduros

piri-piri (uma malagueta)

vinho branco

azeite

mangericão

 

Cozer a massa 'al dente'.

 

Num tacho alourar a cebola no azeite, juntar os dentes de alho e deixar alourar mais um pouco, adicionar o tomate cortado em bocadinhos (de preferência sem a pele), a malagueta aos pedacinhos e um pouquinho de vinho branco.

 

Deixar refogar bem, durante cerca de 20 minutos e servir sobre a massa. Polvilhar com o mangericão aos pedacinhos.

 

As minhas variações são acrescentar queijo parmesão ralado, queijo feta aos bocados, queijo mozzarela fresco aos bocados ou nada mesmo! Em caso de desespero pode-se usar tomate em lata!

 

Ter | 05.08.08

iogurtes

Escolher iogurte hoje em dia é uma tarefa complicada. Ele é de frutos vermelhos, frutos silvestres, frutos do bosque, framboesa (cabe em frutos vermelhos e frutos silvestres...), amora (cabe em frutos do bosque e frutos silvestres...), pêra, manga-laranja, banana, ananás e depois, além dos sabores, temos que escolher normal, magro, zero calorias, zero gorduras, baixo colesterol, exótico, sublime... UFF!!!

 

Eu gosto é de iogurte natural! Além de reduzir as possibilidades de escolha (é só natural, magro ou não), é muito versátil pois dá para comer e para usar em receitas doces ou salgadas. O meu iogurte natural favorito é o iogurte grego. Infelizmente não existe cá à venda. Talvez nalguma loja super, mega, hiper gourmet, mas onde vivo não há dessas modernices.

 

A solução que encontrei foi fazer o meu iogurte grego. Para isso, bastam dois iogurtes naturais e um filtro de café. Colocam-se os iogurtes a escorrer no filtro, normalmente ponho de noite para comer ao pequeno-almoço. Devem ser dois porque o soro vai escorrer e o tamanho diminui consideravelmente ficando uma porção equivalente a um iogurte. Não dá na realidade trabalho nenhum! E mesmo que desse valia a pena, confiem em mim.

 

Depois é só retirar o iogurte do filtro para uma taça e adoçar ou não. Eu adoço com um fio de mel, mesmo como os ‘locals’ fazem na Grécia e fico a pensar como é possível uma coisa tão simples ser um bilhete de ida para o paraíso...